A Não Relação Sexual Lacaniana em face do Debate entre Gênero e Diferença Sexual

Rafael Kalaf Cossi

Resumo


Este trabalho tem por finalidade examinar certa faceta da polêmica que gira em torno dos termos diferença dos sexos, gênero e diferença sexual em repercussão no campo psicanalítico. Inicialmente, versa sobre a incorporação de gender como instrumento da pesquisa sobre a sexualidade efetuada por Robert Stoller. Sua tese a respeito do núcleo de identidade de gênero foi analisada por Judith Butler e serviu-lhe de contraponto para o desenvolvimento de sua noção de performatividade de gênero. Acompanhamos a polêmica concernente à noção de diferença sexual em psicanálise. Se, por um lado, é interpretada pelos estudos de gênero como mantenedora duma norma binária que é avessa à multiplicidade; por outro, tem o mérito de resguardar o termo sexo, justamente este que é excluído do espectro contemplado por gênero e é exaltado pelo feminismo francês. Constatamos que a proposição stolleriana também foi criticada por Jacques Lacan no contexto de sua elaboração da noção de semblante do seminário XVIII, que prevê uma espécie de relação entre os sexos. Por fim, defendemos que Lacan não recorre à diferença sexual nem a gênero visando defini-los, mas entra nesse debate privilegiando a relação entre um sexo e outro enquanto impossível, concepção que é subsumida na expressão diferença dos sexos e que foi tema tratado extensamente e com grande rigor de formalização em sua teoria da sexuação.


Palavras-chave


não relação sexual; gênero; diferença sexual; psicanálise lacaniana.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Bereni, L., & Trachman, M. (2014). Le genre, theories et controversies. Paris: Presses Universitaires de France.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Originalmente publicado em 1990).

Butler, J. (2004). Undoing gender. Nova York: Routledge.

Cixous, H. (1975) “The laught of the Medusa”. In: Marks, E.; De Courtivron, I. New french feminism. USA: Schocken Books.

Copjec, J. (1994). Read my desire: Lacan against the historicists. Londres: MIT Press.

Copjec, J. (2012). The sexual compact. Angelaki: Journal of theoretical humanities, 17(2), 31-34.

Ferraz, F. C. (2001). Resenha de Robert J. Stoller. Perversion: The erotic form of hatred, London, Karnak Books. Revista Percurso online, 26(Leitura 6). Link: http://revistapercurso.uol.com.br/pdfs/p26_leitura06.pdf

Fraisse, G. (2010). À côté du genre: Sexe et philosophie de l’égalité. Lormont: Le bord de l’eau.

Grosz, E. (1989). Sexual subversions: three french feminists. Austrália: Allen & Unwin.

Irigaray, L. (1974). Speculum: de l’autre femme. Paris: Les éditions de Minuit.

Ives, K. (2013). Cixous, Irigatay, Kristeva: the jouissance of the french feminism. USA: Crescent Moon Publishing.

Lacan, J. (1985). O seminário, livro 20 – mais, ainda (1972-73). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2003). O aturdito. In J. Lacan, Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2009). O seminário, livro 18 – de um discurso que não fosse semblante (1971). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Laqueur, T. W. (2001). Inventando o sexo: Corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Levet, B. (2014). La théorie du genre ou le mode rêvé des anges: L’identité sexuée como malédiction. Paris: Bernard Grasset.

Montrelay, M. (1977). L’ombre et le nom : sur la feminité. Paris: Ed. De Minuit.

Roudinesco, E., & Plon, M. (1998). Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Rubin, G. (1975). The traffic in women: Notes on the “political economy” of sex. Link: https://genderstudiesgroupdu.files.wordpress.com/2014/08/the-rraffic-in-women.pdf

Saez, J. (2004). Teoría queer y psicoanalisis. Madrid: Editorial Sintesis.

Stoller, R. J. (1982). A experiência transexual. Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1975).

Stoller, R. J. (1984). Sex and gender: The development of masculinity and feminility. Londres: Karnac Books. (Originalmente publicado em 1968).

Stoller, R. J. (1993). Masculinidade e feminilidade: apresentação de gênero. Porto Alegre: Artes Médicas. (Originalmente publicado em 1985).

Wittig, M. (1992). The straight mind and other essays. Boston: Beacon Press books.

Žižek, S (2002). The real of sexual difference. In S. Barnard & B. Fink. (Org.), Reading seminar XX: Lacan’s major work on love, knowledge and feminine sexuality (pp. 57-75). USA: State University of New York Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i2.6692

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia