Intolerância: Fronteiras e Psicanálise

Miriam Debieux Rosa, Diego Amaral Penha, Patrícia do Prado Ferreira

Resumo


Vivemos em um tempo em que o mal-estar se radicaliza e se expressa em manifestações de intolerância. Buscamos sustentar a intolerância como fruto do mal-estar presente na constituição das fronteiras nos campos social e subjetivo e nos modos de circulação entre territórios. Há na intolerância uma posição do sujeito pautada pela ignorância consentida das complexidades em jogo - sociais, políticas, históricas, culturais, linguísticas ou psíquicas. Nessa operação, há um tripé: a paranoia como matriz do conhecimento da lógica liberal, que mantem o imaginário de uma sociedade sob ameaça e incita o medo da alteridade como afeto político central e o ódio como coadjuvante. Em uma lógica identitária, que se presta a certa ‘obturação’ da aventura do desejo, o outro se torna sinônimo de inimigo ou objeto de uma indiferença radical que preconiza o seu desaparecimento. A ignorância obscurece a ambivalência que está no cerne do sujeito e da agressividade que habita cada um. Mas, se de um lado, o ódio ou o desejo de destruição são constitutivos; de outro, é de escolha e responsabilidade do sujeito colocá-lo em ato.


Palavras-chave


intolerância, política, psicanálise, ódio, medo

Texto completo:

PDF/A

Referências


Adorno, T. (1975). A teoria freudiana e o modelo fascista de propaganda. Recuperado de https://fabiomesquita.wordpress.com/2015/05/12/a-teoria-freudiana-e-o-modelo-fascista-de-propaganda-1951/

Agamben, G. (2005). Infância e história. Belo Horizonte: UFMG.

Arendt, H. (1989). Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Arendt, H. (1999). Eichmmam em Jerusalém. São Paulo: Companhia das Letras.

Ferreira, P. P. (no prelo). Coletividade e histeria: Psicanálise e manifestações sociais.

Freud, S. (2006a). Totem e tabu. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 13, pp. 13-68). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1913[1912-13]).

Freud, S. (2006b). O tabu da virgindade (Contribuição à psicologia do amor III). In J. Salomão (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 11, pp. 199-215). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1918[1917]).

Gonçalves, S. F., & Teixeira, A. M. (2015). Da paranoia do conhecimento à psicose: Uma travessia teórica no texto de Lacan. Ágora, 18(1), 101-113. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982015000100008

Koltai, C. (2004). O Ressentimento entre intensão e extensão. Textura, 4(4), 9-12.

Krugman, P. (2017). A ascensão da extrema-direita. Recuperado de https://exame.abril.com.br/blog/paul-krugman/a-ascensao-da-extrema-direita

La Boétie, É. (1997). Discurso da servidão voluntária ou o contra um (M. J. Gomes, Trad.). Lisboa: Antígona. (Originalmente publicado em 1549). Recuperado de http://www.culturabrasil.org/zip/boetie.pdf

Lacan, J. (1935). Le temps vécu: Études phénoménologiques et psycho-pathologiques. Recherches philosophiques, (4), 424-431.

Lacan, J. (1953). Some reflections on the Ego. Int J Psychoanal, 34(1),11-7.

Lacan, J. (1978). Proposition du 9 octobre 1967 [première version]. Analytica, (3),13-26. Recuperado de http://espace.freud.pagespersoorange.fr/topos/psycha/psysem/propass1.htm.

Lacan, J. (1988). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1964).

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1969-70).

Lacan, J. (1998a). Formulações sobre a causalidade psíquica (1946). In J. Lacan, Escritos (pp.152-194). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998b). O estádio do espelho como formador da função do Eu (1949). In J. Lacan, Escritos (pp.96-103). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998c). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano (1960/1998). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2002). O Seminário livro 3: O Outro e a psicose (1955-56). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Rancière, J. (1996). O desentendimento: Política e filosofia. São Paulo: Editora 34.

Reich, W. (1988). Psicologia de massas do fascismo. São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1933).

Rosa, M. D. (2002). Uma escuta psicanalítica das vidas secas. Revista Textura, 2, 42-47.

Rosa, M. D. (2011). O jovem na cena social: a relação identificação, ato e inserção social. In G. Biasoto Jr, & L. A. P. Silva (Orgs.), Políticas Públicas em questão (pp. 35-46). São Paulo: Fundap.

Rosa, M. D. (2013a). Psicanálise implicada vicissitudes das práticas clinicopolíticas. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 41, 29-40.

Rosa, M. D. (2013b). Imigração forçada: a dimensão sócio-política do sofrimento e a transmissão da história. In M. D. Rosa, T.T. Carignato, & S. L. S. Alencar (Orgs.), Política e desejo: Desafios e perspectivas no campo da imigração e do refúgio (pp.83-98). São Paulo: Editora Max Limonad.

Rosa, M. D. (2016). A clínica em face da dimensão sócio-política do sofrimento: Psicanálise, política e cultura. São Paulo: Escuta/ Fapesp.

Roudinesco, E. (1988). História da psicanálise na França. Rio de Janeiro: Zahar.

Safatle, V. (2016). O circuito dos afetos: Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo (2ª ed.) Belo Horizonte: Autêntica.

Sloterdijk, P. (2012). Crítica da razão cínica. São Paulo: Estação Liberdade. (Originalmente publicado em 1988).

Tatit, I., & Rosa, M. D. (2013). Errância e isolamento: as dimensões de desejo e de gozo da solidão.Psicologia em Revista (Online), 18, 446-457. DOI: http://dx.doi.org/10.5752/P.1678-9563.2012v18n3p446

Welle, D. (2017). A nova onda conservadora o Brasil. Recuperado de https://www.cartacapital.com.br/politica/a-nova-onda-conservadora-no-brasil

Žižek, S. (1992). Eles não sabem o que fazem: O sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Zygouris, R. (2011). Psicanálise e psicoterapia. São Paulo: Via Lettera.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18iEsp.6739

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia