Semelhanças e Especificidades entre os Estudos do Ócio e os Estudos do Lazer

Marcos Gonçalves Maciel, Luiz Alex Silva Saraiva, José Clerton Oliveira Martins

Resumo


As concepções teóricas dos estudos do ócio e dos estudos do lazer apresentam semelhanças e especificidades quanto à análise dos fenômenos culturais. Assim, o objetivo deste trabalho é analisar essas duas perspectivas considerando suas abordagens conceituais. Para tanto, conduzimos uma pesquisa bibliográfica, por meio de uma revisão narrativa. As análises realizadas indicam que há distinções referentes aos aspectos filosófico, ontológico, epistemológico, axiológico e temporal. Todavia, apresentam similaridade em relação à subjetividade/atitude e à intervenção pedagógica. Embora singulares, ambas as áreas podem estabelecer um dialogismo para a construção de conhecimentos que compreendam os fenômenos sociais do ócio e do lazer enquanto desenvolvimento pessoal e coletivo.


Palavras-chave


ócio; lazer; subjetividade

Texto completo:

PDF/A

Referências


Aquino, C. A. B., & Martins, J. C. O. (2008). Ócio, lazer e tempo livre na sociedade que centraliza o tempo de trabalho. In M. C. Cuenca, & J. C. O. Martins (Org.), Ócio para viver no século XXI (pp. 84-97). Fortaleza: As musas.

Baptista, M. M. (2016). Estudos de ócio e leisure studies: O atual debate filosófico, político e cultural. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, 3(1), 20-30. Link: http://mariamanuelbaptista.com/pdf/037_EstudodeOcio.pdf

Bertini, V. M. R. (2005). O pensamento de Joffre Dumazedier e de Nelson Carvalho Marcellino: Algumas convergências e diferenças no campo do lazer. Licere, 8(1), 111-125. Link: https://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/view/4170

Camargo, L. O. L. (1998). Educação para o lazer (4 ed.). São Paulo: Moderna.

Cordeiro, A. M., Oliveira, G. M., Renteria, J. M., & Guimarães, C.A. (2007). Revisão sistemática: Uma revisão narrativa. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 34(6), 428-431. https://doi.org/10.1590/S0100-69912007000600012

Cuenca, M. C. (2000). Ócio humanista: Dimension y manifestiones del ócio. Bilbao: Universidad de Deusto.

Cuenca, M. C. (2003). Ocio humanista, dimensiones y manifestaciones actuales del ocio. Bilbao: Universidad de Deusto.

Cuenca, M. C. (2006). Aproximación multidisciplinar a los estudios de ocio. Bilbao: Universidad de Deusto.

Cuenca, M. C. (2008). Ócio humanista. In M. C. Cuenca, & J. C. O. Martins (Org.), Ócio para viver no século XXI (pp. 46-59). Fortaleza: As Musas.

Cuenca, M. C. (2014). Ocio valioso. Bilbao: Universidad de Deusto.

Cuenca, M. C. (2016). O ócio autotélico. Revista do Centro de Pesquisa e Formação do Serviço Social do Comércio, (2), 10-29.

Cuenca, M. C., & Prat, A. G. (2012). Ocio experiencial: Antecedentes y características. ARBOR Ciencia, Pensamiento y Cultura, 188(754), 265-281. https://doi.org/10.3989/arbor.2012.754n2001

Dumazedier, J. (1979). Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva.

Francileudo, F. A. (2009). Desvelando o valor do tempo para si: Um estudo hermenêutico sobre o sentido ontológico do ócio (Dissertação de Mestrado). Universidade de Fortaleza.

Francileudo, F. A. (2013). Sobre a experiência de ócio: Significados revelados com base em um estudo hermenêutico-fenomenológico (Tese de Doutorado). Universidade de Fortaleza.

Francileudo, F. A., & Martins, J. C. O. (2016). Sentido do tempo, sentido do ócio, sentidos para o viver. Coimbra: Gracio Editor.

Gomes, C. L. (2004). Lazer: Concepções. In C. L. Gomes (Org.), Dicionário crítico do lazer (pp.119-126). Belo Horizonte: Autêntica.

Gomes, C. L., & Pinto, L. M. S. M. (2009). O lazer no Brasil: Analisando práticas culturais cotidianas, acadêmicas e políticas. In C. L. Gomes, E. Osorio, L. M. S. M. Pinto, & R. Elizalde (Org.), Lazer na América Latina/Tiempo libre, ocio y recreación en Latinoamérica (pp. 39-76, 2. ed). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Gomes, C. M., & Rejowski, M. (2005). Lazer enquanto objeto de estudo científico: Teses defendidas no Brasil. Licere, 8(2), 9-28. LINK: https://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/view/4191

Isayama, H. F., & Melo, V. A. (2014). A produção de conhecimento sobre lazer: O olhar do periódico licere. In H. F. Isayama, M. A. T. Oliveira. (Org.). Produção de Conhecimento em Estudos do Lazer: Paradoxos, Limites e Possibilidades (pp. 187-204, 1 ed.). Belo Horizonte: UFMG.

Larrosa, J. B. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, (19), 20-29. Link: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf

Lukács, G. (1978). As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. Temas de Ciências Humanas, Livraria Editora Ciências Humanas, (4), 1-18. Link: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/sem_pedagogica/fev_2009/bases_ontologicas_pensamento_atividade_homem_lukacs.pdf

Maciel, M. G. (2016). A efetividade das experiências de ócio em um programa governamental de atividade física (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais.

Marcellino, N. C. (2014). Lazer e educação (17 ed.). Campinas, SP: Papirus.

Marx, K. (2004). Manuscritos Econômico-filosóficos (J. Ranieri Trad.). São Paulo: Boitempo.

Mascarenhas, F. (2005). Entre o ócio e o negócio: Teses acerca da anatomia do lazer (Tese de Doutorado). Universidade de Campinas, São Paulo.

Minayo, M. C. S. (2008). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (7 ed.). Rio de Janeiro: Hucitec.

Monteagudo, M. J. S., Cuenca, J., Bayón, F., & Kleiber, D. A. (2013). Ócio ao longo da vida: As potencialidades dos itinerários de ócio para a promoção do desenvolvimento humano. Revista Lusófona de Estudos, 1(2), 156-173. Link: http://www.rlec.pt/index.php/rlec/article/view/30

Padilha, V. (1992). Trabalho e lazer: Reflexões sobre a abordagem funcionalista (Monografia de Pós-Graduação em Recreação e lazer). Universidade de Campinas, São Paulo.

Peixoto, E. M. M. (2008). Os estudos do lazer no Brasil: Apropriação da obra de Marx e Engels. Revista Movimento, 14(3), 87-116. Link: https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/viewFile/2675/4179

Pinto, L. M. S. M. (2004). Sentidos e significados de tempo de lazer na atualidade: Estudo com jovens belo-horizontinos (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais.

Reis, L. J. A., Cavichiolli, F. R., & Starepravo, F. (2009). A ocorrência histórica do lazer: Reflexões a partir da perspectiva configuracional. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 30(3), 63-78. Link: http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/248

Rhoden, I. (2002). A experiência do ócio construtivo e a qualidade de vida. Ecarta, 1(6), 10-21.

Rhoden, I. (2008). Ócio construtivo e o desenvolvimento humano. In M. C. Cuenca, & J. C. O. Martins (Orgs.), Ócio para viver no século XXI (pp. 75-92). Fortaleza: As musas.

Rhoden, I. (2009). O ócio como experiência subjetiva: Contribuições da psicologia do ócio. Revista Mal-estar e Subjetividade, 9(4), 1233-1250. Link: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1518-61482009000400008&script=sci_abstract

Rojek, C. (2011). O lado obscuro do lazer: Formas anormais. In C. L. Gomes, & R. Elizalde (Orgs.), Desafios e perspectivas da educação para o lazer, (pp. 111-125). Belo Horizonte: Editorial SESC/Otium.

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), 5 – 6. https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001

Schwartz, G. M. (2003). O conteúdo virtual do lazer: contemporizando Dumazedier. Licere. 2(6), 23-31. Link: https://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/view/4133/3025

Sousa, J. G., & Baptista, M. M. (2015). Ócio e cultura na (re)construção identitária de pessoas idosas institucionalizadas. Revista Subjetividades, 15(2), 274-285. Link: http://periodicos.unifor.br/rmes/article/view/4964

Tôrres, J. J. M. (2015). O ócio nas culturas contemporâneas: Teorias e novas perspectivas em investigação. Revista Subjetividades, 15(2), 309-312. https://doi.org/10.5020/23590777.15.2.310-313

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i2.6745

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia