Objetos (In)visíveis: Psicanálise, Espetáculo e a Arte de Vik Muniz

Marília Zancan Frantz, Edson Luiz André de Sousa

Resumo


As questões propostas neste ensaio nascem de três encontros: o primeiro, com a teoria lacaniana a respeito da constituição do sujeito a partir do campo do Outro; o segundo, com a obra de Guy Debord sobre A Sociedade do Espetáculo; o terceiro, com o trabalho do artista brasileiro Vik Muniz. O que une esses três encontros é o desejo de pensar nas relações do sujeito com o social e nas questões que suscitam a respeito do laço social em nossa sociedade capitalista, na qual visibilidade e cidadania se confundem com a capacidade de consumo. Se o sujeito depende do olhar do outro para se estruturar, e é o poder aquisitivo que, nesse contexto, lhe dá lugar no espaço público, já não basta consumir, é preciso mostrar aquilo que se consome, transformando a si mesmo em objeto consumível. Este ensaio propõe que o espetáculo, conforme o definiu Debord, é o modo como o laço social se apresenta a partir da estrutura que Lacan definiu como discurso capitalista, e que produz efeitos de reificação e de apagamento da singularidade do sujeito através da antecipação de respostas para as questões que o desejo coloca. No entanto, nem todas as imagens que vemos são iguais, nem todas estão submetidas à lógica espetacular. A arte propõe imagens a partir de outro lugar, compartilhado com a psicanálise: aquele que busca desestabilizar o eixo dos discursos prontos e das produções de sentido. E é esta também a proposta de trabalho de Vik Muniz ao criar ilusões que não iludem, mas revelam os elementos que as constituem. Assim, diante dos imperativos do espetáculo, da arte e da psicanálise, ao sustentarem a potência do nome que falta, possibilitam que o sujeito de desejo encontre brechas por onde resistir.


Palavras-chave


arte; capitalismo; espetáculo; psicanálise; Vik Muniz.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Adorno, T. W. (2003). O ensaio como forma. In T. W. Adorno, Notas de literatura I. São Paulo: Editora 34.

Barreiros, R., & Dantas, K. (Produtores), Barreiros, R., & Dantas, K. (Diretores). (2012). Funk Ostentação: O Filme. [Vimeo]. Brasil: Kondzilla.

Bucci, E., & Kehl, M. R. (2004). Videologias: Ensaios sobre televisão. São Paulo: Boitempo.

Chauí, M. (2011). A contração do tempo e o espaço do espetáculo. [Youtube]. Café Filosófico: Espaço, tempo e mundo virtual. Link: https://www.youtube.com/watch?v=jC-LwwyCdXI

Chemama, R. (1997). Um sujeito para o objeto. In R. Goldenberg (Org.), Goza!: Capitalismo, globalização e psicanálise. Salvador: Ágalma.

Coelho, D. M., & Santos, M. V. O. (2012). Apontamentos sobre o método na pesquisa psicanalítica. Analytica: Revista de Psicanálise, 1(1), 90-105. Link: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/analytica/v1n1/v1n1a06.pdf

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto. (Originalmente publicado em 1967).

Didier-Weill, A. (1997). Nota azul: Freud, Lacan e a Arte. Rio de Janeiro: Contra Capa.

Kehl, M. R. (2004a). Visibilidade e espetáculo. In E. Bucci, & M. R. Kehl, Videologias: Ensaios sobre televisão. São Paulo: Boitempo.

Kehl, M. R. (2004b). Televisão e violência do imaginário. In E. Bucci, & M. R. Kehl. Videologias: Ensaios sobre televisão. São Paulo: Boitempo.

Kehl, M. R. (2009). O tempo e o cão: A atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo.

Kon, N. M. (2001). Entre a psicanálise e a arte. In E. L. A. Sousa, E. Tessler, & A. Slavutzky, A. (Orgs), A invenção da vida: Arte e psicanálise. Porto Alegre: Artes e Ofícios.

Lacan, J. (1972). Du discours psychanalytique. Inédito.

Lacan, J. (1992). O Seminário, livro 17: O avesso da psicanálise (1969-70). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu (1949). In J. Lacan, Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2008). Seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964). Rio de Janeiro: Zahar.

Muniz, V. (2007). Reflex: Vik Muniz de A a Z. São Paulo: Cosac Naify.

Muniz, V. (2009). Objeto Invisível. In P. C. Lago (Org.), Vik Muniz: Obra completa, 1987-2009 – catálogo raisoneé. Rio de Janeiro: Capivara.

Quinet, A. (2009). Psicose e laço social: Esquizofrenia, paranoia e melancolia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Silva, J. M. (2007). Depois do espetáculo (reflexões sobre a tese 4 de Guy Debord). In C. F. Gutfreind, & J. M. Silva, (Orgs.), Guy Debord: Antes e depois do espetáculo. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Silva, J. M. (2012). A sociedade midíocre. Passagem ao hiperespetacular: O fim do direito autoral, do livro e da escrita. Porto Alegre: Sulina.

Sousa, E. L. A de. (2002). A utopia e a função social da arte. Retrieved from http://www.appoa.com.br/uploads/arquivos/correio/correio108.pdf

Sousa, E. L. A de. (2007a). Uma invenção da utopia. São Paulo: Lumme Editor.

Sousa, E. L. A de. (2007b). Função: Estamira. Estudos psicanalíticos, (30), 51-55.

Sousa, E. L. A de. (2014). Teu tempo te mostrarei em um punhado de pó: Psicanálise, utopia e propaganda. Sig: revista de psicanálise, 3(5), 69-78. Link: http://sig.org.br/wp-content/uploads/2016/04/Convidado.pdf

Sousa, E. L. A., & Lima, M. R.(2009). O nome que falta. Psicologia e Sociedade, 21(spe), p. 51-56. https://doi.org/10.1590/S0102-71822009000400009

Souza, E. G. de. (2013). Estamira: Fragmentos de um mundo em abismo. São Paulo: N-1 Edições.

Starobinski, J. (2011). É possível definir o ensaio?. Remate de Males, 31(1-2), 13-24. https://doi.org/10.20396/remate.v31i1-2.8636219




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i2.6885

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia