Institucionalização da Graduação em Psicologia

Maria de Fatima Pereira Alberto, José Rangel de Paiva Neto, Sérgio Rodrigues de Santana, Pablo de Sousa Seixas

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar a história da institucionalização da Psicologia na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), considerando o contexto em que estava situado. Para tanto, foi necessário compreender o processo de criação do curso, ou seja, seu contexto histórico-cultural, a demanda, os sujeitos sociais e os formatos teóricos e metodológicos que assume. Fez-se uso de documentos do acervo da instituição e de 13 entrevistas com professores do Departamento de Psicologia ativos e aposentados que participaram do processo de institucionalização ou dos anos iniciais do curso de graduação. Os dados revelam três influências na institucionalização: a demanda inicial e o contexto histórico, o corpo docente e suas características, e o formato teórico-metodológico. A demanda inicial e o contexto histórico destacam o processo de “modernização” da cidade de João Pessoa, a necessidade acadêmica de caráter produtivista da Psicologia enquanto ciência e um espaço mercadológico. O contexto de implantação do curso de Psicologia da UFPB se dá entre o segundo e o terceiro período da ditadura civil-militar no Brasil, momento da expansão universitária da UFPB, que permitiu aprovação do curso e contratação de diversos professores vindos de dentro e de fora do estado que, alinhados à Psicologia nacional e internacional, reproduzem o modelo hegemônico, de cunho elitista, que não fazia frente ao momento vivenciado, de restrição de direitos. Tais aspectos, segundo os atores sociais da época, têm rebatimento direto na orientação teórico-metodológica dos primeiros professores, divididos entre dois grupos: um mais alinhado a um modelo hegemônico, positivista e privativo; e outro, a um modelo mais coletivo e comunitário, com características contra-hegemônicas. O modelo de curso e formação da Psicologia na UFPB acaba centralizando a produção de conhecimento e estabelecendo o modelo formativo a ser adotado na região.


Palavras-chave


história da psicologia; institucionalização da psicologia; criação do curso.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Alves, M. H. M. (2005). Estado e oposição no Brasil (2a ed.). Bauru: EDUSC.

Antunes, M. (2004). A Psicologia no Brasil no Século XX: Desenvolvimento Científico e Profissional. In M. Massimi & M. C. Guedes (Orgs.), História da Psicologia no Brasil: novos estudos (pp. 109-152). São Paulo: EDUC/Cortez.

Antunes, M. (2012). A Psicologia no Brasil: um ensaio sobre suas contradições. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(spe), 44-65.

Araújo, M. A. P. (2014). A psicologia no Maranhão: Percursos históricos. Rio de Janeiro: Biblioteca Virtual de Ciência Humanas do Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Barbosa, D. R.,& Souza, M. P. R. (2009). História da psicologia: Contribuições da etnografia e da história oral. Temas em Psicologia, 17(1), 81-91.

Bock, A. M. (2003). Psicologia e sua ideologia: 40 anos de compromisso com as elites. In A. M. Bock (Org.), Psicologia e Compromisso Social. São Paulo: Cortez.

Brožek, J., & Massimi, M. (2002). Curso de Introdução à Historiografia da Psicologia: Apontamentos para um Curso Breve. Memorandum, 2, 103-109.

Campello, M. T. B. (1993). Um breve histórico do curso de psicologia da UFPB. Trabalho apresentado no Seminário de Avaliação e estudos sobre o currículo de graduação em Psicologia da UFBP, João Pessoa.

Campos, R. H. F. (1983). A função social do psicólogo. Educação & Sociedade, 16, 74-84.

Carvalho, D. B., Seixas, P. S., & Yamamoto, O. H. (2002). Modernização urbana e a consolidação da psicologia em Natal, Rio Grande do Norte. Psicologia em Estudo,7 (1), 131-141. DOI: 10.1590/S1413-73722002000100016

Carvalho, M. C., & Moraes, E. S. D. (1998). Carolina Bori e a Criação do Curso de Psicologia da UFBA. Psicologia USP, 9 (1), 109-111.

Cavalcante, F. S., J.r, & Sousa, A. F (2007). Histórias da psicologia no Ceará: entrevista com Gercileni Campos. Psicologia em Estudo, 12 (2), 433-437.

Coimbra, C. (1995). Guardiães da Ordem. Rio de Janeiro: Oficina do Autor.

Cunha, L. A. (2007). A universidade reformada: O golpe de 1964 e a modernização do ensino superior (2a ed). São Paulo: Editora UNESP.

Fávero, M. L. A. (2006). A universidade no Brasil: das origens à reforma universitária de 1968. Educar, 28, 17-36.

Fernandes, F. (1975). Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina.(2a ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Fernandes, F. (1989) O desafio educacional (Coleção Educação Contemporânea). São Paulo: Cortez/Autores Associados.

Ferreira, L. F. G. & Fernandes, D. (Org).(2006). Universidade Federal da Paraíba (UFPB) 50 Anos. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB.

Germano, J. W. (2005). Estado militar e a educação no Brasil (1964-1985) (4a ed.) São Paulo: Cortez.

Gil, A. C. (2014) Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (6a ed.) São Paulo: Atlas.

Jacó-Vilela, A. M. (2016). Investigando em História da Psicologia: Contribuições metodológicas. Interacciones, 2 (2), 123-134.

Jordão, F. C. L. (2012). O núcleo de arte contemporânea da Paraíba 1978/1985. Dissertação de Mestrado, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Mancebo, D. (1999). Formação em psicologia: gênese e primeiros desenvolvimentos. In A. M. Jacó-Vilela & H. B. C. Rodrigues (Org.), Clio-Psyché: histórias da psicologia no Brasil (pp. 93-120). Rio de Janeiro: UERJ/NAPE.

Margotto, L. R., & Souza, M. C. C. C. (2017). A constituição de um curso de Psicologia durante a civil-militar no Brasil: Investigação a partir dos relatos dos primeiros professores. Memorandum, 32, 58-77.

Medeiros, A. (2010). Primórdios da Psicologia em Pernambuco. Revista Travessia,12, 147-155.

Rosas, P. (2001). Dos serviços de seleção e orientação profissional à formação acadêmica em Psicologia. In P. Rosas (Org.). Memória da Psicologia em Pernambuco (pp. 155-159). Recife: Editora Universitária.

Sá-Silva, J. R., Almeida, C. D., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: Pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1), 1-15.

Silva, V. M. (2001) A construção da política cultural no regime militar: Concepções, diretrizes e programas (1974-1978). Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva, C. A. (2008). Psicologia no Piauí: Estudo da implantação dos primeiros cursos superiores e seus currículos. Monografia, Universidade Estadual do Piauí, Teresina.

Silva, R. S. (2011). Departamento de Psicologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB-1974). In A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições de psicologia no Brasil (pp. 155-156). Rio de Janeiro/Brasília: Imago/CFP.

Yamamoto, O. H. (2012). 50 anos de profissão: responsabilidade social ou projeto ético-político?Psicologia ciência e profissão, 32(spe), 6-17.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i1.6975

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia