Contexto Físico e Sociocultural de uma Aldeia Indígena “Tembé” na Amazônia Brasileira

Miriam Dantas de Almeida, Janari da Silva Pedroso, Celina Maria Colino Magalhães, Estela Márcia França Aido

Resumo


O estudo do desenvolvimento humano se faz necessário nos diversos contextos socioculturais, pois a partir dele é possível identificar as variáveis que influenciam no ciclo da vida. O contexto para realização da pesquisa foi a aldeia indígena Tenetehar-Tembé, localizada na Terra Indígena do Alto Rio Guamá (TIARG), na Amazônia brasileira. Realizou-se uma pesquisa qualitativa, com utilização de instrumentos de observação participante e diário de campo, que permitiram a descrição do contexto físico e social dessa comunidade. Houve a participação do cacique, das lideranças e dos professores indígenas da aldeia Sede. Objetivou-se com este estudo relatar a estruturação física e sociocultural da aldeia Sede, onde residem os Tenetehar-Tembé, à luz da Teoria do Nicho Desenvolvimental, com enfoque no subsistema denominado de Contexto Físico e Social. Os dados coletados foram sistematizados em eixos temáticos para melhor compreensão e análise, a saber: a aldeia como lugar de todos os indígenas; espaço social da aldeia sede; ambientes sagrados da aldeia; e o tempo na aldeia. Tais categorias revelaram o conceito que os indígenas têm sobre ambiente físico e social, do lugar que eles habitam e o respeito que possuem dos lugares sagrados em determinados horários. Práticas que abrangem desde crianças até as pessoas idosas da aldeia, o que exerce influência direta no curso desenvolvimental. Entende-se ser necessário refletir sobre a maneira como os cuidadores tratam suas crianças e no que acreditam ser adequado ao cuidado delas, correlacionando com o ambiente em que são cuidadas, uma vez que essa relação se configura e é construída no meio sociocultural em que estão inseridos.

Palavras-chave


nicho desenvolvimental; crenças; práticas; índios; Amazônia

Texto completo:

PDF/A

Referências


Andrews, M. (2000). Ageful and proud. Ageing and Society, 20(6), 791-795. doi: 10.1017/s0144686x01007966

Assis, E., & Dias, C. (2009). Diagnóstico para implantação do levantamento preliminar das referências culturais do povo indígena Tembé da terra indígena alto Rio Guamá. Relatório Técnico Instituto do patrimônio Histórico Nacional – IPHAN. Belém: Superintendência Regional do Pará e Amapá.

Balée, W. (1994). The historical ecology of plan utilization by on amazonian people. New York: Colombia University Press.

Barh, F. (2000). O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Beltrão, J. F. (2012). Povos indígenas na Amazônia. Belém: Estudos Amazônicos.

Capiberibe, A. (2017). A língua franca do suprassensível: Sobre xamanismo, cristianismo e transformação. Mana, 23(2), 311-340. doi: 10.1590/1678-49442017v23n2p311

Castro, E. V. (2006). A floresta de cristal: Notas sobre a ontologia dos espíritos amazônicos. Cadernos de Campo, 15(14/15), 319-338. DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v15i14-15p319-338

Castro, E. V. (2015). Metafisica Canibais: Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify.

Clifford, J. (1998). A experiência etnográfica: Antropologia e Literatura do século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

Coelho, J. R. L. (2014). Cosmologia Tenetehara Tembé: (Re)pensando narrativas, ritos e alteridade no Alto Rio Guamá – PA. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Maranhão.

Coelho, J. R. L. (2015). Karuwara: Observando sobrenaturais entre os Tembé do Guamá. Revista Estudos Amazônicos, 11(1), 275-302. Retrieved from http://www.ufpa.br/historia/Estudos%20Amazonicos/Jose_Coelho.pdf.

Creswell, W. J. (2007). Método qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Cunha, M. C. (1998). Pontos de vista sobre a floresta amazônica: Xamanismo e tradução. Mana, 4(1), 7-22. doi: 10.1590/S0104-93131998000100001

Descola, P. (1997). Ecologia e cosmologia. In E. Castro, & F. Pinton (Orgs.), Faces do Trópico Úmido: Conceitos e questões sobre o desenvolvimento e meio ambiente (pp. 243-261). Belém, PA: Cejup.

Dias, C. L., Rocha, G., & Mitschein, T, A. (2012). O futuro Ameaçado do povo Tembé no Alto rio Guamá. Núcleo de Meio Ambiente NUMA, UFPA: POEMA.

Garcia, U. (2015). Sobre o poder da criação: Parentesco e outras relações Awá-guajá. Mana, 21(1), 91-122. doi: 10.1590/0104-93132015v21n1p091

Harkness, S., & Super, C. M. (1992). Parental ethnoteories in action. In I. E. Sigel, A. V. McGillicuddy-DeLisi, & J. J. Goodnow (Orgs.), Parental belief systems: The psychological consequences for children (pp. 373-391). Hillsdale: Lawrence Erlbaum.

Harkness, S., & Super, C. M. (1996). Parents cultural belief systems: Their origins, expressions and consequences. New York, US: The Gilfrd Press.

Hoyer, W. J., & Roodin, P. A. (2003). Adult development and aging. New York: The McGraw-Hill.

Keller, H. (2007). Cultures of infancy. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum. doi: 10.4324/9780203936771.

Leininger, M. M. (1985). Qualitative research methods in nursing. Michigan: Gruner & Straton.

Lobo, R. G. (2016). Naturezas esfumaçadas: Os Tembé e o mercado de crédito de carbono. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Minayo, M. C. (1994). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, SP: Hucitec/Abrasco.

Minayo, M. C., & Sanches, O. (1993). Quantitativo-qualitativo: Oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, 9(3), 237-248. doi: 10.1590/S0102-311X1993000300002

Oliveira, R. C. de. (1996). O trabalho do antropólogo: Olhar, ouvir, escrever. Revista de Antropologia, 39(1), 13-37. Retrieved from http://www.jstor.org/stable/41616179?seq=1#page_scan_tab_contents

Ponte, V. S., & Aquino, M. J. da S. (2013). Para ser mulher verdadeira! Os Tenetehar-Tembé: relações entre ritual, direitos e estratégias de afirmação cultural em ações locais. Nuevo Mundo, [on-line]. Link: https://journals.openedition.org/nuevomundo/66051?lang=es

Schmidt, M. L. S. (2006). Pesquisa participante: Alteridade e comunidades interpretativas. Psicologia USP, 17(2), 11-41. doi: 10.1590/S0103-65642006000200002

Super, C. M., & Harkness, S. (1999). The environment as culture in developmental research. In S. L. Friedman, & T. D. Wachs (Eds.), Measuring environment across the life span: Emerging methods and concepts (pp. 279-323). Washington, DC: American Psychological Association.

Tooby, J., & Cosmides, L. (1995). The psychological foundations of culture. In J. H. Barkow, L. Cosmides, & J. Cosmides (Eds), The adapted mind: Evolutionary psychology and the generation of culture (pp. 19-136). New York: Oxford University Press.

Wagley, C., & Galvão, E. (1961). Os índios Tenetehara: Uma cultura em transição. Rio de Janeiro: MEC/Serviço de Documentação.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i2.7113

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia