Estimação da magnitude dos descritores afetivos de dor por médicos, enfermeiras e pacientes de um serviço de oncologia: um enfoque da psicofísica clínica - doi:10.5020/18061230.2007.p143

Catarina Nívea Bezerra Menezes, José Aparecido da Silva

Resumo


O objetivo deste estudo experimental foi validar a escala psicofísica de percepção da linguagem e escalonar a intensidade de dor associada a cada um dos descritores, verificando sua consistência-fidedignidade e concordância intersubjetiva entre profissionais e pacientes. A pesquisa foi realizada no Hospital das clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, de janeiro a junho de 2005, com 41 profissionais e 20 pacientes. Os descritores de dor submeteram-se a análise de métodos psicofísicos escalares em método único de estimação de categoria e magnitude. A dor para os profissionais de um serviço de Oncologia ginecológica
foi referida como dilacerante, aguda e lancinante e para os pacientes como cortante e escaldante. Na Pediatria oncológica, os profissionais expressaram a dor como dilacerante,
aguda, escaldante, enquanto os pacientes como escaldante, compressora, obstinada e lancinante. Na correlação de Spearman (0,713) ficou demonstrado que existe alta correlação
entre os médicos. No tocante a estimativa de magnitude, verificou-se alta correlação entre os médicos e enfermeiras (0,871). Evidenciou-se no estudo que a análise correlacional sugeriu que as magnitudes dos diferentes descritores, associadas ao desprazer da dor julgada por pacientes, diferem daquelas efetuadas por diferentes profissionais da saúde.

Palavras-chave


Medição da dor; Oncologia; Dor.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/1016

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia