Quanto se ganha, em anos de vida, na ausência da mortalidade por causas externas e homicídios? uma análise de 5 regiões metropolitanas do Brasil -doi:10.5020/18061230.2007.p150

Claudio Santiago Dias Junior

Resumo


O objetivo principal deste artigo foi mensurar o quanto se ganha, em anos de vida, com a ausência das mortes por causas externas e homicídios. Comparamos homens e mulheres, segundo o grupo etário, de cinco regiões metropolitanas do Brasil (Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo), no ano 2000. Para gerar as expectativas de vida, e medir os ganhos em anos de vida, utilizamos uma tábua de vida de múltiplos decrementos.
Os dados foram coletados no Datasus (mortalidade) e IBGE (população). Nossos resultados mostraram que as expectativas de vida nas regiões metropolitanas do Recife, do Rio de
Janeiro e de São Paulo são mais vulneráveis às causas externas e aos homicídios. Na região metropolitana do Recife, por exemplo, na ausência das mortes por causas externas,
a expectativa de vida ao nascer dos homens aumentaria em 4,22 anos. Concluímos que os óbitos por causas externas e homicídios, nas principais regiões metropolitanas do Brasil,
estão fazendo com que as pessoas, principalmente os jovens do sexo masculino, vivam menos do que poderiam.

Palavras-chave


Mortalidade; Homicídio; Violência; Esperança de vida.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/1017

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia