Percepção de enfermeiros acerca da demanda social à luz do princípio da integralidade

Sueli Rodrigues de Azevedo, Ricardo Bruno Santos Ferreira, Mônica Oliveira Rios, Bárbara Teixeira Carvalho, Climene Laura de Camargo

Resumo


Objetivo: Identificar a percepção de enfermeiros acerca da demanda social e da aplicação do princípio da integralidade na Estratégia Saúde da Família. Métodos: Trata-se de um estudo qualitativo e descritivo, desenvolvido com 20 enfermeiras em um município referência do Território Sertão Produtivo da Bahia, Brasil. Os dados foram coletados através de entrevista norteada por um roteiro semiestruturado e sistematizados através da análise de conteúdo temático. Resultados: Verificou-se dubiedade nas interpretações acerca da demanda social da população na Estratégia Saúde da Família, pois uma parcela dos enfermeiros tem dificuldade em compreender as necessidades da comunidade, enquanto outros possuem uma percepção holística acerca da temática. Além disso, percebeu-se que a integralidade pode ser utilizada pelos profissionais como instrumento da prática diária para a compreensão, reflexão e ação diante das demandas sociais apresentadas pela população. Conclusão: Constatou-se que, através da integralidade, o profissional pode compreender as questões sociais, econômicas, políticas e culturais da população, algo determinante na construção de intervenções efetivas e específicas para cada realidade.

Palavras-chave


Sistema Único de Saúde; Integralidade em Saúde; Necessidades e demandas de serviços de saúde

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Machado CV, Silva GAE. Political struggles for a universal health system in Brazil: successes and limits in the reduction of inequalities. Global Health. 2019;15(Suppl 1):77.

Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. The health care model: concepts and challenges for primary health care in Brazil. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(6):1869-78.

Arantes LJ, Shimizu HE, Merchán-Hamann E. The benefits and challenges of the Family Health Strategy in Brazilian Primary Health care: a literature review. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(5):1499-510.

Rivillas JC, Colonia FD. Reducing causes of inequity: policies focused on social determinants of health during generational transitions in Colombia. Glob Health Action. 2017;10(1):1349238.

Fonseca Viegas SM, Mattos Penna CM. Integrality: life principle and right to health. Invest Educ Enferm. 2015;33(2):23-47.

Ichihara MYT, Ramos D, Rebouças P, Oliveira FJ, Ferreira AJF, Teixeira C, et al. Area deprivation measures used in Brazil: a scoping review. Rev Saude Publica. 2018;52:83.

Dias MAS, Araújo OIP, Silva LMS, Vasconcelos MIO, Machado MFAS, Forte FDS, Silva LCC. Política Nacional de Promoção da Saúde: um estudo de avaliabilidade em uma região de saúde no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(1):103-14.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo: HUCITEC; 2007.

Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (BR). Plano de Desenvolvimento Territorial Rural Sustentável e Solidário do Território Sertão Produtivo/ Guanambi - BA, 2016 [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Nov 12]. Disponível em: http://www.seplan.ba.gov.br/arquivos/File/politica-territorial/PUBLICACOES_TERRITORIAIS/Planos-Territoriais-de-Desenvolvimento-Sustentavel-PTDS/2018/PTDSS_2016_Sertao_Produtivo.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: edições 70; 2011.

Soratto J, Pires DEP, Dornelles S, Lorenzetti J. Estratégia saúde da família: uma inovação tecnológica em saúde. Texto & Contexto Enferm. 2015;24(2):584-92.

Silva FCS. O princípio da integralidade e os desafios de sua aplicação em saúde coletiva. Rev Saúde Desenv. 2015;7(40):94-107.

Nogueira VMR, Mioto RCT. Desafios atuais do Sistema Único de Saúde: SUS e as exigências para os assistentes sociais. In: Mota AE, organizador. Serviço Social e saúde: formação e trabalho profissional. 2ª ed. São Paulo: OPAS; 2007

Nogueira VMR. Determinantes sociais de saúde e a ação dos assistentes sociais – um debate necessário. Rev Serv Soc Saúde. 2015;10(02):45-72.

Cruz RAO, Araujo ELM, Nascimento NM, Lima RJ, França JRFS, Oliveira JS. Reflections in the light of the complexity theory and nursing education. Rev Bras Enferm. 2017;70(1):236-9.

Paim JS. A reforma sanitária brasileira e o Sistema Único de Saúde: dialogando com hipóteses concorrentes. Physis. 2008;18(4):625-44.

Dourado I, Medina MG, Aquino R. The effect of the Family Health Strategy on usual source of care in Brazil: data from the 2013 National Health Survey (PNS 2013). Int J Equity Health. 2016;15(1):151.

Knopf-Amelung S, Gotham H, Kuofie A, Young P, Manney Stinson R, Lynn J, et al. Comparison of Instructional Methods for Screening, Brief Intervention, and Referral to Treatment for Substance Use in Nursing Education. Nurse Educ. 2018;43(3):123-27.

Lukewich JA, Tranmer JE, Kirkland MC, Walsh AJ. Exploring the utility of the Nursing Role Effectiveness Model in evaluating nursing contributions in primary health care: A scoping review. Nurs Open. 2019;6(3):685-97.

Martins DC, Gois OJO, Silva JOM, Rosa MPRS, Gonçalves MC. Violência: abordagem, atuação e educação em enfermagem. Cad Grad Ciênc Biol Saúde. 2017;4(2):155-68.

Pereira VT, Guareschi PA. O CRAS em relação: profissionais e usuários(as) em movimento. Fractal Rev Psicol. 2016;28(1):102-10.

Rocha KB, Conz J, Barcinski M, Paiva D, Pizzinato A. A visita domiciliar no contexto da saúde: uma revisão de literatura. Psicol Saúde Doenças. 2017;18(1):170-85.

Viegas SMF, Penna CMM. As dimensões da integralidade no cuidado em saúde no cotidiano da Estratégia Saúde da Família no Vale do Jequitinhonha, MG, Brasil. Interface (Botucatu). 2015;19(55):1089-100.

Monteiro MFV, Barbosa CP, Vertamatti MAF, Tavares MNA, Carvalho ACO, Alencar APA. Access to public health services and integral care for women during the puerperal gravid period period in Ceará, Brazil. BMC Health Serv Res. 2019;19(1):851.

Colimoide FP, Meira MDD, Abdala GA, Oliveira SLSS. Integrality from the perspective of nurses in the Family Health Strategy. Rev Bioét. 2017;25(3):611-7.

Santos CTB, Barros IS, Amorim ACCLA, Rocha DG, Mendonça AVM, Sousa MF. Integrality in Brazil and Venezuela: similarities and complementarities. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(4):1233-40.

Seixas CT, Merhy EE, Baduy RS, Slomp H Jr. Integrality in the health care perspective: an experience of the Unified Health System in Brazil. Salud Colect. 2016;12(1):113-23.

Berendes DM, Kirby AE, Clennon JA, Agbemabiese C, Ampofo JA, Armah GE, et al. Urban sanitation coverage and environmental fecal contamination: Links between the household and public environments of Accra, Ghana. PLoS One. 2018;13(7):e0199304.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Oliveira IC, Balard CR, Cutolo LRA. Formação profissional em saúde: integralidade em perspectiva. Saúde Transform Soc. 2013;4(1):69-72.

Kalichman AO, Ayres JRCM. Integralidade e tecnologias de atenção à saúde: uma narrativa sobre contribuições conceituais à construção do princípio da integralidade no SUS. Cad Saúde Pública. 2016;32(8):e00183415.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2020.10308

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia