Fatores associados à autopercepção de saúde entre idosos de grupos comunitários

Camila Teixeira Vaz, Nizia Araujo Vieira Almeida, Regina Gendzelevski Kelmann, Andreia Cristiane Carrenho Queiroz, Maria Cristina de Albuquerque Barbosa, Clarice Lima Alvares da Silva

Resumo


Objetivo: Investigar a associação entre a autopercepção negativa de saúde e características individuais entre idosos de grupos comunitários do Sudeste do Brasil. Métodos: Trata-se de estudo transversal, realizado entre os anos 2014 a 2017, com amostra de 157 idosos participantes de 2 grupos de convivência de dispositivos sociais e/ou religiosos da cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Por meio de um questionário estruturado, baseado em questões utilizadas em inquérito populacional e de aferição de medidas antropométricas de peso, altura e circunferência da cintura (CC), avaliou-se a autopercepção de saúde (variável resposta) por meio da seguinte pergunta: o(a) senhor(a) diria que sua saúde está: ruim, razoável, boa ou muito boa? As respostas foram categorizadas em autopercepção de saúde negativa (ruim e razoável) e positiva (boa e muito boa). Realizaram-se estatísticas descritivas, testes Mann-Whitney, Fisher e qui-quadrado e regressão logística multivariada. Resultados: A proporção de autopercepção negativa de saúde foi de 32,5%. A autopercepção negativa de saúde associou-se à menor renda (OR=5,02; IC95%: 2,08 - 12,08), à inatividade física (OR=3,51; IC95%: 1,26 - 9,78) e à presença de duas ou mais doenças (OR=4,96; IC95%: 2,10 - 11,72), independentemente da idade e do sexo. Conclusão: A autopercepção negativa de saúde associou-se à menor renda familiar, à inatividade física e à presença de duas ou mais doenças associadas.

Palavras-chave


Idoso; Autopercepção; Fatores de Risco; Estudos Transversais

Texto completo:

PDF/A PDF (English)

Referências


Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(3):507-59.

Barros MBA, Goldbaum M. Desafios do envelhecimento em contexto de desigualdade social. Rev Saúde Pública. 2018;52(Supl 2):1s.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2011 [acesso em 2019 Jan 14]. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv49230.pdf

Santos JLF, Duarte YAO, Lebrao, ML. Early life conditions and current health status as per the study “Health, Well-being and Aging” (SABE). Rev Bras Epidemiol. 2018;21(2):1-15.

Veras RP, Oliveira M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(6):1929-36.

Ferreira ACS, Mattos M. Atenção multiprofissional ao idoso em condição crônica na Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Promoç Saúde. 2018;31(3):1-10.

Costa MR. Padrão e autopercepção alimentar de mulheres fisicamente ativas [dissertação]. Salvador: UFBA; 2013.

Lindemann IL, Reis NR, Mintem GC, Sassi RAM. Autopercepção da saúde entre adultos e idosos usuários da Atenção Básica de Saúde. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2019 [acesso em 2019 Jan 14];24(1):45-52. doi: 10.1590/1413-81232018241.34932016

Falk H, Skoog I, Johansson L, Guerchet M, Mayston R, Hörder H, et al. Selfrated health and its association with mortality in older adults in China, India and Latin America-a 10/66 Dementia Research Group study. Age Ageing. 2017;46(6):932-9.

Inuzuka S, Jardim PCV, Abrahams-Gessel S, Souza LG, Rezende AC, Perillo NB, et al. Self-rated health status and illiteracy as death predictors in a Brazilian cohort. PLoS ONE. 2018;13(7):e0200501.

Ribeiro EG, Matozinhos FP, Guimarães GL, Couto AM, Azevedo RS, Mendonza IYQ. Autopercepção de saúde e vulnerabilidade clínico-funcional de idosos de Belo Horizonte/Minas Gerais. Rev Bras Enferm. 2018;71(Supl.2):860-7.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: Anexo I da Portaria de Consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017, que consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Mendes EV. The care for chronic conditions in primary health care. Rev Bras Promoç Saúde. 2018;31(2):1-3.

IBGE. Tabela 1378: população residente, por situação do domicílio, sexo e idade, segundo a condição no domicílio e compartilhamento da responsabilidade pelo domicílio [Internet]. [2011] [acesso em 2019 Nov 12]. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/Tabela/1378#resultado

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of antropometry. WHO Technical Report Series. Geneva: WHO; 1995.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO; 1998.

Silvani J, Buss C, Pena GG, Recchi AF, Wendland EM. Consumo alimentar de usuários do Sistema Único de Saúde segundo o tipo de assistência e participação no Bolsa Família. Cienc Saúde Colet. 2018;23(8):2599-608.

Duarte YAO, Andrade CL, Lebrão ML. O Índex de Katz na avaliação da funcionalidade dos idosos. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(2):317-25.

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Prim Care. 1994;21(1):55-67.

Medeiros SM, Silva LSR, Carneiro JA, Ramos GCF, Barbosa ATF, Caldeira AP. Fatores associados à autopercepção negativa da saúde entre idosos não institucionalizados de Montes Claros, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(11):3377-86.

Pagotto V, Bachion MM, Silveira EA. Autoavaliação da saúde por idosos brasileiros: revisão sistemática da literatura. Rev Panam Salud Publica. 2013;33(4):302-10.

Adjei NK, Brand T. Investigating the associations between productive housework ativities, sleep hours and self-reported health among elderly men and women in western industrialised countries. BMC Public Health. 2018;18(1):110.

Meireles AL, Xavier CC, Andrade ACDS, Friche AADL, Proietti FA, Caiaffa WT. Self-rated health in urban adults, perceptions of the physical and social environment, and reported comorbidities: the BH Health Study. Cad Saude Publica. 2015;31(Supl 1):120-35.

Medeiros PA, Cembranel F, Figueiró TH, Souza BB, Antes DL, Silva DAS, et al. Prevalência e simultaneidade de fatores de risco cardiovasculares em idosos participantes de um estudo de base populacional no sul do Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2019;2(2):1-16.

Pagotto V, Nakatani AYK, Silveira EA. Fatores associados à autoavaliação de saúde ruim em idosos usuários do Sistema Único de Saúde. Cad Saude Publica. 2011;27(8):1593-60.

Borim FSA, Barros MBA, Neri AL. Autoavaliação da saúde em idosos: pesquisa de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saude Publica. 2012;28(4):769-80.

Carvalho FF, Santos JN, Souza LM, Souza NRM. Análise da percepção do estado de saúde dos idosos da região metropolitana de Belo Horizonte. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(2):285-93.

Confortin SC, Giehl MWC, Antes DL, Schneider IJC, D’orsi E. Autopercepção positiva de saúde em idosos: estudo populacional no Sul do Brasil. Cad Saude Publica. 2015;31(5):1049-60.

Kosilov K, Kuzina I, Kosilova L, Gainullina Y, Kuznetsov V, Ivanovskaya M, et al. Health-related quality of life and socioeconomic status of imprisoned middle-age and elderly persons. Soc Theory Health. 2019;17:75-88.

Stenholm S, Westerlund H, Head J, Hyde M, Kawächi I, Pentti J, et al. Comorbidity and functional trajectories from midlife to old age: the Health and Retirement Study. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2015;70(3):332-8.

Arantes RC. Diretrizes para gestão do envelhecimento ativo e com qualidade de vida para idosos brasileiros. In: Faria L, Calábria LK, Alves WA. Envelhecimento: um Olhar Interdisciplinar. São Paulo: Hucitec; 2016. p. 188-214.

Castro APS, Will GB, Castro MR, Ximenes CF, Cordeiro MS. Viviendo en comunidad, envejeciendo de forma saludable. Enf Global. 2019;19(1):302-45.

Oliveira AG, Abreu SSS, Macedo MASS, Duarte SFP, Reis LA, Lima PV. Grupos de convivência como suporte na prevenção da depressão em idosos. Rev Enferm Contemp. 2019;8(1):17-24.

Bauman A, Merom D, Bull FC, Buchner DM, Singh MAF. Updating the Evidence for Physical Activity: summative reviews of the epidemiological evidence, prevalence, and interventions to promote “Active Aging”. Gerontol. 2016;56(Supl 2):268-80.

Abuladze L, Kunder N, Lang K, Vaask S. Associations between self-rated health and health behaviour among older adults in Estonia: a cross-sectional analysis. BMJ Open. 2017;7(6):e013257.

Song X, Wu J, Yu C, Dong W, Lv J, Guo Y, et al. Association between multiple comorbidities and self-rated health status in middle-aged and elderly Chinese: the China Kadoorie Biobank study. BMC Public Health. 2018;18(744):1-24.

Axelsson ÅB, Sunnerhagen KS, Herlitz J. Representativity and co-morbidity: two factors of importance when reporting health status among survivors of cardiac arrest. Resuscitation. 2016;101:44-9.

Gavasso WC, Beltrame V. Functional capacity and reported morbidities: a comparative analysis in the elderly. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(3):398-408.

Kim SH, Cho B, Won CW, Hong YH, Son KY. Self-reported health status as a predictor of functional decline in a community-dwelling elderly population: nationwide longitudinal survey in Korea. Geriatr Gerontol Int. 2016;17(6):885-92.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2020.10328

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia