Fatores associados à insegurança alimentar e nutricional em comunidade carente

Andressa Pestana Brito, Virgínia Nunes Lima, Eliziane Gomes da Costa Moura da Silva, Adriana Sousa Rêgo, Luciana Pereira Pinto Dias, Josélia Dias Silva, Wyllyane Rayana Chaves Carvalho, Janaina Maiana Abreu Barbosa

Resumo


Objetivo: Verificar os fatores associados à insegurança alimentar e nutricional (IAN) de uma comunidade carente. Métodos: Estudo transversal e analítico, desenvolvido nos meses de agosto e setembro de 2018, com 150 indivíduos, em uma comunidade carente de São Luís, Maranhão, Brasil. Participaram da pesquisa maiores de 18 anos, de ambos os sexos e residentes em domicílios na comunidade escolhida. Não foi incluído mais de um indivíduo por domicílio. Aplicou-se um questionário para obtenção de dados sociodemográficos (sexo, idade, escolaridade, renda, cor da pele, número de moradores da residência, estado civil e ocupação). A situação de insegurança alimentar e nutricional foi avaliada com auxílio da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar, que mede a percepção e a experiência familiar da segurança alimentar, insegurança e fome em nível domiciliar, classificando o domicílio em segurança ou insegurança alimentar (leve, moderada ou grave). Realizou-se análise multivariada pelo modelo de regressão de Poisson. Resultados: A prevalência de IAN foi de 94% (n=141) nos avaliados. No que se refere à renda, 70,7% (n=106) tinham renda mensal menor que um salário mínimo. Quanto à escolaridade, 50,7% (n=76) relataram tempo inferior a oito anos de estudo. Observou-se associação em ter renda familiar menor que um salário mínimo (IRR=1,07; IC=1,07-1,31) com a IAN. Conclusão: A prevalência de insegurança alimentar foi elevada entre os indivíduos investigados e mostrou-se associada à menor renda.

Palavras-chave


Segurança Alimentar e Nutricional; Fatores de Risco; Vulnerabilidade Social

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Brasil. Presidência da República. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União; 18 set. 2006.

Gregório MJ, Graça P, Nogueira PJ, Gomes S, Santos CA, Boavida J. Proposta Metodológica para a Avaliação da Insegurança Alimentar em Portugal. Rev Nutrícias. 2014;21:4-11.

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (BR); Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2013. Rio de Janeiro: IBGE; 2013.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (BR); Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio: segurança alimentar 2013. Rio de Janeiro: IBGE; 2004.

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (BR); Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Pereira MHQ, Pereira MLAS, Martins BEP, Santos SMC. Segurança Alimentar e Nutricional e fatores associados em municípios baianos de diferentes portes populacionais. Rev Segur Aliment Nutr. 2019;26:1-11.

Morais DC, Lopes SO, Priore SE. Indicadores de avaliação da Insegurança Alimentar e Nutricional e fatores associados: revisão sistemática. Cienc Saude Colet [Internet]. 2019 [acesso em 2019 Nov 19]. Disponível em: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/indicadores-de-avaliacao-da-inseguranca-alimentar-e-nutricional-e-fatores-associados-revisao-sistematica/17083

Costa NS. Prevalência e fatores associados a insegurança alimentar e nutricional [dissertação]. Maceió: Universidade Federal de Alagoas; 2016.

Ribeiro JCS, Santos SMC, Soares TMB, Accioly JABC. Segurança Alimentar e Nutricional: avaliação e fatores determinantes em consórcio de municípios, Bahia, Brasil. Demetra. 2018;13(1):83-100.

Panigassi G, Segall-Corrêa AM, Marin-León L, Pérez-Escamilla R, Sampaio MFA, Maranha LK. Insegurança alimentar como indicador de iniqüidade: análise de inquérito populacional. Cad Saúde Pública. 2008;24(10):2376-84.

Brasil. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional. Institui o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional a fim de assegurar direito humano à alimentação adequada para toda população brasileira. Brasília, DF: Diário Oficial da União; 18 set 2006.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Princípios e diretrizes para uma política nacional de segurança alimentar. Brasília: CONSEA; 2004.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: Anexo I da Portaria de Consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017, que consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do SUS/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Soares MESM. Qualidade de vida e segurança alimentar: estudo de base populacional no município de João Pessoa-PB [tese]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2016.

Gubert MB, Perez-Escamilla R. Insegurança alimentar grave municipal no Brasil em 2013. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(10):3433-44.

Segall-Corrêa AM, Pérez-Escamilla R, Sampaio MFA, Marín-León L, Panigassi G, Maranha LK, et al. Acompanhamento e avaliação da segurança alimentar de famílias brasileiras: validação de metodologia e de instrumento de coleta de informação Urbano/Rural. Campinas: UNICAMP; 2004.

Almeida JA, Santos AS, Nascimento MAO, Oliveira JVC, Silva DG, Mendes-Netto RS. Fatores associados ao risco de insegurança alimentar e nutricional em famílias de assentamentos rurais. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(2):479-88.

Sabóia RCB, Santos MM. Prevalência de insegurança alimentar e fatores associados em domicílios cobertos pela Estratégia Saúde da Família em Teresina, Piauí, 2012-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(4):749-58.

Pedraza DF, Bezerra TA, Ana C, Cerqueira DR, Fonsêca JS. (In)-Segurança alimentar de famílias residentes em um município do interior da Paraíba, Brasil. Rev Saude Publica. 2017;19(5):649-56.

Lopes AF, Frota MTBA, Leone C, Szarfarc SC. Perfil nutricional de crianças no estado do maranhão. Rev Bras Epidemiol. 2019(22):e190008.

Morais DC, Sperandio N, Dutra LV, Franceschini SCC, Santos RHS, Priore SE. Indicadores socioeconômicos, nutricionais e de percepção de insegurança alimentar e nutricional em famílias rurais. Segur Aliment Nutr. 2018;25(2):1-11.

Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional (BR). II Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - PLANSAN 2016-2019. Brasília: CAISAN; 2018.

Bezerra TA, Olinda, RA, Pedraza, DF. Insegurança alimentar no Brasil segundo diferentes cenários sociodemográficos. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(2):637-51.

Santos KKD, Mandacaru SMP, Matta RA, Murta NMG, Freitas RF, Lessa AC. Fatores associados à insegurança alimentar em populações pobres do município de Diamantina-MG. Revista Espacios. 2017;38(12)19.

Rocha NP, Szarfarc SC, Lira PIC, Sequeira LAS, Silveira VNC, Frota MTBA. Condição de (In)Segurança Alimentar e fatores associados de famílias com crianças menores de cinco anos de idade do Estado do Maranhão. Segur Aliment Nutr. 2018;25(3):71-80.

Amaral VR, Basso D. Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil: uma análise em perspectiva histórica. Rev Desenvolv Reg. 2016;13(1):181-200.

Souza BFNJ, Marin-Leon L, Camargo DFM, Segall-Corrêa AM. Demographic and socioeconomic conditions associated with food insecurity in households in Campinas, SP, Brazil. Rev Nutr. 2016;29(6):845-57.

Omuemu VO, Otasowie EM, Onyiriuka U. Prevalence of food insecurity in Egor local government area of Edo State, Nigeria. Ann Afri Med. 2012;11(3):139-45.

Organização das Nações Unidas. Transformando nosso mundo: Agenda 2030 para o desenvolvimento Sustentável. 2015 [acesso em 2016 Mar 29]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/

Cardoso F, Avelar KES. Aproveitamento integral dos alimentos e o seu impacto na saúde. Sustentabilidade Destaque. 2015;6(3):131-43.

Cavenhagi S, Alves JED. Mulheres chefes de família no Brasil: avanços e desafios. Rio de Janeiro: ENS-CPES; 2018.

Rodrigues AM, Santos EC, Faria TP, Faria AL, Chamon EMQO. Segurança alimentar de famílias com pré-escolares da zona rural de um município do Vale do Paraíba paulista. DEMETRA. 2020;15:1-12.

Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas. Repercussões do Programa Bolsa Família na segurança alimentar e nutricional: relatório síntese. Rio de Janeiro: IBASE; 2008.

Costa LNF, Braga MM, Rocha M, Lima MS, Campêlo WF, Vasconcelos CMCS. Fatores associados à insegurança alimentar em pessoas que vivem com HIV/AIDS. Rev Bras Promoç Saúde. 2018;31(1):1-8.

Hoffmann R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: Análise dos Dados da PNAD de 2004. Segur Aliment Nutr. 2008;15(1):49-61.

Maas NM, Sassi M, Andres R, Meucci, Rodrigo Dalke, Cesar J. Insegurança Alimentar em famílias de área rural do extremo sul do Brasil. Cienc Saude Colet [Internet]. 2018 [acesso em 2019 Nov 19]. Disponível em: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/inseguranca-alimentar-em-familias-de-area-rural-do-extremo-sul-do-brasil/17030?id=17030

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (BR); Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2012. Rio de Janeiro: IBGE; 2012.

Silva KSM, Fontoura ES, Blümke AC, Margutti KMM. Insegurança alimentar e sua relação com fatores socioeconômicos de nutrizes atendidas na atenção primária. Rev Eletrônica Disciplinarum Scientia. 2015;16(2):221-9.

Sperandio N, Priore SE. Prevalência de insegurança alimentar domiciliar e fatores associados em famílias com pré-escolares, beneficiárias do Programa Bolsa Família de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(4):739-48.

Oliveira DS, Demétrio F, Soares MD, Henrique FCS, Santos LA. Prevalência e fatores associados à insegurança alimentar. Rev Baiana Saúde Pública. 2017;41(3):561-79.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2020.10415

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia