A experiência vivenciada pelo familiar do paciente crítico em isolamento de contato

Lorena Guimaraes Oliveira, Gabriela Nunes Monteiro, Vanessa Leitao Azevedo, Aglauvanir Soares Barbosa, Celi Melo Girao, Rita Monica Borges Studart

Resumo


Objetivo: Descrever a experiência vivenciada pelo familiar de paciente crítico em isolamento de contato. Métodos: Estudo com metodologia qualitativa, realizado em 2019, em uma unidade de transplante de uma instituição hospitalar pública, em Fortaleza, Ceará, Brasil, cujos participantes foram 17 familiares de pacientes que se encontravam internados na Unidade Pós-operatória de Alta Complexidade em isolamento de contato. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevista semiestruturada, sendo realizada a análise temática, a partir da qual emergiram três categorias: A experiência do familiar no momento da visita; A fé como suporte para o enfrentamento na espera da recuperação do seu familiar; Os sentimentos vivenciados pela necessidade de isolamento. Resultados: Os achados revelaram a necessidade da precaução por isolamento, que assusta muito os familiares, e a importância do uso de aparelhos, de medidas de prevenção e de proteção, contexto em que a fé e a esperança acabam dando vez para o desânimo e tristeza. O medo do desconhecido e de contrair a doença de seu familiar traz um sentimento ambíguo. Conclusão: Percebeu-se nas falas que a religião, espiritualidade, crença, tem papel fundamental no dia a dia dos familiares e na recuperação dos pacientes em hospitalização, trazendo mais segurança e força em todo processo. A reação dos entrevistados diante da necessidade da utilização de equipamento de proteção individual, tanto pelos profissionais como por eles mesmos no período da visita, mostrou que foi interpretada como “nojo” para tocar em seus familiares.

Palavras-chave


Enfermagem; Isolamento de Pacientes; Resultados de Cuidados Críticos

Texto completo:

PDF/A

Referências


Flach K, Lobo BO, Potter JR, Lima NS. O luto antecipatório na unidade de terapia intensiva pediátrica: relato de experiência. Rev SBPH [Internet]. 2012 [acesso em 2020 Abr 9];15(1):83-100. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582012000100006

Ferreira PD, Mendes TN. Família em UTI: importância do suporte Psicológico diante da iminência de morte. Rev SBPH [Internet]. 2013 [acesso em 2020 Abr 9];16(1):88-112. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582013000100006

Padoveze MC, Figueiredo RM. The role of primary care in the prevention and control of healthcare associated infections. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2014 [acesso em 2020 Abr 9];48(6):1137-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n6/0080-6234-reeusp-48-06-1137.pdf

World Health Organization. Guidelines on core omponentes of infection prevention and control programmes at the national and acute health care facility level [Internet]. Geneva: WHO; 2016 [acesso em 2020 Abr 10]. Disponível em: http://www.who.int/gpsc/corecomponents.pdf

Moreira EKCB, Martins TM, Castro MM. Representação social da psicologia hospitalar para familiares de pacientes hospitalizados em unidade de Terapia Intensiva. Rev SBPH [Internet]. 2013 [acesso em 2020 Abr 9];15(1):134-67. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582012000100009

González-Estrada A, Fernández-Prada M, Martínez Ortega C, Lana Pérez A, López González ML. Cumplimiento de las precauciones de aislamiento de contacto por microorganismos multirresistentes en un hospital de tercer nível. Rev Calid Asist [Internet]. 2016 [acesso em 2020 Abr 9];31(5):293-99. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSa ude/article/view/15204/pdf

Mellagi AG. O enfrentamento religioso em pacientes portadores de HIV/AIDS: um estudo psicossocial entre homens católicos e evangélicos. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2009.

Rabelo AHS, Sousa TV. O conhecimento do familiar/acompanhante acerca da precaução de contato: contribuições para enfermagem pediátrica. Esc Anna Nery Rev Enferm [Internet]. 2009 [acesso em 2020 Abr 9];2(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n2/v13n2a06.pdf

Rodrigues MP, Lima KC, Roncalli AGA. Representação social do cuidado no programa saúde da família na cidade de Natal. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2018 [acesso em 2020 Abr 9];13(1):71-82. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232008000100012&script=sci_abstract&tlng=pt

Matos MCB, Matosa JGNF, Sousa LRM, Sousa AFL, Queiroz AAFLN, Moura MEB. Infection Control is a Safety Indication”: discussions based on the student’s perspective. J Res Fundam Care [Internet]. 2018 [acesso em 2020 Abr 9];10(3):640-6. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6137

Souza ES, Belei RA, Carrilho CMDM, Matsuo T, Yamada-Ogatta SF, Andrade G, et al. Mortality and risks related to healthcareassociated infection. Texto & Contexto Enferm [Internet]. 2015 [acesso em 2020 Abr 9];24(1):220-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072015000100220

Kotkowski KA, Ellison RT, Barysaus CM, Barton BA, Allison JJ, Mack DA, et al. Association of hospital contact precaution policies with emergency department admission time. J Hosp Infect [Internet]. 2017 [acesso em 2020 Abr 9];96(3):244-9. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28454768

Padilha JMFO, Sá SPC, Silvino ZR. Gloves and nursing professionals’ adherence to contact precautions: an integrating review. J Nurs UFPE [Internet]. 2017 [acesso em 2020 Abr 9];11(2):667-74. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/6bf4/e1e31decbfde587a57637e9d51b64b6da9f9.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 2.446, de 11 de novembro de 2014 [Internet]. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Brasília: Ministério da Saúde; 2014 [acesso em 2020 Abr 15]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11_2014.html

Malta DC, Reis AAC, Jaime PC, Morais OL Neto, Silva MMA, Akerman M. Brazil’s Unified Health System and the National Health Promotion Policy: prospects, results, progress and challenges in times of crisis. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(6):1799-809.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Hospital Geral de Fortaleza. Acesso à informação [Internet]. 2020 [acesso em 2020 Abr 14]. Disponível em: http://www.hgf.ce.gov.br/index.php/categoria-1?cssfile=principal.css

Flick U. Pesquisa qualitativa: por que e como fazê-la. In: Flick UWE. Introdução à pesquisa qualitativa. 3rd ed. Porto Alegre: Artmed; 2009. p. 18-38.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [acesso em 2020 Abr 9];24(1):17-27. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2008000100003

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Camargo BV, Justo AM. IRAMUTEQ: Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires. Temas Psicol [Internet]. 2013 [Acesso em 2020 Abr 9];21(2). Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v21n2/v21n2a16.pdf

Gomes ACD. Medicina e Religião no Hospital-Colónia Rovisco Pais. Coimbra: Universidade de Coimbra; 2014.

Fornazari AS, Ferreira RER. Religiosidade/espiritualidade em pacientes oncológicos: qualidade de vida e saúde. Psicol Teor Pesqui. 2010;26(2):265-272.

Di Primo AO, Schwartz E, Bielemann VLM, Burille A, Zillmeret JGV, Feijó AM, et al. Rede social e vínculos apoiadores das famílias de crianças com câncer. Texto & Contexto Enferm. 2010;19(2):334-42.

Duarte FM, Wanderley KS. Religião e espiritualidade de idosos internados em uma enfermaria geriátrica. Psicol Teor Pesqui. 2011:27(1):49-53.

Almeida AS, Aragão NRO, Moura E, Lima GC, Hora EC, Silva LASM. Sentimento dos familiares em relação ao paciente internado na unidade de terapia intensiva. Rev Bras Enferm. 2009;62(6).

Passos SSS, Santos LM, Santos VMN, Santana VS, Silva JO, Pereira A. O acolhimento no cuidado à família numa unidade de terapia intensiva. Rev Enferm UERJ. 2015;23(3):368-74.

Blom H, Gustavsson C, Sundler AJ. Participation and support in intensive care as experienced by close relatives of patients: a phenomenological study. Intensive Crit Care Nurs. 2013;29(1):18.

Maestri E, Martins JJ, Nascimento ERP, Bertoncello KCG. Avaliação das estratégias de acolhimento na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):75-81.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n.1707, 4 de julho de 2005. Dispõe sobre a Política Nacional de Atenção ao Paciente Crítico. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Barros FE, Soares E, Teixeira MLO, Branco EMSC. Controle de infecção a pacientes em precaução de contato. Rev Enferm UFPE. 2019;13(4):1081-9.

Castro AF, Rodrigues MCS. Auditoria de práticas de precauções-padrão e contato em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2019;53:03508.

Santos HG, Santos CIL, Lopes DFM, Belei RA. Multirresistência bacteriana: a vivência de pacientes internados em Hospital-Escola do Município de Londrina – PR. Cienc Cuid Saude. 2010;9(1):74-8.

Marques RB, Lovatto CG, Prevê CP, Souza SBC. A compreensão dos familiares de pacientes portadores de germes multirresistentes acerca do isolamento e das medidas de precaução. Rev Ciênc Saúde. 2014;7(3).

Freiberger MF, Silva DG, Pinheiro EC, Duarte RM, Santiago PO. Prevenção de infecção cruzada entre acompanhantes e pacientes em ambiente hospitalar. Rev Cient Fac Educ Meio Ambiente. 2011;2(Supl-l):74-6.

Stube M, Herman CTS, Benetti ERR, Stumm EMF. O enfermeiro na prevenção de infecções em terapia intensiva. Rev Enferm UFPE. 2013;7(esp):6989-97.

Beuter M, Brondani CM, Szareski C, Cordei FR, Roso CC. Sentimentos de familiares acompanhantes de adultos face ao processo de hospitalização. Esc Anna Nery. 2012;16(1).

Rabelo AHS, Souza TV. O conhecimento do familiar/acompanhante acerca da precaução de contato: contribuições para a enfermagem pediátrica. Esc Anna Nery. 2009;13(2):271-78.

Luiz FF, Caregnato RCA, Costa MR. Humanização na terapia intensiva: percepção do familiar e do profissional de saúde. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):1095-103.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2020.10667

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia