Hipertensão arterial entre idosos: comparação entre indicadores do Ceará, do Nordeste e do Brasil

Alane Siqueira Rocha, Breno Aloísio Torres Duarte de Pinho, Érica Nobre Lima

Resumo


Objetivo: Estimar a taxa de prevalência e o número de pessoas com hipertensão e a expectativa de vida livre e com hipertensão arterial da população idosa do estado do Ceará, da Região Nordeste e do Brasil, para o ano de 2008, e apresentar o cenário dos indicadores para o ano de 2020. Métodos: Trata-se de estudo quantitativo, elaborado a partir de dados populacionais da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios e das Projeções Populacionais disponibilizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estima-se a prevalência e a população idosa com hipertensão, e utiliza-se o método de Sullivan para calcular a esperança de vida sem e com hipertensão. Resultados: Nos anos de 2008 e 2020, a prevalência de hipertensão entre idosos foi superior a 50% entre o sexo feminino e 40% entre o sexo masculino, assim como a proporção da expectativa de vida aos 60 anos a ser vivida com hipertensão, sendo observados valores mais elevados para o Brasil em comparação com o Nordeste e o Ceará. Nesse período, espera-se um aumento do número de idosos com hipertensão em mais de 40% no Brasil e ao redor de 30% no Nordeste e no Ceará. Conclusão: O ritmo do envelhecimento populacional contribui para o crescimento da população idosa com hipertensão. A prevalência e a expectativa de vida com hipertensão apresentam especificidades regionais. Regra geral, a prevalência de hipertensão é elevada entre os idosos, de modo que parte significativa da expectativa de vida aos 60 anos deverá ser vivida com o problema da hipertensão.

Palavras-chave


Hipertensão Arterial; Envelhecimento Populacional; Idosos; Indicadores de Saúde; Esperança de Vida

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(3):507-19.

Borges JES, Camelier AA, Oliveira LVF, Brandão GS. Qualidade de vida de idosos hipertensos e diabéticos da comunidade: um estudo observacional. Rev Pesqui Fisioter. 2019;9(1):74-84.

Dias JRP, Andrade RL, Fernandes ACM, Laurindo BM, Fonseca ERS. Análise do perfil clínico-epidemiológico dos idosos portadores de hipertensão arterial sistêmica nas microáreas 4, 6 e 7 da USF tenoné. Braz J Hea Rev. 2019;2(1):2-41.

Malta DC, Moura L, Prado RR, Escalante JC, Schmidt MI, Duncan BB. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):599-608.

Barreto SM, Passos VMA, Firmo PJOA, Guerra HL, Vidigal PG, Lima-Costa MFF. Hypertension and clustering of cardiovascular risk factors in a community in southeast Brazil - The Bambuí Health and Ageing Study. Arq Bras Cardiol. 2001;77(6):576-81.

Costa EM, Lourenço RA. Hipertensão arterial no idoso saudável e no idoso frágil: uma revisão narrativa. Revista HUPE. 2017;16(1):37-43.

Kearney PM, Whelton M, Reynolds K, Muntner P, Whelton PK, He J. Global burden of hypertension: analysis of worldwide data. Lancet. 2005;365:217-23.

Mills KT, Bundy JD, Kelly TN, Reed JE, Kearney PM, Reynolds K, et al. Global disparities of hypertension prevalence and control: a systematic analysis of population-based studies from 90 countries. Circulation. 2016;134:441-50.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios 2008 - Microdados. Rio de Janeiro: IBGE; 2008.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeções da População Brasil e Unidades da Federação por sexo e idade: 2010-2060. Projeções da população por sexo e idade [xls]. Rio de Janeiro: IBGE; 2018.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da População das Unidades da Federação por sexo e idade: 2000-2030. Tábuas de mortalidade [xls]. Rio de Janeiro: IBGE; 2014.

Camargos MCS. Estimativas de expectativa de vida livre de e com incapacidade funcional: uma aplicação do método de Sullivan para idosos paulistanos, 2000 [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2004.

Sullivan DF. A single index of mortality and morbidity. HSMHA Health Reports 1971;86(4):347-54.

Camargos MCS, Gonzaga MR. Viver mais e melhor? Estimativas de expectativa de vida saudável para a população brasileira. Cad Saúde Pública. 2015;31(7):1460-72.

Jagger C. Health expectancy calculation by the Sullivan method: a practical guide. REVES. 2001; paper 408.

Romero DE, Leite IC, Szwarcwald CL. Healthy life expectancy in Brazil: applying the Sullivan method. Cad Saúde Pública. 2005;21(Supl.):S7-S18.

Nepomuceno MR. Expectativa de vida saudável no Brasil com base no método intercensitário [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeções da população: Brasil e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE; 2013.

Rocha AS, Turra CM. Idosos com dependência no Brasil: estimativa de custo com política pública para o financiamento de cuidador. Oikos. 2016;27(2):5-28.

Ministério da Saúde (BR). Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico - estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Andrade SSA, Stopa SR, Brito AS, Chueri PS, Szwarcwald CL, Malta DC. Prevalência de hipertensão arterial autorreferida na população brasileira: análise da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):297-304.

Malta DCM, Bernal RTI, Andrade SSCA, Silva MMA, Melendez GV. Prevalência e fatores associados com hipertensão arterial autorreferida em adultos brasileiros. Rev Saúde Pública. 2017;51(Supl.):1s-11s.

Malta DC, Gonçalves RPF, Machado IE, Freitas MIF, Azeredo C, Szwarcwald CL. Prevalência da hipertensão arterial segundo diferentes critérios diagnósticos, Pesquisa Nacional de Saúde. Rev Bras Epidemiol. 2018;21(Suppl.1):1-15

Corrêa ERP, Ribeiro AM. Ganhos em expectativa de vida ao nascer no Brasil nos anos 2000: impacto das variações da mortalidade por idade e causas de morte. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(3):1007-17.

Costa MFL, Peixoto SV, Giatti L. Tendências da mortalidade entre idosos brasileiros (1980 - 2000). Epidemiol Serv Saúde. 2004;13(4):217-228.

Szwarcwald CL, Montilla DER, Marques AP, Damacena GN, Almeida WS, Malta DC. Desigualdades na esperança de vida saudável por unidades da federação. Rev Saúde Pública. 2017;51(Supl.):1-11.

Zangirolani LTO, Assumpção D, Medeiros MAT, Barros MBA. Hipertensão arterial autorreferida em adultos residentes em Campinas, São Paulo, Brasil: prevalência, fatores associados e práticas de controle em estudo de base populacional. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(4):1221-32.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2021.10795

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia