Internação por hanseníase e suas sequelas: um estudo descritivo

Juliana Barros Siman, Milena de Oliveira Simões, Rayane Evelin Brito Marques, Katiuscia Cardoso Rodrigues, Daniela Pimenta de Castro Fernandes, Laís Ciribelli Yamaguchi, Waneska Alexandra Alves

Resumo


Objetivo: Estudar os registros por internações no Sistema Único de Saúde por hanseníase e sequelas de hanseníase no Estado de Minas Gerais no período de 2008 a 2019.
Métodos: Estudo descritivo, observacional, realizado em Minas Gerais, Brasil, no período de 1 de janeiro de 2008 a 31 de dezembro de 2019. A coleta dos dados se deu a partir de informações do Sistema de Internação Hospitalar do Sistema Único de Saúde. A população compreendeu todos os registros de hospitalizações por Hanseníase (A30) e sequelas de Hanseníase (B29) de pessoas residentes no Estado. Foram calculadas taxas de internação (por 100 mil habitantes) e letalidade hospitalar. Procedeu-se a análise dos dados por estatística descritiva utilizando os softwares Microsoft Excel® e o Epi Info 7.2TM.
Resultados: Minas Gerais registrou 3.172 internações com média anual das taxas de internação e da letalidade hospitalar de 1,3 internações e 1,7%, respectivamente. Entre 2011 e 2013 foram registradas as maiores taxas de internação. Já para a letalidade hospitalar, em 2008 e 2010 apresentou-se os valores mais expressivos. A macrorregião de saúde Leste do Sul apresentou a maior taxa de internação. Quanto ao perfil, 68% (1855) foram pessoas do sexo masculino, 47,4% (1294) da cor/raça parda e 18,2% (500) com idade entre 50 e 59 anos.
Conclusão: Estudos ulteriores devem ser desenvolvidos para aprofundamento do manejo de reação adversa à medicação, reações hansênicas e demanda pós-alta, buscando aperfeiçoamento da rede de atenção específica, integral e integrada, de forma a proporcionar diagnóstico oportuno e manejo adequado de intercorrências clínicas.

Palavras-chave


Hanseníase; Sequelas da hanseníase; Epidemiologia Descritiva; Sistema de Informação em Saúde

Texto completo:

PDF/A PDF/A(ENGLISH)

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação- Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde [Internet]. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde; 2017 [acesso em 23 jun. 2020]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/images/pdf/2017/outubro/06/Volume-Unico-2017.pdf

Ministério da Saúde (BR). Hanseníase. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; [s.d]. Descrição da doença; [acesso em 23 jun. 2020]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/hanseniase/11294-descricao-da-doenca#:~:text=A%20hansen%C3%ADase%20%C3%A9%20uma%20doen%C3%A7a,poucos%20adoecem%20(baixa%20patogenicidade

World Health Organization. Global leprosy strategy 2016–2020: accelerating towards a leprosy-free world. Operational Manual [Internet]. New Delhi: World Health Organization, Regional Office for South-East Asia; 2017 [acesso em: 23 jun. 2020]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/250119/9789290225256-Eng.pdf;jsessionid=4BC96C701B037E027705AD296B27734C?sequence=5

Nunes JM, Oliveira EM, Vieira NFC. Hanseníase: conhecimentos e mudanças na vida das pessoas acometidas. Ciênc. Saúde Colet. 2011; 16 (1): 1311-1318.

Cruz RCS, Bühere-Sékula S, Penna MLF, Penna GO, Talhari S. Hanseníase: situação atual, aspectos clínicos e laboratoriais, histórico de tratamento e perspectiva da terapia multidrogas uniforme para todos os pacientes. An. bras. dermatol. 2017 nov-dez; 92 (6): 761-773.

World Health Organization. Global Health Observatory data repository [Internet]. Leprosy. Number of new leprosy cases: 2018. World Health Organization [acesso em: 23 jun. 2020]. Disponível em: https://apps.who.int/neglected_diseases/ntddata/leprosy/leprosy.html

Hanseníase tem cura e tratamento gratuito ofertado pelo SUS [Internet]. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais; [26 jan. 2018]. [29 jan. 2018; acesso em 7 jun. 2020]. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/story/10211-hanseniase-tem-cura-e-tratamento-gratuito-ofertado-pelo-sus

Alves Dornelles E, Ferreira Leonel T, Ferreira Nery I. Hanseníase: avanços e desafios [Internet]. Brasília: Nesprom; 2014 [acesso em: 23 jun. 2020]. Disponível em: http://www.morhan.org.br/views/upload/hanseniaseavancoes.pdf

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do SUS. Sistema de Informação Hospitalar (SIH). Informações de saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; Set. 2018 a Abr. 2019 [acesso em: 24 abr. 2020]. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/

Organização Mundial da Saúde. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde - Décima Revisão. 8. ed. São Paulo: Edusp; 2008.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estados: Minas Gerais - Censo 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE [acesso em: 9 jun. 2020]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/panorama

Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Minas Gerais [Internet]. Brasil: IPEA, PNUD, FJP [acesso em: 2 jun. 2020]. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_uf/minas-gerais

Malachias I, Leles FAG, Pinto MAS. Plano Diretor de Regionalização da Saúde de Minas Gerais. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, 2010 [acesso em: 23 jun. 2020]. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Livro%20Plano%20Diretor%20de%20Regionalizacao%20-%20ultima%20versao.pdf

Borges MGL, Lopes GL, Nascimento GARL, Xavier MB. O cuidado hospitalar na hanseníase: um perfil do estado do Pará de 2008 a 2014. Hansen. Int. 2015; 40 (1): 25-32.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2016 [acesso em: 23 jun. 2020]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/diretrizes-eliminacao-hanseniase-4fev16-web.pdf

Pinho, RDB. Controle da hanseníase na atenção básica em saúde no Brasil: análise de fatores de estrutura e processo de trabalho [dissertação]. São Luís: Universidade Federal do Maranhão; 2017. [acesso em 20 abr. 2019]. Disponível em: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/1237

Rocha, MCN, Lima RB, Stevens A, Gutierrez MMU, Garcia LP. Óbitos registrados com causa básica hanseníase no Brasil: uso do relacionamento de bases de dados para melhoria da informação. Ciênc. Saúde Colet. 2015; 20 (4): 1017-1026.

Laurenti R; Jorge MHPM; Gotlieb SLD. Informação em mortalidade: o uso das regras internacionais para a seleção da causa básica. Rev. bras. epidemiol. São Paulo 2009; 12(2): 195-203.

Cunha AC, Pereira RL, Almeida RMF. Características associadas ao abandono de tratamento da hanseníase: revisão integrativa. Porto Velho. Monografia [Graduação em Enfermagem]- Centro Universitário São Lucas; 2017.

Silva LMC, Surniche CA, Sicsú AN, Mitano F, Nogueira JA, Santos CB, et al. Elaboração e validação semântica de um instrumento de avaliação da transferência do tratamento diretamente observado como política de controle da tuberculose. Rev Panam Salud Publica. 2015; 38(2): 129–35.

Minas Gerais. Secretaria de Estado da Saúde. A Resolubilidade da Assistência Hospitalar Micro e Macrorregional na Gestão do SUS-MG – 2003/2009. Belo Horizonte, 2010 [acesso em: 10 fev. 2020]. Disponível em: https://saude.mg.gov.br/sus/page/400-a-resolubilidade-na-assistencia-hospitalar-sesmg

Minas Gerais. Secretaria de Estado da Saúde. Coordenadoria Estadual de Controle da Hanseníase. Plano de Enfrentamento da Hanseníase em Minas Gerais, 2019-2022 [Internet] Belo Horizonte: UFMG, 2019 [acesso em 15 jun. 2020]. Disponível em: https://saude.mg.gov.br/images/noticias_e_eventos/000_2019/jun-jul-ago/Plano%20Estadual%20versao%20definitiva%20julho%202019_02-07.pdf

Gracie R, Peixoto JNB, Soares FBR, Hacker MAVB. Análise da distribuição geográfica dos casos de hanseníase. Rio de Janeiro, 2001- 2012. Ciênc. Saúde Colet. 2017; 22 (5): 1695-1704.

Silva CLM, Fonseca SC, Kawa H, Palmer DOQ. Distribuição espacial da hanseníase no Brasil: uma revisão da literatura. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017 jul-ago; 50 (4): 439-449.

Nazario AP, Ferreira J, Schuler-Faccini L, Fiegenbaum M, Artigalás O, Vianna FSL. Hanseníase no sul do Brasil: perfil epidemiológico de vinte anos. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017 mar-abr; 50 (2): 251-255.

Barbosa DRM, Almeida MG, Santos AG. Características epidemiológicas e espaciais da hanseníase no Estado do Maranhão, Brasil, 2001-2012. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 2014 [acesso em: 10 jan. 2020]; 47 (4): 347-356. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/rmrp/article/view/89579

Vieira GD, Aragoso I, Carvalho RMB, Sousa CM. Hanseníase em Rondônia: incidência e características dos casos notificados, 2001 a 2012. Epidemiol. Serv. Saúde. 2014 abr-jun; 23 (2): 269-275.

Ferreira, SMB, Ignotti E, Gamba MA. Características clínico-laboratoriais no retratamento por recidiva em hanseníase. Rev. Bras. epidemiol. 2012; 15 (3): 573-581.

Melo JP, Moraes MM, Santos NR, Santos TS. Perfil epidemiológico dos casos de Hanseníase de uma unidade de saúde. Rev. saúde col. 2017; 7 (1): 29-34.

Souza EA, Boigny RN, Ferreira AF, Alencar CH, Oliveira MLW, Ramos Jr AN. Vulnerabilidade programática no controle da hanseníase: padrões na perspectiva de gênero no Estado da Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2018; 34 (1): e00196216.

Nobre ML, Illarramendi X, Dupnik KM, Hacker MA, Nery JAC, Jerônimo SMB, et al. Multibacillary leprosy by population groups in Brazil: lessons from an observational study. PLoS Negl Trop Dis. 2017 Feb; 11 (2):e0005364.

Santos DAS, Spessatto LB, Melo LS, Olinda RA, Lisboa HCF, Silva MS. Prevalência de casos de hanseníase. Rev. Enferm. UFPE on line [internet]. 2017 out [acesso em: 20 jun. 2020]; 11 (10): 4045-55. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11324/13016

Araújo RMS, Tavares CM, Oliveira e Silva JMO, Alves RS, Santos WB, Rodrigues PLS. Análise do perfil epidemiológico da hanseníase. Rev. Enferm. UFPE on line [internet]. 2017 set [acesso em: 12 fev 2020]; 11(9): 3632-41. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/234513

Martins RJ, Carloni MEOG, Moimaz SAS, Garbin CAS, Garbin AJI. Sociodemographic and epidemiological profile of leprosy patients in an endemic region in Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2016 nov-dez; 49(6): 777-780.

Ministério da Saúde (BR). Boletim epidemiológico: caracterização da situação epidemiológica da hanseníase e diferenças por sexo, Brasil, 2012-2016 [Internet]. 2018 [acesso em 27 fev. 2018]; 49 (4). Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/31/2018-004-Hanseniase-publicacao.pdf

Nogueira PSF, Marques MB, Coutinho JFV, Maia JC, Silva MJ, Moura ERF. Factors associated with the functional capacity of older adults with leprosy. Rev Bras Enferm [Internet]. 2017 jul-ago [acesso em: 10 fev 2020]; 70(4): 711-8. Disponível em:

Schneider PB, Freitas BHBM. Tendência da hanseníase em menores de 15 anos no Brasil, 2001-2016. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2018 mar [acesso em 20 nov 2019]; 34(3): e00101817. Disponível em:

Júnior AFR, Vieira MA, Caldeira, AP. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais. Rev Bras Clin Med. 2012 jul-ago; 10(4): 272-7.

Borges MGL, Lopes GL, Nascimento GARL, Xavier MB. O Cuidado Hospitalar na Hanseníase: Um Perfil do Estado do Pará de 2008 A 2014. Hansen Int. 2015; 40 (1): 25-32.

Drumond, EF. et al. R. Utilização de dados secundários do SIM, Sinasc e SIH na produção científica brasileira de 1990 a 2006. Bras. Est. Pop. 2009 jan-jun; 26 (1): 7-19.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2021.11213

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia