Análise dos fatores associados ao risco nutricional de pacientes em hemodiálise

Jéssica Almeida Leite, Priscila de Oliveira Sousa, Michelle Yasmine Borges, Paulo Rogério Melo Rodrigues, Bruna Teles Soares Beserra, Gabriela Dalcin Durante

Resumo


Objetivo: Analisar a frequência e os fatores associados ao risco nutricional (RN) de pacientes com doença renal crônica (DRC) submetidos à hemodiálise. Métodos: Estudo de corte transversal, analítico, realizado com 110 indivíduos com idade ≥ 20 anos,em tratamento hemodialítico em duas clínicas de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, no período de junho a outubro de 2018. Os dados foram coletados por meio de entrevista, aferições e consulta ao prontuário clínico. Avaliou-se a associação entre o desfecho pontuação do Malnutrition Inflammation Score (MIS) e as variáveis socioeconômicas, demográficas, clínicas, de comportamentos de risco relacionados à saúde e de estado nutricional. Realizou-se análise bivariada pelo teste de qui-quadrado de Pearson e regressão logística binária bruta e ajustada, considerando significativo p≤0,05. Resultados: Foi observada elevada frequência de indivíduos com alto RN (n=73; 66,36%), sendo maior entre os pacientes com tempo de diálise ≥ 4 anos, volume de urina/24h<500ml, hiperpotassemia, hiperfosfatemia, fumantes, com elevada circunferência da cintura, baixa circunferência da panturrilha e que não praticavam exercício físico. Na análise múltipla ajustada permaneceram associados ao alto RN o maior tempo de diálise (p=0,02) e o sedentarismo (p=0,04). Conclusão: Observou-se elevada frequência de pacientes com alto RN, sendo que pacientes sedentários e com mais tempo de tratamento hemodialítico compuseram grupo em maior risco. Destaca-se a necessidade desses pacientes serem observados mais atentamente pelos profissionais de saúde que atuam nas clínicas de hemodiálise, a fim de promover melhor qualidade de vida e prevenir potenciais complicações e alterações do estado nutricional.

Palavras-chave


Insuficiência Renal Crônica; Diálise Renal; Estado Nutricional.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


WHO (World Health Organization). World health statistics 2018: monitoring health for the SDGs, sustainable development goals. Geneva: WHO; 2018a.

WHO (World Health Organization). 2008-2013 action plan for the global strategy for the prevention and control of noncommunicable diseases: prevent and control cardiovascular diseases, cancers, chronic respiratory diseases and diabetes. Geneva: WHO; 2008.

SBN - Sociedade Brasileira de Nefrologia. SBN 2017 Censo. Revista SBN informa. 2018; Apr/ May/ Jun; 25 (114): 18-23.

Cuppari L, Avesani CM, Pereira AML. Doença renal crônica. In: Cuppari L. Nutrição nas doenças crônicas não transmissíveis. Barueri, SP: Manole; 2009. p. 267-330.

Martins C. Avaliação e diagnóstico do estado nutricional de pacientes renais. In: Riella MC, Martins C. Nutrição e o rim. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2013. p. 93-109.

Kalantar-Zadeh K, Kleiner M, Dunne E, Lee GH, Luft FC. A modified quantitative subjective global assessment of nutrition for dialysis patients. Nephrol Dial Transplant 1999;14:1732-8.

Kamimura MA, Avesani CM. Métodos compostos de avaliação nutricional. In: Cuppari L, Avesani CM, Kamimura MA. Nutrição na Doença Renal Crônica. Barueri, SP: Manole; 2013: p. 199-212.

WHO (World Health Organization). Physical Status: the use and interpretation of anthropometry. WHO Technical Report Series nº 854. Geneva, Switzerland: WHO, 1995a.

Ministério da Saúde. Vigilância alimentar e nutricional - Sisvan: orientações básicas para a coleta, processamento, análise de dados e informação em serviços de saúde / [Andhressa Araújo Fagundes et al.]. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

Lohman TG, Roche AF, Martorel R. Anthropometrics standartization reference manual. Champaign: Human Kinetics Books; 1988.

Lameu EB, Gerude MF, Côrrea RC, Lima RA. Adductor pollicis muscle: a new anthropometric parameter. Rev Hosp Clin Fac Med São Paulo, 2004; 57-62.

Oliveira CMC, Kubrusly M, Mota RS, Choukroun G, Neto JB, Silva CABS. Adductor Pollicis Muscle Thickness: a promising anthropometric parameter for patients with chronic renal failure. J Ren Nutr. 2012; 22 (3): p. 307-316.

Lopes MB, Silva LF, Lopes GB, Penalva MA, Matos CM, Robinson BM, Lopes AA. Additional contribution of the Malnutrition-Inflammation Score to predict mortality and patient-reported outcomes as compared with its components in a cohort of African descent hemodialysis patients. J Ren Nutr. 2017; 27 (1): 45-52. doi: 10.1053 / j.jrn.2016.08.006.

Yamada K, Furuya R, Takita T, Maruyama Y, Yamaguchi Y, Ohkawa S, Kumagai H. Simplified nutritional screening tools for patients on maintenance hemodialysis. Am J Clin Nutr. 2008; 87: p. 106 –13.

Ho LC, Wang HH, Peng YS, Chiang CK, Huang JW, Hung KY et al. Clinical utility of Malnutrition-Inflammation Score in maintenance hemodialysis patients: focus on identifying the best cut-off point. Am J Nephrol. 2008; 28: p. 840–846. doi: 10.1159/000137684.

Pisetkul C, Chanchairujira K, Chotipanvittayakul N, Ong-Ajyooth L, Chanchairujira T. Malnutrition-inflammation score associated with atherosclerosis, inflammation and shortterm outcome in hemodialysis patients. J Med Assoc Thai. 2010; 93 (Suppl 1): S147-S156.

Rambod M, Bross R, Zitterkoph J, Benner D, Pithia J, Colman S et al. Association of Malnutrition-inflammation score with quality of life and mortality in hemodialysis patients: a 5-year prospective cohort study. AJKD. 2009; 53 (2): p. 298-309.

Fiedler R, Jehle PM, Osten B, Dorligschaw O, Girndt M. Clinical nutrition scores are superior for the prognosis of hemodialysis patients compared to lab markers and bioelectrical impedance. Nephrol Dial Transplant. 2009; 24: p. 3812–3817. doi: 10.1093/ndt/gfp346.

Sampaio GC, Brito ACD, Barros AJF, Hortegal EV, Dias RSC. Inflamação e associação com parâmetros clínicos e nutricionais de pacientes em hemodiálise. Cien Saude Colet. 2017; 10 (2): p. 71-76. doi: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2017.2.24244.

Ebrahimzadehkor B, Dorri A, Yapan-Gharavi A. Malnutrition-inflammation score in hemodialysis patients. ZJRMS. 2014; 16 (8): p. 25-28.

Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Martins CT. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica 2016. J Bras Nefrol. 2017; 39 (3): p. 261-6.

Sampaio RMM, Coelho MO, Pinto FJM, Osteme EPR. Perfil epidemiológico de pacientes nefropatas e as dificuldades no acesso ao tratamento. Rev Bras Promoç Saúde. Fortaleza, 26(1): 95-101, jan./mar., 2013.

Castro AS, Pessoa PP, Barroso CF, Araújo GN, Sousa MP, Oliveira DL, Melo MLP, Maia CSC. Zinco e risco cardiovascular de pacientes nefropatas em tratamento de hemodiálise. Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza, 31(1): 1-7, jan./mar., 2018.

Telles CT, Dobner T, Pomatti G, Fortes VF, Brock F, Bettinelli LA. Perfil sociodemográfico, clinic e laboratorial de pacientes submetidos à hemodiálise. Rev Rene. 2014; 15 (3) p. 420-6. doi:10.15253/2175-6783.2014000300006.

Biavo BMM, Tzanno-Martins C, Araújo ML, Ribeiro MMC, Sachs A et al. Aspectos nutricionais e epidemiológicos de pacientes com doença renal crônica submetidos a tratamento hemodialítico no Brasil, 2010. J Bras Nefrol. 2012; 34 (3): p. 206-215.

Martins ECV, Pereira VFS, Sales OS, Pereira PAL. Tempo de hemodiálise e o estado nutricional em pacientes com doença renal crônica. Braspen J. 2017; 32 (1): p. 54-7.

Alvarenga LA, Andrade BD, Moreira MA, Nascimento RP, Macedo ID, Aguiar AS. Análise do perfil nutricional de pacientes renais crônicos em hemodiálise em relação ao tempo de tratamento. J Bras Nefrol. 2017; 39 (3): p. 283-286. doi: 10.5935/0101-2800.20170052.

Araujo S, Lemes HP, Cunha DA, Queiroz VS, Nascimento DD, Filho SRF. Morfologia e função cardíacas em pacientes renais crônicos, com ou sem diurese residual, em tratamento hemodialítico. J Bras Nefrol. 2011; 33 (1): p. 74-81.

Martins C, Sato MMN, Riella MC. Nutrição e hemodiálise. In: Riella MC, Martins C. Nutrição e o rim. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2013. p. 93-109.

Daltrozo JB, Spillere A, Fraga CM. Avaliação do estado nutricional e do perfil clínico-epidemiológico dos pacientes em tratamento hemodialítico no Hospital São José de Criciúma e na nefroclínica-Criciúma. Arq Catarin Med. 2010; 39 (4).

Carvalho M; Martins C. Controle de cálcio, fósforo e vitamina D em pacientes com doença renal crônica. In: Riella MC, Martins C. Nutrição e o rim. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2013. p. 93-109.

Freitas ATVS, Vaz IMF, Ferraz SF, Peixoto MRG, Campos MIVM, Fornés NS. Prevalência e fatores associados à obesidade abdominal em pacientes em hemodiálise em Goiânia-GO. J Bras Nefrol. 2013; 35 (4): p. 265-272. doi:10.5935/0101-2800.20130045.

Silva Junior GB, Bentes ACSN, Daher EF, Matos SMA. Obesidade e doença renal. J Bras Nefrol. 2017; 39 (1): p. 65-69. doi: 10.5935/0101-2800.20170011.

Benetti F, Santos MF, Vanz MJ. Avaliação e educação nutricional de pacientes com insuficiência renal crônica em hemodiálise. RIES. 2016; 5 (2): p. 28-40.

Lima RLO, Andrade MIS, Dourado KF, Santos CM, Santiago ERC, Barbosa LS. Associação do músculo adutor do polegar com parâmetros de avaliação nutricional em pacientes renais crônicos em hemodiálise. Rev. Saude Publ. 2016; 9 (3): p. 54-68.

Paulleto C, Lima MAVP. A prática de atividade física de pacientes com insuficiência renal crônica e diabetes mellitus submetidos à hemodiálise. Revista eletrônica Connection Online. 2009 (4): p. 65-80.

Martinez BB, Silva FM, Correa FC, Almeida L. Associação entre exercício físico e qualidade de vida de pacientes em hemodiálise. Rev Med. 2011; 90 (1): p. 52-7.

Gariballa SE, Sinclair AJ. Nutrition, ageing and ill health. Br J Nutr. 1998; 80 (1): p. 7-23.

Barros A, Sussela AO, Felix R, Lucas LS, d’Avila DO. Pacientes em hemodiálise: estado inflamatório e massa magra corporal. Sci Med. 2014; 24 (1): 6-10.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2021.11271

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia