Cultura de segurança em Unidade de Terapia Intensiva na percepção de profissionais de Enfermagem

Etiane de Oliveira Freitas, Tânia Solange Bosi de Souza Magnago, Rosangela Marion da Silva, Camila Pinno, Karen Emanueli Petry, Daiana Foggiato de Siqueira, Silviamar Camponogara

Resumo


Objetivo: Avaliar a cultura de segurança em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na percepção de trabalhadores de enfermagem. Métodos: Estudo de métodos mistos, realizado em 2015, com 26 trabalhadores de enfermagem na UTI de um hospital universitário público da região Sul do Brasil. Os dados quantitativos foram coletados por meio do Questionário das Atitudes de Segurança (SAQ) e analisados por estatística descritiva, considerando-se indicadores positivos de atitudes de segurança os escores com valores ≥7,5. Coletaram-se os dados qualitativos submetidos à análise de conteúdo por meio de entrevistas semiestruturadas cujas perguntas norteadoras versavam sobre o cotidiano de trabalho e a segurança do paciente. Resultados: De acordo com a percepção satisfatória ou insatisfatória no SAQ, 53,8% apresentaram cultura de segurança positiva para o Clima de trabalho em equipe, 80,8% apresentaram cultura positiva para Satisfação no trabalho e 53,8% para Percepção de estresse; já 61,5% apresentaram cultura negativa para Clima de segurança, 65,4% em Percepção da gerência da unidade, 76,9% na Percepção da gerência do hospital e 73,1% em relação ao domínio Condições de trabalho. Os resultados das entrevistas constituíram a categoria “Cultura de segurança em UTI – percepção dos trabalhadores de enfermagem”, a qual abarca aspectos atinentes a cada domínio do SAQ: Clima de trabalho em equipe, Satisfação no trabalho, Percepção de estresse, Condições de trabalho, Clima de segurança e Percepção da gerência. Conclusão: Os resultados da etapa qualitativa apresentam, predominantemente, convergência com os dados da etapa quantitativa, que evidenciaram uma percepção negativa em relação à avaliação geral da cultura de segurança em terapia intensiva.

Palavras-chave


Cultura Organizacional; Enfermagem; Qualidade da Assistência à Saúde; Segurança do Paciente; Unidades de Terapia Intensiva.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


World Health Organization. 10 facts on patient safety; 2018 [acesso em 2019 ago. 13]. Disponível em: https://www.who.int/features/factfiles/patient_safety/en/.

Minuzzi AP, Salum NC, Locks MOH. Assessment of patient safety culture in intensive care from the health team’s perspective. Texto Contexto Enferm. 2016;25(2):e1610015.

Roque KE, Tonini T, Melo ECP. Adverse events in the intensive care unit: impact on mortality and length of stay in a prospective study. Cad Saúde Pública Rio de Janeiro. 2016;32(10):e00081815.

Neto AVL, Silva FA, Brito GMOL, Elias TMN, Sena BAC, Oliveira RM. Análisis de las notificaciones de eventos adversos en un hospital privado. Enfermería Global. 2019;55:314-323.

Souza CS, Tomaschewski-Barlem JG, Rocha LP, Barlem ELD, Silva TL, Neutzling BRS. Patient safety culture in intensive care units: perspective of health professionals. Rev Gaúcha Enferm. 2019;40(esp):e20180294.

Golle L, Ciotti D, Herr GEG, Aozane F, Schmidt CR, Kolankiewicz ACB. Culture of patient safety in hospital private. Rev Fund Care Online. 2018;10(1):85-89.

Carvalho REFL, Cassiani SHB. Cross-cultural adaptation of the Safety Attitudes Questionnaire - Short Form 2006 for Brazil. Rev Latinoam Enfermagem. 2012;20(3):[8 telas].

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil. 2013 jun 13;150 (112 Seção 1):59-62.

Barbosa TP, Oliveira GA, Lopes MN, Poletti NA, Beccaria LM. Care practices for patient safety in an intensive care unit. Acta Paul Enferm. 2014;27(3):243-8.

Machado MH, Filho WA, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M, et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sócio demográfico. Enferm Foco. 2015;6(1):11-17.

Carvalho PA, Gottems LBD, Motta LACR, Laundos CAS, Juliano JVS. Assessment of safety culture in a public hospital in the Federal District, Brazil. Rev Bras Enferm. 2019;72(Suppl 1):252-8.

Jansen K, Ruths S, Malterud K, Schaufel MA. The impact of existential vulnerability for nursing home doctors in end-of-life care: A focus group study. Patient Educ Couns. 2016;99(12):2043–88.

Reis FFP, Oliveira KF, Luiz RB, Barichello E, Cruz LF, Barbosa MH. Patient safety culture in intensive care units. Rev Enferm Atenção Saúde. 2017;6(2):34-48.

Alayed AS, Lööf H, Johansson UB. Saudi Arabian ICU safety culture and nurses’ attitudes. Int J Health Care Qual Assur. 2014;27(3):581-93.

Tondo JCA, Guirardello EB. Perception of nursing professionals on patient safety culture. Rev Bras Enferm. 2017;70(6):1284-90.

Carvalho REFL, Arruda LP, Nascimento NKP, Sampaio RL, Cavalcante MLSN, Costa ACP. Assessment of the culture of safety in public hospitals in Brazil. Rev Latinoam Enfermagem. 2017;25:e2849.

Barbosa MH, Aleixo TCS, Oliveira KF, Nascimento KG, Felix MMS, Barichello E. Patient safety climate in medical and surgical units. Rev Eletr Enf. 2016;18:e1183.

Profit J, Etchegaray J, Petersen LA, Sexton JB, Hysong SJ, Mei M, Thomas EJ. Neonatal intensive care unit safety culture varies widely. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 2012;97(2):F120-6.

Machado DA, Figueiredo NMA, Velasques LS, Bento CAM, Machado WCA, Vianna LAM. Cognitive changes in nurses working in intensive care units. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(1):73-9.

Santiago THR, Turrini RNT. Organizational culture and climate for patient safety in Intensive Care Units. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(Esp):121-127.

Marinho MM, Radünz V, Barbosa SFF. Assessment of safety culture by surgical unit nursing teams. Texto contexto enferm. 2014;3(3):581-590.

Gabrani A, Hoxha A, Simaku A, Gabrani J. Application of the Safety Attitudes Questionnaire (SAQ) in Albanian hospitals: a crosssectional study. BMJ Open 2015;5:e006528.

Tarling M, Jones A, Murrells T, McCutcheon H. Comparing safety climate for nurses working in operating theatres, critical care and ward areas in the UK: a mixed methods study. BMJ Open 2017; 7:e016977.

Cui Y, Xi X, Zhang J, Feng J, Deng X, Li A, Zhou J. The safety attitudes questionnaire in Chinese: psychometric properties and benchmarking data of the safety culture in Beijing hospitals. BMC Health Serv Res. 2017;17(1):590.

Göras C, Unbeck M, Nilsson U, Ehrenberg A. Interprofessional team assessments of the patient safety climate in Swedish operating rooms: a crosssectional survey. BMJ Open 2017;7:e015607.

Fermo VC, Radünz V, Rosa LM, Marinho MM. Patient safety culture in a bone marrow transplantation unit. Rev Bras Enferm. 2015;68(6):827-34.

Ting WH, Peng FS, Lin HH, Hsiao SM. The impact of situation-background-assessment-recommendation (SBAR) on safety attitudes in the obstetrics department. Taiwan J Obstet Gynecol. 2017;56(2):171-174.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2021.11582

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia