Relações entre espiritualidade e comportamentos saudáveis em idosos atendidos na Atenção Primária à Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/18061230.2022.11697

Palavras-chave:

Espiritualidade, Qualidade de Vida, Saúde do Idoso, Saúde Pública

Resumo

Objetivo: Avaliar as relações entre espiritualidade e comportamentos saudáveis em idosos atendidos na atenção primária à saúde. Métodos: Estudo transversal realizado com amostra de 201 idosos atendidos em três Unidades Matriciais de Saúde (UMS) selecionadas aleatoriamente, em Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Avaliou-se a espiritualidade pela Escala de Espiritualidade com cinco itens, cuja pontuação varia de 5 (menor espiritualidade) a 20 (maior espiritualidade). Os comportamentos de saúde incluíram tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas, água, frutas e vegetais, satisfação com o sono, relações sociais e prática de atividade física. Os indicadores sociodemográficos englobaram sexo (masculino/feminino), faixa etária (60-74/75+) e escolaridade (até 4
anos/5 anos ou mais). Realizaram-se análises descritivas, teste t Student e regressão linear múltipla, adotando-se o intervalo de confiança de 95%. Resultados: Encontrou-se a média do escore na Escala de Espiritualidade de 16,02±2,71. Observaramse as pontuações maiores entre os idosos que não fumavam (p=0,014); que consumiam frutas (p=0,003), vegetais (p=0,002) e água (p=0,017) em quantidades adequadas; entre aqueles classificados como fisicamente ativos (p<0,001); e entre aqueles que estavam satisfeitos com o sono (p=0,032) e com as relações sociais (p<0,001). Prática de atividade física (β:0,225; IC=0,507-2,131) e satisfação com as relações sociais (β:0,190; IC=0,360-2,351) apresentaram-se relacionadas à espiritualidade mais elevada, mesmo após controle por indicadores sociodemográficos. Conclusão: A espiritualidade relaciona-se com comportamentos saudáveis nos idosos investigados atendidos na atenção primária à saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Verônica Ribeiro Cardoso, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Curso de Fisioterapia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Kamila Cristina dos Santos, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Curso de Fisioterapia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Vitória Helena Helena Maciel Coelho, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Lislei Jorge Patrizzi Martins, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Adriana Cristina de Araújo Figueiredo, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Ana Paula Gomes Fernandes, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Juliana Martins Pinto, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais

Referências

OMS- Organizção Mundial de Saúde. Controle de doenças crônicas não transmissíveis gera retornos financeiros e de saúde. Brasília (DF); 2018. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/oms-controle-de-doencas-cronicas-nao-transmissiveis-gera-retornos-financeiros-e-de-saude/>.

OPAS- Organização Pan-Americana da Saúde. Doenças crônicas não transmissíveis causam 16 milhões de mortes prematuras todos os anos. 2015. Disponível em: < https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=4766:doencas-cronicas-nao-transmissiveis-causam-16-milhoes-de-mortes-prematuras-todos-os-anos&Itemid=839>.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Principais causas de morte. Brasília (DF); 2016. Disponível em: < http://svs.aids.gov.br/dantps/centrais-de-conteudos/paineis-de-monitoramento/mortalidade/gbd-brasil/principais-causas/>.

OPAS- Organização Pan-Americana da Saúde. Doenças crônico-degenerativas e obesidade: estratégia mundial sobre a alimentação saudável, atividade física e saúde. Brasília (DF); 2003. Disponível em: < http://www.opas.org.br/ publicmo.cfm?codigo=66>

Janssen-Niemeijer AJ, Visse M, Van Leeuwen R, Leget C, Cusveller BS. The role of spirituality in lifestyle changing among patients with chronic cardiovascular diseases: A Literature Review of Qualitative Studies. J Relig Health. 2017;56(4):1460-77. doi:10.1007/s10943-017-0384-2

Triaca LM, Franca MTA, Guttier MC, Tejada CAO. Estilos de vida saudável e autoavaliação de saúde como boa: uma análise dos dados da PNS/2013. J Bras Econ Saúde. 2017; 9(3): 260-266. doi: 10.21115/JBES.v9.n3.p260-66.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 116 p.: il. – (Cadernos de Atenção Básica, n. 39)

Buettner D, Skemp S. Blue Zones: Lessons From the World's Longest Lived. Am J Lifestyle Med. 2016;10(5):318-321. doi:10.1177/1559827616637066

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria no 2608, de 28 de dezembro de 2005.

Rabelo DF, Neri AL. Recursos psicológicos e ajustamento pessoal frente à incapacidade funcional na velhice. Psicologia em Estudo. Maringá: 2005; 10(3): 403-412. doi: 10.1590/S1413-73722005000300008.

Gutz L, Camargo BV. Espiritualidade entre idosos mais velhos: um estudo de representações sociais. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. São Paulo: 2013; 16(4): 793-804. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232013000400013.

Lucchetti G, Lucchetti ALG, Avezum, AJ. Religiosidade, Espiritualidade e Doenças Cardiovasculares. Rev Bras Cardiol. 2011; 24(1):55-57.

Koenig HG. Medicina, Religião e Saúde. Porto Alegre RS: L&PM; 2012. Religião e Saúde; p. 54-67 e Os Sistemas Imunológico e Endócrino; p. 82-95.

McCullough ME, Hoyt WT, Larson DB, Koenig HG, Thoresen C. Religious involvement and mortality: a meta-analytic review. Health Psychol. 2000;19(3):211-222. doi:10.1037//0278-6133.19.3.211

Lucchetti G, Lucchetti ALG, Bassi RM, Nasri F, Nacif SAP. O idoso e sua espiritualidade: impacto sobre diferentes aspectos do envelhecimento. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2011; 14(1): 159-167. doi: 10.1590/S1809-98232011000100016

Farinasso ALC. A vivência do luto em viúvas idosas e sua interface com a religiosidade e espiritualidade: um estudo clínico-qualitativo [tese]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2011.

Garces SBB, Figueiró MF, Hansen D, Rosa CB, Brunelli AV, Bianchi PDA, Rosa PV, Nascimento BB. Resiliência entre mulheres idosas e sua associação com o bem-estar espiritual e o apoio social. Estud. interdiscipl. envelhec., Porto Alegre: 2017; 22(1): 9-30.

Firmo JOA, Peixoto SV, Loyola Filho A I, Souza-Júnior PRB, Andrade FB, Lima- Costa MF, Mambrini JVM. Comportamentos em saúde e o controle da hipertensão arterial: resultados do ELSI-BRASIL. Cad. Saúde Pública. 2019; 35(7): e00091018. doi: 10.1590/0102-311X00091018

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS : atitude de ampliação de acesso/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 96 p. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf>

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Portaria nº 971, de 3 de maio. Política nacional de Práticas integrativas e Complementares (PnPiC) no Sistema Único de Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília, DF: Autor. Disponível em : <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html>

Pinto C, Pais-Ribeiro JL. Construção de uma escala de avaliação da espiritualidade em contextos de saúde. Arq. med. 2007; 21(2): 47-53.

O’Keefe JH, Bhatti SK, Bajwa A, DiNicolan¬tonio JJ, Lavie CJ. Alcohol and cardiovascular health: the dose makes the poison...or the rem¬edy. Mayo Clin Proc 2014; 89:382-93.

Firmo JOA, Peixoto SV, Loyola Filho A I, Souza-Júnior PRB, Andrade FB, Lima- Costa MF, Mambrini JVM. Comportamentos em saúde e o controle da hipertensão arterial: resultados do ELSI-BRASIL. Cad. Saúde Pública. 2019; 35(7): e00091018. doi: 10.1590/0102-311X00091018

World Health Organization. Global recom¬mendations on physical activity for health. http://www.who.int/dietphysicalactivity/fact¬sheet_recommendations/en/

Koenig HG, McCullough M, Larson DB. Handbook of religion and health: a century of research reviewed. New York: Oxford University Press. 2001

Inoue TM, Vecina MV. Spirituality and/or religiosity and health: a literature review. J Health Sci Inst. 2017; 35(2): 127-30

Palmer JA, Howard EP, Bryan M, Mitchell SL. Physiological and psychosocial factors in spiritual needs attainment for community-dwelling older adults. Archives of Gerontology and Geriatrics. 2018.76: 1-5. DOI: 10.1016/j.archger.2018.01.007.

Liu CY, Wei CC, Lo PC. Variation analysis of sphygmogram to assess cardiovascular system under meditation. Evid Based Complement Alternat Med. 2009; 6(1): 107–12. doi: 10.1093/ecam/nem065.

Vandana B, Vaidyanathan K, Saraswathy LA, Sundaram KR, Kumar H. Impact of integrated amrita meditation technique on adrenaline and cortisol levels in healthy volunteers. Evid Based Complement Alternat Med. 2011; 2011: 379645. doi: 10.1155/2011/379645

Barnes VA, Treiber FA, Turner JR, Davis H, Strong WB. Acute effects of transcendental meditation on hemodynamic functioning in middle-aged adults. Psychosom Med. 1999; 61(4): 525-31. doi: 10.1097/00006842-199907000-00017.

Schneider RH, Alexander CN, Staggers F, Orme-Johnson DW, Rainforth M, Salerno JW, Sheppard W, Castillo-Richmond A, Barnes VA, Nidich SI. A randomized controlled trial of stress reduction in African Americans treated for hypertension for over one year. Am J Hypertens. 2005; 18(1): 88-98. doi: 10.1016/j.amjhyper.2004.08.027.

Walton KG, Schneider RH, Nidich SI, Salerno JW, Nordstrom CK, Bairey Merz CN. Psychosocial stress and cardiovascular disease part 2: effectiveness of the transcendental meditation program in treatment and prevention. Behav Med. 2002; 28(3):106-23. doi: 10.1080/08964280209596049

Seybold KS. Physiological mechanisms involved in religiosity/spirituality and health. J Behav Med. 2007; 30(4): 303-309. doi:10.1007/s10865-007-9115-6

Lindberg DA. Integrative review of research related to meditation, spirituality, and the elderly. Geriatr Nurs. 2005;26(6):372-7. doi:10.1016/j.gerinurse.2005.09.013

Cordain L, Eaton SB, Sebastian A, Mann N, Lindeberg S, Watkins BA, O’Keefe JH, Brand-Miller J. Origins and Evolution of the Western diet: health implications for the 21st century. Am J Clin Nutr. 2005; 81(2):341-54. doi:10.1093/ajcn.81.2.341.

Esposito K, Maiorino MI, Bellastella G, Chiodini P, Panagiotakos D, Giugliano D. A journey into a Mediterranean diet and type 2 diabetes: a systematic review with meta-analyses. BMJ Open. 2015;5(8):e008222. doi: 10.1136/bmjopen-2015-008222.

Widmer RJ, Flammer AJ, Lerman LO, Lerman A. The Mediterranean diet, its components, and cardiovascular disease. Am J Med. 2015;128(3):229–238. doi: 10.1016/j.amjmed.2014.10.014.

Schwingshackl L, Hoffmann G. Adherence to Mediterranean diet and risk of cancer: an updated systematic review and meta-analysis of observational studies. Cancer Med. 2015;4(12):1933–47. doi: 10.1002/cam4.539.

Gutierrez J, Devia C, Weiss L, Chantarat T, Ruddock C, Linnell J, Golub M, Godfrey L, Rosen R, Calman N. Health, community, and spirituality: evaluation of a multicultural faith-based diabetes prevention program. Diabetes Educ. 2014; 40(2): 214-222. doi:10.1177/0145721714521872.

Santos EL, Navarine TCRR, Costa MML. O idoso e a espiritualidade: considerações para o cuidado holístico de enfermagem. Revista Nursing, 2018; 21 (244): 2342-2344.

Margaça C, Rodrigues D. Espiritualidade e resiliência na adultez e velhice: uma revisão. Fractal: Rev. Psicol. 2019; 31(2): 150-157. doi:10.22409/1984-0292/v31i2/5690

Abdala GA, Kimura M, Duarte YAO, Lebrão ML, Santos B. Religiosidade e qualidade de vida relacionada à saúde do idoso. Rev Saúde Pública. 2015; 49:55. doi:10.1590/s0034-8910.2015049005416

Neuger CC. Does gender influence late-life spiritual potentials? In: Kimble MA, McFadden SH. Aging, spirituality, and religion: a handbook. Fortress Press. 2003; 2: 59-73.

Nunes MGS, Leal MCC, Marques APO, Mendonça SS. Idosos longevos: avaliação da qualidade de vida no domínio da espiritualidade, da religiosidade e de crenças pessoais. Saúde Debate, Rio De Janeiro, 41(115): 1102-1115. 2017. doi: 10.1590/0103-1104201711509

Silva ATM, Tavares DMS, Molina NPFM, Assunção LM, Rodrigues LR. Religiosidade e espiritualidade relacionadas às variáveis sociodemográficas, econômicas e de saúde entre idosos. REME – Rev Min Enferm. 2019; 23:e-1221. doi: 10.5935/1415-2762.20190069.

Moreira-Almeida A, Lotufo Neto F, Koenig HG. Religiousness and mental health: a review. Rev Bras Psiquiatr. 2006; 28(3): 242-50. doi: 10.1590/S1516-44462006005000006.

Silva RP, Souza P, Nogueira DA, Moreira DS, Chaves ECL. Relação entre bem-estar espiritual, características sociodemográficas e consumo de álcool e outras drogas por estudantes. Rev Bras Psiquiatr. 2013;62(3):191-8. doi: 10.1590/S0047-20852013000300003.

Cres MR, Abdala GA, Meira MDD, Teixeira CA, Ninahuaman MFML, Moraes MCL. Religiosidade e estilo de vida de uma população adulta. Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza. 2015; 28(2): 240-250.

Sanchez ZVDM, Nappo SA (org). Intervenção religiosa na recuperação de dependentes de drogas. Rev Saúde Publica, São Paulo. 2008; 42(2): 265-272. doi: 10.1590/S0034-89102008000200011

Publicado

2022-08-01

Como Citar

Ribeiro Cardoso, V., dos Santos, K. C., Maciel Coelho, V. H. H., Jorge Patrizzi Martins, L., de Araújo Figueiredo, A. C., Gomes Fernandes, A. P., & Martins Pinto, J. (2022). Relações entre espiritualidade e comportamentos saudáveis em idosos atendidos na Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira Em Promoção Da Saúde, 35. https://doi.org/10.5020/18061230.2022.11697

Edição

Seção

Artigos Originais