Relação entre introdução precoce de alimentos, condições socioeconômicas familiares e doenças respiratórias - doi:10.5020/18061230.2010.p268

Vagner de Souza Vargas, Maria Cristina Flores Soares

Resumo


Objetivos: Pesquisar as características da alimentação complementar precoce e as condições socioeconômicas e demográficas das famílias de crianças de 0 a 59 meses que apresentaram doenças respiratórias. Métodos: Comparação dos dados de dois estudos transversais de base populacional realizados na cidade do Rio Grande/RS, nos anos de 1995 e 2004 para observar alterações nas prevalências. Resultados: Em ambos estudos percebeu-se que a maioria das crianças recebia água, chás, sucos, papinhas e frutas antes dos seis meses. Em contrapartida, leite em pó, leite de vaca, carnes e feijão foram introduzidos após o sexto mês de vida para a maior parte das crianças. Nos dois estudos, houve maior proporção de famílias com rendimentos até 5,9 salários mínimos, com até 8 anos completos de estudo, condições
adequadas de moradia, mulheres casadas, com 1 filho e intervalo interpartal superior a 3 anos. Conclusões: Observou-se, nos dois estudos, que a introdução de alimentos antes do sexto mês de vida ainda é frequente nesta população, apesar de que nesse período as crianças deveriam estar sob amamentação exclusiva ao seio materno.

Palavras-chave


Alimentos Infantis; Consumo de Alimentos; Alimentos Especializados; Doenças Respiratórias; Fatores Socioeconômicos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5020/2026

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia