Atributos essenciais e qualificadores da atenção primária a saúde - doi:10.5020/18061230.2012.s1

Andréa Sílvia Walter de Aguiar, Pollyanna Martins

Resumo


Historicamente, a atenção primária à saúde (APS) tem sido associada ao primeiro nível de atenção de um sistema de saúde e caracterizada pelo tipo de profissional que nela atua, em que se espera que haja predominância de especialistas nessa área. Entretanto, a maior limitação para esse tipo de caracterização é que o perfil de profissionais que atuam nesse serviço pode variar de país para país.Diversos marcos teórico-conceituais propuseram abordagens e indicadores para avaliar e caracterizar a APS. Em 1978, o Institute of Medicine American sugeriu uma abordagem em que listou seus atributos como: acessibilidade, integralidade, coordenação, continuidade e responsabilidade. Este foi um marco importante na tentativa de delinear um método normativo para medi-la. Contudo, a maioria dos indicadores e definições sugeridas não era específica. Os indicadores selecionados exigiam um alto nível de desempenho e eram difíceis de serem atingidos, e centravam-se na capacidade instalada de serviços e não na sua realização concreta(1).Um relatório de 1996, da mesma instituição, definiu a APS como a oferta de serviços integrados e acessíveis por meio de clínicos que sejam responsáveis por atender a uma grande maioria de necessidades pessoais de atenção desenvolvendo uma parceria constante com os pacientes e trabalhando no contexto da família e da comunidade. Essa definição não inclui o primeiro contato e enfoca a atenção individual.A Associação Médica Canadense, em 1996, considerou a APS como porta de entrada do sistema de saúde e incluiu intervenções comunitárias na definição das funções da APS. No mesmo ano foi divulgada a Charter for General Practice/ Family Medicine in Europe (Carta para Clínica Geral/Medicina de Família na Europa) que descreve 12 características: geral, acessível, integrada, continuada, em equipe, holística, personalizada, orientada para a família e para comunidade, coordenada, confidencial e defensora(2).Donabedian(3) sistematizou um conjunto de variáveis importantes que podem avaliar a qualidade de um sistema ou serviço de saúde e classificou de acordo com suas características em estrutura, processo e resultado. A avaliação do processo inclui a qualidade dos serviços prestados pelos profissionais de saúde individualmente ou em grupo e referem-se à qualificaçãoprofissional, organização e coordenação do processo de trabalho das equipes. A avaliação da estrutura abrange as condições do ambiente e equipamentos em que os serviços são prestados e os resultados são avaliados a partir da verificação de mudanças no estado de saúde de uma população que possam ser atribuídos ao processo de cuidado.Entre os marcos teórico-conceituais da APS destaca-se a publicação “PrimaryCare: Balancing Health Needs, Services, and Technology”, da Professora Barbara Starfield, em 1998, traduzido para língua portuguesa e publicada no Brasil em 2002. O livro traz evidências sobre o papel da APS nos sistemas de saúde, evidências científicas dos seus impactos na saúde da população e compara o custo benefício entre países com diferentes formas e em diferentes graus de implantação dessa estratégia, além de propor uma estrutura para mensura-la e definir seus atributos(1).As visões de APS, centrada no indivíduo e na população, ofereceram a base normativa para avalia-la dentro de um sistema de saúde e colaboraram na construção da estrutura de avaliação proposta por Starfield (1).A autora, ainda, propôs uma estrutura para avaliação da APS que considerou os conceitos dos atributos essenciais e derivativos em medidas de estrutura (capacidade) e processo (desempenho).Os atributos essenciais e exclusivos da APS compreendem: acesso/atenção ao primeiro contato,longitudinalidade, integralidade e coordenação do cuidado. Um alto nível de alcance dos atributos essenciais da APS resulta em três aspectos adicionais denominados aspectos derivativos, os quais qualificam as ações e serviços deste nível de atenção(1,4).Os aspectos qualificadores são centralização na família, competência cultural e orientação comunitária.Na maioria dos países nem a centralização na família, nem a orientação para a comunidade são um enfoque dos sistemas. A orientação para a comunidade é um ideal, mais do que uma realidade(1,4).A Política Nacional de Atenção Básica aponta em suas diretrizes, o acesso universal e contínuo a serviços de saúde de qualidade e resolutivos, caracterizando a Atenção Básica como a porta de entrada aberta e preferencial da rede de atenção. Esta rede de atenção deverá acolher usuários e promover a vinculação e corresponsabilização pela atenção às suas necessidades de saúde(5). No atual número da Revista Brasileira em Promoção da Saúde o leitor poderá se debruçar sobre o artigo Usuário da Estratégia de Saúde da Família: conhecimento e satisfação sobre acolhimento traz informações importantes que demonstram os mecanismos que assegurem a acessibilidade e acolhimento a partir da compreensão do usuário.Dentre as estratégias para o desenvolvimento da integralidade e coordenação do cuidado, atualmente se exalta as comunidades de práticas, em que são grupos formados em torno da prática da profissão, ligados a partir da necessidade de (com)partilhamento de experiências e assim o conhecimento possa ser coletivo(6). Os artigos Comunidade de prática enquanto modo coletivo de aprendizagem e desenvolvimento de práticas e saberes na Estratégia Saúde da Família: um estudo teórico ressaltam a aprendizagem derivada da troca de experiências, do compartilhamento de significados, observações, reflexões na APS.

Palavras-chave


atenção primária a saúde

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.5020/2237

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia