Avaliação funcional dos pés de portadores de diabetes tipo II

Vinicius Saura Cardoso, Alessandra Tanuri Magalhães, Baldomero Antônio Kato da Silva, Cristiano Sales da Silva, Dandara Beatriz Costa Gomes, Jefferson Carlos Araujo Silva

Resumo


Objetivo: Avaliar a ocorrência de alterações funcionais e o risco de desenvolver úlceras nos pacientes diabéticos tipo II atendidos em Unidades Básicas de Saúde (UBS). Métodos: Realizou-se estudo transversal, quantitativo e descritivo com 80 portadores de diabetes mellitus (DM) tipo II que apresentavam idade entre 41 e 85 anos e frequentavam as UBS do município de Parnaíba-PI. Os voluntários responderam ao questionário de identificação e ao Michigan Neuropathy Screening Instrument (MNSI), seguido da avaliação dos membros inferiores, sendo: reflexos aquileu e patelar; palpação dos pulsos arteriais (tibial posterior e pedioso); sensibilidade tátil (monofilamento 10g) e vibratória (diapasão 128 Hz); identificação da presença de alterações como unha encravada, calosidades, dedos em garra e queda de pelos. Por fim, utilizando as informações adquiridas na avaliação, os voluntários foram classificados quanto ao risco de desenvolver feridas. Resultados: A amostra foi composta por 76 diabéticos, com média de idade de 63,8±10,4 anos, sendo 63 (82,8%) do sexo feminino, com média de tempo de diagnóstico de 8,8±7,2 anos, média do índice de massa corpórea (IMC) de 28,2±5,4 Kg/m2, sendo 15,7% da amostra fumantes. Os reflexos miotáticos e pulsos arteriais apresentaram-se hiporreflexos e diminuídos, respectivamente. A sensibilidade tátil foi identificada em 81,5%, e 13,1% não sentiram a vibração do diapasão. A calosidade foi a alteração mais prevalente em 76,3% (n=58). O risco 2 de desenvolver úlceras se sobressaiu, 52,6% (n=40). Conclusão: Observaram-se alterações funcionais na amostra estudada e uma classificação de risco 2 para desenvolvimento de feridas em mais de 50% dos avaliados.


doi:http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2013.p563

Palavras-chave


Diabetes Mellitus; Neuropatias Diabéticas; Complicações do Diabetes.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção Básica à Saúde, Departamento de Atenção Básica.Diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.(Cadernos de Atenção Básica - n.º 16 - Série A. Normase Manuais Técnicos).

Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011.

Alvarenga KF, Duarte JL, Silva DPC, Agostinho-Pesse RS, Negrato CA, Costa OA. Potencial cognitivo P300 em indivíduos com diabetes mellitus. Rev Bras Otorrinolaringol. 2005;71(2):202-7.

Organização Mundial de Saúde - OMS. Programas e projetos: Diabetes [acesso em 2012 Set 15]. Disponívelem: http://www.who.int/diabetes/em/.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Sala de notícias. [acesso em 2012 Set 23]. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/sala-de-noticias/2116-sao-12-milhoesde-diabeticos-no-brasil.

Tesfaye S, Boulton AJ, Dickenson AH. Mechanismsand management of diabetic painful distal symmetrical polyneuropathy. Diabetes Care. 2013;36(9):2456-65

Al-Maskari F, El-Sadig M. Prevalence of risk factors for diabetic foot complications. BMC Fam. Pract.2007;10:8-59.

Said G. Diabetic neuropathy. Handl Clin Neurol.2013;115:579-89

Wukich DK, Armstrong DG, Attinger CE, Boulton AJ, Burns PR, Frykberg RG, et al. Impatient management of diabetic foot disorders: a clinical guide. DiabetesCare. 2013;36(9):2862-71

Gomes AA, Sartor CD, João SMA, Sacco ICN,Bernik MMS. Efeitos da intervenção fisioterapêutica nas respostas sensoriais e funcionais de diabéticos neuropatas. Fisioter Pesquisa. 2007;14(1):14-21.

Boulton AJM, Vileikyte L, Ragnarsan-Tennvall G, Apelqvist J. The global burden of diabetic foot disease.Lancet. 2005;366(9498):1719-24.

Rodrigues LC, Silva AG, Honório GJS. Análise do equilíbrio bipodal em diabéticos com neuropatia periférica. Fisioter Brasil. 2009;10(4):248-51.

Bakker K, Schaper NC, International Working Group on Diabetic Foot Editorial Board. The development of global consensus guidelines on the management and prevention of the diabetic foot 2011. Diabetes MetabRes Rev. 2012;28(Suppl1):116-8.

Vieira-Santos ICR, Souza WV, Carvalho EF, Medeiros MCWC, Nóbrega MGL, Lima PMS. Prevalência de pé diabético e fatores associados nas unidades de saúde da família da cidade do Recife. Cad Saúde Pública.2008;24(12):2861-70.

Abbott CA, Carrington AL, Ashe H, Bath S, Every LC, Boulton AJM, et al. The North-West Diabetes Foot Care Study: incidence of, and risk factors for, new diabetic foot ulceration in a community-based patient cohort. Diabetes UK. Diabetic Medicine. 2002;19:377–84.

Secretaria Municipal de Saúde de Parnaíba-PI. Informações adquiridas do sistema HIPERDIA do município de Parnaíba-PI. Parnaíba; 2012.

Rocha RM, Zanetti ML, Santos MA. Comportamento e conhecimento: fundamentos para prevenção do pé diabético. Acta Paul Enferm. 2009;22(1):17-23.

Mete T, Aydin Y, Saka M, Yavuz HC, Bilen S, Yalcin Y, et al. Comparison of efficiencies of Michigan Neuropathy Screening Instrument, Neurothesiometer and electromyography for diagnosis of diabetic neuropathy. Internat J Endocrinology. 2013.1-7.

Cisneros LL. Avaliação de um programa para prevenção de úlceras neuropáticas em portadores de diabetes. Rev Bras Fisioter. 2010;14(1):31-7.

Weinert PR. Estudo de associação entre neuropatia periférica e a capacidade de abertura dos dedos dos pés em pacientes diabéticos [dissertação]. Rio Grande doSul: UFRGS/ Faculdade de Medicina; 2000.

Vidal L. Avaliação do sistema de classificação de risco do pé, proposto pelo grupo de trabalho internacional sobre o pé diabético, hospital da polícia militar de Minas Gerais, 2002-2007 [dissertação]. Belo Horizonte: UFMG./ Faculdade de Medicina; 2009.

Sales KLS, Souza LA, Cardoso VS. Equilíbrio estático de indivíduos com neuropatia periférica diabética. Fisioter Pesq. 2012;19(2):122-7.

Saura V, Santos ALG, Ortiz RT, Parisi MC, Fernandes TD, Nery M. Fatores preditivos da marcha em pacientes diabéticos neuropático e não neuropático. Acta Ortop Bras. 2010;18(3): 148-51.

Ulhoa LS, Lima RCO, Cunha VNC, Gomes EB, Campbell CSG, Pedrosa HC. Mobilidade articularde idosos diabéticos e não diabéticos e influência da fisioterapia. Fisioter Mov. 2011;24(1):99-106.

Borges FS, Cardoso HSG. Avaliação sensório-motora do tornozelo e pé entre idosos diabéticos e não diabéticos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2010;13(1):93- 102.

Gagliardi ART. Neuropatia diabética periférica. J Vasc BR. 2003;2(1):67-74.

Ferreira CLRA, Ferreira MG. Características epidemiológicas de pacientes diabéticos da rede pública de saúde – análise a partir do sistema HiperDia. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53(1):1719-24.

Vigo KO, Torquato MTCG, Silvério IAS, Queiroz FA, Guanilo MCDLTU, Pace AE. Caracterização de pessoas com diabetes em unidades de atenção primária e secundária em relação a fatores desencadeantes do pé diabético. Acta Paul Enferm. 2006;19(3):296-303.

Boulton AJM, Vileikyte L, Ragnarsan-Tennvall G, Apelqvist J. The global burden of diabetic foot disease. Lancet. 2005;366(9498):1719-24.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2329

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia