Perfil de portadores de hepatite B em um serviço de referência: estudo retrospectivo

Erotides Maria Garcia Justino, Sílvia Silveira Soriano Bacelar, Silvana Dantas de Araújo, Ruy Medeiros de Oliveira, Edileuza Bezerra de Almeida, Gilmar Amorim de Sousa, Iris do Céu Clara Costa

Resumo


Objetivo: Conhecer o perfil dos pacientes portadores de hepatite B atendidos no Núcleo de Estudos do Fígado (NEF) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Método: Estudo descritivo, retrospectivo, que analisou 433 prontuários, tendo confirmação sorológica para 279 destes. Foram coletadas variáveis sociodemográficas, de comportamento sexual, histórico de transfusão, procedimento cirúrgico/odontológico anterior e passado de hepatite, sendo utilizada a análise descritiva dos dados. Resultados: Todos (100%) apresentaram sorologia positiva para hepatite B. Das variáveis, as mais determinantes foram sexo masculino (77,8%; n=217), idade (entre 46-60 anos), estado civil (casados: 56,63%; n=158), e 48,39% (135) eram procedentes de bancos de sangue. Seis em cada dez (38,7%; n=108) haviam realizado procedimentos odontológicos ou cirúrgicos, dois em cada dez (20%; n=56) apresentavam promiscuidade sexual e apenas um em cada dez (10%; n=28) relataram passado de hepatite viral. Conclusão: O perfil encontrado aponta para indivíduos do sexo masculino, heterossexual, casado, em idade produtiva, doador de sangue, cuja fonte de infecção não pôde ser precisamente estabelecida.


doi:10.5020/18061230.2014.p53

Palavras-chave


Hepatite; Hepatite B; Marcadores Biológicos.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Moreira T, Areias J. Hepatite B crônica. J PortGastrenterol. 2009;16(5):187-91.

Secretaria de Saúde Pública do Rio Grande do Norte, Programa Estadual de DST e Hepatites Virais.Boletim Epidemiológico 2011 [acesso em 2014 Jan02]. Disponível em: http://www.portal.rn.gov.br/ contentproducao/aplicacao/sesap/saude_destaque/enviados/boletim_dst_aids_hv_2011_v4.pdf

Fonseca JCF. História natural da hepatite crônica B.Rev Soc Bras Med Trop. 2007;40(6):672-7.

Silva ACLG, Tozatti F, Welter AC, Miranda CC.Incidência e mortalidade por hepatite B, de 2001 a 2009: uma comparação entre o Brasil, Santa Catarina e Florianópolis. Cad Saúde Coletiva. 2013;21(1):34-9.

Cruz CRB, Shirassu MM, Martins WP. Comparação do perfil epidemiológico das hepatites B e C em um serviço público de São Paulo. Arq Gastroenterol. 2009;46(3):225-9

Ministério da Saúde (BR). Boletim epidemiológico: hepatites virais [periódico na internet]. 2012 [acesso em 2013 Jan 12];2(1). Disponível em: http://www.aids.gov. br/sites/default/files/anexos/publicacao/2012/51820/boletim_epidemiol_gic_hepatites_virais_2012_ve_12026.pdf

Werneck G. Epidemiologia descritiva: qualidade das informações e pesquisa nos serviços de saúde.Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(3):205-7.

Silva RSU, Ribeiro SAL, Silveira RP, Freitas MS.Avaliação da pré-triagem sorológica para o marcador do vírus da hepatite B (anti-HBc total) em candidatos à doação de sangue no Estado do Acre. Rev Soc Bras Med Trop. 2006;39(2):179-82.

Aquino JA, Pegado KA, Barros PL, Machado LFA. Soroprevalência de infecções por vírus da hepatite B e vírus da hepatite C em indivíduos do Estado do Pará.Rev Soc Bras Med Trop. 2008;41(4):334-77.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. ABCDE do diagnóstico para as hepatites virais. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Martins AO, Viana AMA, Costa MS, Souza ADF. Perfil epidemiológico dos portadores crônicos de hepatite viral B atendidos em hospital do Distrito. Brasilia Med. 2008;45(4):264-71.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica.

Hepatites virais: o Brasil está atento. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 3.318, de 28 de outubro de 2010. Institui em todo território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. Diário Oficial da União, Brasília, 29 Out 2010;(208):105.

Carlo FS, Lima JF, Sene M, Rosa NM, Cardoso VH, Aguiar JE. Perfil do portador de hepatite B do município de Maringá, Paraná, Brasil. Saúde Pesqui.2008;1(3):241-6.

Teston EF, Silva RLDT, Marcon SS. Convivendo com hepatite: repercussões no cotidiano do indivíduo infectado. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(4):860-8.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.Estados: Rio Grande do Norte [acesso em 2014 Ago 2]. Disponível em:http://www.ibge.gov.br/estadosat/ perfil.php?sigla=rn

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Hospital Universitário Onofre Lopes. Relatório epidemiológico do 3º trimestre de 2012 [acesso em 2014 Ago 2]. Natal,2012. Disponível em: http://www.huol.ufrn.br/doc/relatorios/relatorio_epidemiologico2012.pdf

Osti C, Marcondes-Machado J. Vírus da hepatite B: avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de limpeza de hospital-escola. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Supl 1):1343-8.

Ferrari CKB, Savazzi K, Honório-França AC, Ferrari GSL, França EL. Conhecimentos sobre hepatites virais numa amostra de estudantes brasileiros do Vale do Araguaia, Amazônia Legal. Acta Gastroenterol Latinoam. 2012;42(2):120-6.

Campolina AG, Dini PS, Ciconelli RM. Impacto da doença crônica na qualidade de vida de idosos da comunidade em São Paulo (SP, Brasil). Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(6):19-25.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2363

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia