Perfil sociodemográfico familiar e clínico de crianças com cardiopatia congênita atendidas em uma instituição hospitalar

Mirna Albuquerque Frota, Ivna Silva Andrade, Zélia Maria Sousa Araújo Santos, Carlos Antônio Bruno da Silva, Ana Fátima Carvalho Fernandes

Resumo


Objetivo: Conhecer o perfil sociodemográfico familiar e clínico de crianças com cardiopatia congênita atendidas em uma instituição hospitalar. Métodos: Estudo descritivo, transversal, desenvolvido no ambulatório de cardiologia pediátrica de um hospital em Fortaleza-CE, durante o período de março a agosto de 2012. Contemplou uma amostra não aleatória por conveniência de 80 pais de crianças cardiopatas entre 5 e 12 anos. Obtiveram-se informações a partir de dados primários de prontuário e por questionários, abordando as características sociodemográficas dos pais, dados familiares e condições clínicas das crianças. Resultados: Quanto aos dados sociodemográficos dos pais, 77 (96,2%) dos acompanhantes eram do sexo feminino, 50 (62,5%) estavam casados ou em união estável, 39 (48,7%) tinham entre 10 e 12 anos de estudo, e 69 (82,6%) relataram renda familiar entre 1 e 2 salários mínimos. Na amostra de crianças estudada, 43 (53,8%) eram do sexo feminino. A mediana das idades das crianças foi de 8,4 anos, variando entre 5 e 13 anos. Quanto à idade do diagnóstico, 44 (55,0%) ocorreram em idade inferior a 6 meses, independentemente do tipo da cardiopatia. Detectou-se que 19 (23,75%) tinham parentesco com a cardiopatia. Conclusão: Os pais acompanhantes de crianças com cardiopatia eram predominantemente mães, de baixo nível econômico e com escolaridade satisfatória. Houve predominância do diagnóstico precoce, principalmente nas crianças com cardiopatia do tipo cianótica.

doi:10.5020/18061230.2014.p239

Palavras-chave


Cardiopatias Congênitas; Criança; Perfil de Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Rivera IR, Silva MAM, Fernandes JMG, Thomaz ACP,Soriano CFR, Souza MGB de. Cardiopatia congênita no recém-nascido: da solicitação do pediatra à avaliação do cardiologista. Arq Bras Cardiol. 2007;89(1):6-10.

Pinto Júnior VC, Daher CV, Sallum FS, Jatene MB, Croti UA. Situação das cirurgias cardíacas congênitas no Brasil. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2004;19(2):3-6.

Ribeiro C, Madeira AMF. O significado de ser mãe de um filho portador de cardiopatia: um estudo fenomenológico. Rev Esc Enferm USP. 2006;40(1):42-9.

Prieto AM, Massa ER, Torres IEF. Percepción de la calidad de vida de cuidadores de niños com cardiopatia congenita Cartagena, Colombia. Invest Educ Enferm. 2011;29(1):9-18.

Damas BGB, Ramos CA, Rezende MA. Necessidade de informação a pais de crianças portadoras de cardiopatia congênita. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009;19(1):103-13.

Leite DL, Miziara H, Veloso M. Malformações cardíacas congênitas em necropsias pediátricas: características, associações e prevalência. Arq Bras Cardiol. 2010;94(3):294-99.

Castillo ME, Toro L, Zelada P, Herrera F, Garay R, Alcântara A, et al. Calidad de vida ver pacientes portadores de cardiopatias congênitas. Rev Chil Cardiol. 2010;29(1):57-67.

Rosa ET, Trevisan P, Koshiyama DB, Pilla CB, Zen PRG, Varella-Garcia M, et al. Síndrome de deleção 22q11 e cardiopatias congênitas complexas. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(1):62-5.

Lopes MSV, Saraiva KRO, Fernandes AFC, Ximenes LB. Análise do conceito de promoção da saúde. Texto & Contexto Enferm. 2010;19(3):461-8.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 196 de 10 de Outubro 1996. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo Seres Humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.

Neves TN, Cabral IE. Empoderamento da mulher cuidadora de crianças com necessidades especiais de saúde. Texto & Contexto Enferm. 2008;17(3):552-60.

Simões S, Pires A, Barroca A. Comportamento parental face à cardiopatia congénita. Anál Psicol.2010;28(4):619-30.

Massa ER, Prieto AM, Torres IF. Características de los cuidadores de niños con cardiopatías congénitas complejas y su calidad de vida. Av Enferm. 2010;28(1):39-50.

Paula ES, Nascimento LC, Rocha SMM. Religião e espiritualidade: experiência de famílias de crianças com Insuficiência Renal Crônica. Rev Bras Enferm. 2009;62(1):100-6.

Frota MA, Albuquerque CM, Linard AG. Educação popular em saúde no cuidado à criança desnutrida. Texto & Contexto Enferm. 2007;16(2):246-53.

Cheuk DK, Wong SM, Choi YP, Chau AK, Cheung YF. Parents’ undertanding of their child’s congenital heart disease. Heart. 2004;90(4):435-9.

Veleda AA, Soares MCF, Cezar-Vaz MR. Fatores associados ao atraso no desenvolvimento em crianças, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(1):79-85.

Nordon DG, Prigenzi ML. Cardiopatia congênita: difícil diagnóstico diferencial e condução do tratamento. Rev Fac Ciênc Méd Sorocaba. 2012;14(1):24-6.

Queiroz MV, Jorge MS. Estratégias de educação em saúde e a qualidade do cuidar e ensinar em pediatria:a interação, o vínculo e a confiança no discurso

dos profissionais. Interface Comun Saúde Educ. 2006;10(19):117-30.

Rocha PA, Soares TC, Farah BF, Friedrich DBC. Promoção da Saúde: a concepção do enfermeiro que atua no programa saúde da família. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(2):215-20.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2399

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia