Competências essenciais desenvolvidas por coordenadores de centros de saúde da família

Nayane Coelho Sales, Marcelo Gurgel Carlos da Silva, Francisco José Maia Pinto

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil dos coordenadores dos Centros de Saúde da Família (CSF) de Fortaleza-CE e a frequência do desenvolvimento das competências essenciais na gerência de seus serviços. Método: Estudo quantitativo, descritivo e analítico, realizado nos CSF de Fortaleza-CE, em 2012, com amostra composta por 30 CSF do município. Entrevistaram-se os coordenadores dos CSF e seus supervisores, além dos chefes de Distrito de Saúde (DS) das Secretarias Executivas Regionais (SER). Aplicou-se um questionário junto aos coordenadores referente a perfil epidemiológico, experiências profissionais anteriores, formação acadêmica e caracterização do vínculo empregatício. Por meio de uma escala, identificaram-se as competências e atividades desenvolvidas pela gerência: habilidades e atribuições. Aos chefes de DS, aplicou-se um recorte do questionário, e o teste Kappa identificou a concordância entre a frequência do relatado pelos chefes e os coordenadores. Resultados: Encontrou-se o perfil dos coordenadores formado por mulheres (n=25; 83%), com mais de 45 anos (n=19; 63,3%), graduadas em Enfermagem (n=12; 40%) e especialistas (n=18; 60%), com experiência anterior em área administrativa (n=20; 66,7%). As competências mais frequentes foram: tecnologias leves (n=20; 63,3%), gerência de materiais (n=24; 80%), aceitar diferenças (n=25; 83,3%) e trabalho em equipe (n=25; 83,3%). Não houve concordância (k=-0,418; p=0,014< 0,05) entre chefes e coordenadores. Conclusão: O perfil de coordenadores foi representado por mulheres com experiência anterior em atividades administrativas, capacitadas por meio de cursos de pós-graduação. Identificou-se alta frequência no desenvolvimento da maioria das competências essenciais, porém, a avaliação dos chefes de DS esteve abaixo do esperado.


doi: 10.5020/18061230.2014.p389

Palavras-chave


Avaliação de Serviços de Saúde; Atenção Primária à Saúde; Administração de Serviços de Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Giovanella L, Mendonça, MHM. Atenção Primária à Saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p. 575-625.

Ministério da Saúde (BR). Promoção da saúde: Carta de Otawa, Declaração de Adelaide, Sundswall e Santa Fé de Bogotá. Brasília; 2001.

Lopes ALM, Silva AS, Castro DFA, Bógus CM, Fracoli LA. Avaliação de programas, serviços e tecnologias na perspectiva da promoção da saúde: uma reflexão teórica. Rev Bras Promoç Saúde. 2013;26(4):590-4.

Mamede S. Prefácio. In: Os Sistemas de Serviços de Saúde: o que os gestores deveriam saber sobre essas organizações complexas. Fortaleza: Escola de Saúde Pública do Ceará; 2002. p.13-14.

Ministério da Saúde (BR). Glossário do Ministério da Saúde: projeto de terminologia em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Passos JP, Ciosak SI. A concepção dos enfermeiros no processo gerencial em Unidade Básica de Saúde. Rev Esc Enferm USP. 2006;40(4):464-8.

Mendes EV. Os sistemas de serviços de saúde: o que os gestores deveriam saber sobre essas organizações complexas. Fortaleza: Escola de Saúde Pública do Ceará; 2002.

Zarifian P. El modelo de competência y los sistemas productivos. Montevideo: Cinterfor; 1999.

Fernandes LCL, Machado RZ, Anschau GO. Gerência de serviços de saúde: Competências desenvolvidas e dificuldades encontradas na atenção básica. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(Supl 1)1541-52.

Alves LAAR. Perfil gerencial do enfermeiro para atuar na atenção primária à saúde. In: Santos AS, Miranda MRC. A enfermagem na gestão em atenção primária à saúde. Barueri: Manole; 2007.

Prahalad CK, Hamel G. The Core Competence of the Corporation. Boston: Harvard Business Review; 1990.

Lazzarotto EM, Cardoso GM, Nazzari RK. Conhecimento, habilidades e atitudes requeridas para o enfermeiro gerenciar unidades básicas de saúde – UBS. In: Anais do Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais; 26 a 28 Jun. 2003; Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE); Núcleo de Estudos e Pesquisas em Políticas Sociais (NEPPS). Cascaval: Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE); 2003. p. 1-15.

CochranWG. SamplingTechniques. New York: Nem York John Wiley; 1977.

Ávila DVB. O perfil do gestor de unidade básica de saúde: verificando competências e habilidades [monografia]. Porto Alegre: Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, 2005.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466 de 12 de Dezembro 2012. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo Seres Humanos. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Ohira RHF, Cordoni Júnior L, Nunes EFPA. Perfil dos gerentes de Atenção Primária à Saúde de municípios de pequeno porte do norte do Paraná, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(2):393-400.

Ministério da Educação (BR), Conselho Nacional de Educação. Parecer n° 1133 de 01 de Novembro de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. Brasília: Ministério da Educação, 2001.

Carvalho DR, Kalinke LP. Perfil do enfermeiro quanto à motivação profissional e suas necessidades de desenvolvimento. Rev Boletim de Enfermagem. 2008;2(1):82-95.

Silva CC, Nascimento EM, Avelino BC, Durso SO, Colauto RD. Perfil profissional requerido dos contadores na região metropolitana de Belo Horizonte. In: Anais do V Congresso Nacional de Administração e Ciências Contábeis, 2014 Out 16, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014. p. 1-15.

Oliveira NA, Thofehrn MB, Cecagno D, Siqueira HCH, Porto AR. Especialização em Projetos assistenciais de Enfermagem: contribuições na prática profissionais dos egressos. Texto & Contexto Enferm. 2009;18(4):697-704.

Ramires EP, Lourenção LG, Santos MR. Gerenciamento em Unidades Básicas de Saúde: conhecendo experiências. Arq Ciênc Saúde. 2004;11(4):205-9.

Peres AM, Ciampone MHT. Gerência e competências gerais do enfermeiro. Texto & Contexto Enferm. 2006;15(3):492-9.

Fernandes MC, Barros AS, Silva LMS, Nóbrega MFB, Silva MRF, Torres RAM. Análise da atuação do enfermeiro na gerência de unidades básicas de saúde. Rev Bras Enferm. 2010;63(1):11-15.

Tanaka OU, Tamaki EM. O papel da avaliação para a tomada de decisão na gestão de serviços de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(4):821-4.

Coelho MO, Jorge MSB. Tecnologias das relações como dispositivo de atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectivado acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(Supl 1):1523-31.

Zancan L, Carvalho AI, Lobato MF, Rocha MR. Articulação intersetorial na gestão para a promoção da saúde. In: Gondim R, Grabois V, Mendes Junior WV, organizadores. Qualificação dos Gestores do SUS. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fiocruz/ENSP/EAD; 2011. p. 297-310.

Castanheira ERL, Dalben I, Almeida MAS, Puttini RF, Patricio KP, Machado DF, et al. Avaliação da qualidade da Atenção Básica em 37 municípios do Centro – Oeste paulista: características da organização da assistência. Saúde Soc. 2009;18(2):84-8.

Silva AJM. Epidemiologia e planejamento e Saúde. In: Epidemiologia & Saúde. Rouquayrol MZ, Silva MGC. Rio de Janeiro: Med Book, 2013. p 467-71.

Russo RFSM, Ruiz JM, Cunha RP. Liderança e influência na fase de gestão de projetos. Prod. 2005;15(3):362-75.

Corradi EM, Zgoda LTRW, Paul MFB. O gerenciamento de conflitos entre a equipe de enfermagem. Cogitare Enferm. 2008;13(2):184-93.

Sousa MHL, Souza RMP, Silva MGC. Alocação de Recursos na Saúde. In: Epidemiologia & Saúde. Rouquayrol MZ, Silva MGC. Rio de Janeiro: Med Book; 2013. p 585-99.

Santos CF, Ariente M, Diniz MVC, Dovigo AA. O processo evolutivo entre as gerações x, y e baby boomers. In: Anais do XIV SEMEAD Ensino e Pesquisa em Administração; 13 a 14 Out. 2011; Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2011. p. 1-14.

Barreto SO, Freitas LC, Del Prette ZAP. Habilidades sociais na comorbidade entre dificuldades de aprendizagem e problemas de comportamento: uma avaliação multimodal. Psico (Porto Alegre) 2011;42(4):503-10.




DOI: https://doi.org/10.5020/2473

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia