Indutores de mudança na formação dos profissionais de saúde: PRÓ-SAÚDE E PETSAÚDE - doi: 10.5020/18061230.2012.p389

Isabel Cristina Luck Coelho de Holanda, Magda Moura de Almeida, Edyr Marcelo Costa Hermeto

Resumo


Na última década, a formação de profissionais de saúde tem sido reformulada no intuito de atender às necessidades de saúde das pessoas e não somente suas demandas. Políticas públicas de educação e saúde promovidas em parceria com o Ministério da Educação (MEC) e o Ministério da Saúde (MS) sinalizaram uma reforma curricular imprescindível nos cursos de graduação da área de saúde(1,2) .A formalização dessa mudança teve seu marco com a instituição das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para os cursos de graduação no campo da saúde. Todos os instrumentos vigentes orientam a construção do perfil dos egressos por meio de um modelo acadêmico e profissional em que atitudes, habilidades e conteúdos almejem a formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, com competência para a atuação em todos os níveis de atenção à saúde, embasando suas condutas nos rigores científico e ético(3-7).Não por acaso, todos os documentos ressaltam os mesmos campos de competência a serem desenvolvidos durante a formação dos diferentes profissionais da área: atenção à saúde, tomada de decisões, comunicação, liderança, educação permanente, administração e gerenciamento(3-7), pois a saúde, como um complexo campo de atuação, não consegue imprimir ações resolutivas através de uma única disciplina ou área do saber.A proposta preconizada pelo MEC e MS de produzir transformação nos processos de formação, trabalho e ampliação da cobertura dos serviços tem sido concretizada mediante programas indutores, como o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde) e o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET–Saúde)(1,2).O Pró-Saúde, implementado no país desde 2005 através da divulgação de editais, pretende sintonizar a formação em saúde com as necessidades sociais, considerando as dimensões históricas, culturais e econômicas da população(8). Ele estimula que o objeto de estudo deixe de ter o foco na doença e passe a olhar para o cuidado à pessoa. Sua finalidade é formar profissionais com perfil adequado aos sistemas locais, e isso implica fomentar a capacidade de aprender, trabalhar em equipe, comunicar-se, ter agilidade diante das situações, capacidade propositiva e habilidade crítica(9).O Pró-Saúde proveu incentivos financeiros vinculados às parcerias das instituições de ensino com os gestores estaduais e municipais de saúde. Tal parceria adequou a estrutura física e instrumentalizou com novos equipamentos as Unidades de Saúde que acolhem os estudantes e as práticas de ensino e aprendizagem, bem como promoveu espaços de educação permanente partilhados entre a academia eos serviços.Sendo contemplada pelos últimos editais do Pró-Saúde e do PET-Saúde, a Universidade de Fortaleza (UNIFOR) instituiu mudanças nos cursos de graduação em saúde a partir da ampliação dos cenários de prática para a rede municipal, das práticas interdisciplinares e da adoção de metodologias ativas no processo ensino aprendizagem, objetivando os determinantes de saúde (promoção, prevenção, recuperação e reabilitação). Estes são contemplados em todos os eixos de formação discente, possibilitando intervenções e ações integradas que o considerem sujeito do processo ensino-aprendizagem e visando à produção do conhecimento e prestação de serviços ancorados nos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS).Em parceria com o Sistema Municipal de Saúde Escola (SMSE) de Fortaleza, a UNIFOR vem frisando a necessidade de investimentos na Estratégia Saúde da Família e na educação popular em saúde a serem desenvolvidos pelas equipes de saúde, como preconiza o MS(8). Com o apoio dos dez cursos de graduação da área da saúde, a UNIFOR tem contribuído com a inclusão da equipe ampliada de saúde nos Centros de Saúde da Família (CSF) para favorecer a qualidade do serviço, além do alcance das metas que envolvem a atenção integral e a resolutividade.O direcionamento de atividades pedagógicas para os ambientes ditos “extramuros” pretende colaborar com as atividades interdisciplinares.Os Programas Pró-Saúde e PET-Saúde da UNIFOR possuem como diferencial o trabalho interdisciplinar de dez cursos da área da saúde, com o envolvimento da gestão e da vigilância como linhas integradoras e horizontais, além da vinculação de serviços secundários da própria Instituição de Ensino Superior com as Redes de Atenção à Saúde (RAS), que incentivam o trabalho continuado, fomentando pesquisas em áreas estratégicas para o SUS, qualificando profissionais da saúde e permitindo a iniciação precoce doestudante no exercício profissional.O trabalho em equipe tem como objetivo fundamental o compartilhamento de saberes durante a formaçãoprofissional, promovendo uma estreita relação entre teoria e prática, de forma contextualizada. A integralidade norteia a formação de um profissional mais justo, ético e humano, independentemente do mercado de trabalho(10).Estudos sustentam que se os indivíduos de diferentes profissões aprendem juntos, eles irão trabalhar melhor em conjunto e, assim, aprimorar o atendimento e a prestação de serviços(11). Nessa perspectiva, os dois programas, Pró- Saúde e PET-Saúde, fomentam grupos de aprendizagem tutorial em áreas estratégicas para o serviço público de saúde, proporcionando a participação integrada dos cursos de graduação da área e incentivando o ensino interdisciplinar no próprio cenário de prática.O alcance do trabalho interdisciplinar ocorre mediante na abordagem sobre os fenômenos que interferem na saúde da população, objetivando-se atingir maior eficácia dos programas e serviços oferecidos à população(12). As estratégias interdisciplinares envolvem a realização de atividades planejadas, executadas e avaliadas por todos os cursos da UNIFOR envolvidos nos Programas, em parceria com os profissionais dos serviços e suas redes assistenciais.Ou seja, tanto na graduação quanto nos projetos de pesquisa e extensão, entende-se que a integração entreensino e serviço deve ser articulada, abrangendo a academia e os serviços de saúde, a fim de atender as necessidades prementes e melhorar a assistência à saúde da população mediante melhor capacitação dos profissionais do serviço(13).A Revista Brasileira em Promoção da Saúde (RBPS), em sintonia com as novas políticas de saúde e educação, permanece nos lembrando, com suas publicações, da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão dentro das universidades, associando a produção do conhecimento à melhoria de vida das diferentes realidades locais através da divulgação de experiências e pesquisas que privilegiem o trabalho intersetorial, entendendo que falar de saúde, atualmente, envolve também o olhar sob a perspectiva da formação de recursos humanos.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2012.2536

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia