A efetividade da escala de sonolência de Epworth como recurso auxiliar no diagnóstico da síndrome da apnéia obstrutiva do sono

Ingrid Correia Nogueira, Priscilla Oliveira Azevedo, Clarissa Bentes de Araujo Magalhaes, Vera Maria Andrade Lacerda, Ana Cristhina de Oliveira Brasil, Daniela Gardano Bucharles Mont´Alverne

Resumo


Objetivo: Analisar a efetividade da Escala de Sonolência de Epworth (ESE) como recurso auxiliar no diagnóstico da Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS). Métodos: Estudo observacional, sendo uma etapa retrospectiva e outra prospectiva com 475 pacientes que procuraram o Centro de Estudo do Sono de Fortaleza (CESF). Os dados foram coletados a partir de prontuários, que constam de questionários, incluindo a ESE, elaborados pelos profissionais do CESF e respondidos pelos pacientes. O estudo comparou os resultados obtidos na ESE com os dados da polissonografia. A análise dos dados foi realizada através do SPSS, utilizando o teste de Qui-quadrado de Pearson, considerando como estatisticamente significantes valores de p < 0,05. Resultados: O sexo masculino, na faixa etária de 50 a 60 anos e com índice de massa corpórea > 30 kg/m2 foram os mais acometidos pela SAOS com respectivamente 38,9%, 41% e 45,1%. Foi evidenciada uma relação significativa entre a pontuação da ESE e a SAOS (p = 0,001), mostrando que 25,9% (n = 123) dos pacientes, que obtiveram valores maiores que 10 na ESE, estavam com diagnóstico de SAOS. Conclusões: Os dados desta pesquisa mostram que a ESE serve como recurso auxiliar para o diagnóstico da SAOS, podendo ser aplicada por qualquer profissional de saúde durante as anamneses
clínicas. Porém, a clínica do paciente não é suficiente para diagnosticá-la, sendo necessário o exame de polissonografia.

Palavras-chave


Avaliação; Apnéia do Sono Tipo Obstrutiva; Polissonografia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


A apnéia obstrutiva do sono: considerações gerais e estratégias de tratamento. J Bras Ortodon Ortop Facial.2001; 6(36):488-92.

Young T, Palta M, Dempsey J, Skatrud J, Weber S, Badr S. The occurrence of sleep-disordered breathing amongmiddle-age adults. N Engl J Med.1993;328:1230-5.

Daltro CHC, Fontes FHO, Jesus RS, Gregório PB,Araújo LMB. Síndrome da apnéia e hipopnéia obstrutiva do sono: associação com obesidade, gênero e idade. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2006;50(1):74-81.

Sociedade Brasileira de Sono. I Consenso Brasileiro em Ronco e Apnéia do Sono. Hypnos: J Clin Experiment Sleep Res. 2001;2(Supl 1):8-13,

Silva RS. Introdução à técnica de polissonografia. Braz J Epilepsy Clin Neurophysiol. 1995; 1(1):23-32.

Boari L, Cavalcanti CM, Bannwart SRFD, Sofia OB, Dolci JEL. Avaliação da escala de Epworth em pacientes com a síndrome da apnéia e hipopnéia obstrutiva dosono. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004;70(6):752-6.

Reimão R. Sono: estudo abrangente. São Paulo:Atheneu; 1996.

Bertolazi AN, Fagondes SC, Hoff LS, Pedro VD,Barreto SSM, Johns MW. Validação da escala de sonolência de Epworth em português para uso no Brasil. J Bras Pneumol. 2009; 35(9):877-83.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos: Resolução 196/96. Brasília: Ministério asSaúde; 1996.

Echavarría EMU, Alvarez D, Giobellina R, Echavarría AMU. Valor de la escala de somnolencia de Epworth en el diagnóstico del síndrome de apneas obstructivas del sueño. Medicina (B Aires). 2000;60(6): 902-6.

Gus M, Silva DN, Fernandes J, Cunha CP, Sant´Anna GD. Epworth´s sleepiness scale in outpatients with different values of arterial blood pressure. Arq BrasCardiol. 2002;78(1):21-4.

Reimão R, Joo SH. Mortalidade da apnéia obstrutiva do sono. Rev Assoc Med Brás. 2000; 46(1):52-6.

Balbani APS, Formigoni GGS. Ronco e síndrome da apnéia obstrutiva do sono. Rev Assoc Med Bras.1999;45(3):273-8.

Müller MR, Guimarães SS. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estudos de psicologia. 2007;24(4):519-28.

Guimarães C, Martins MV, Rodrigues LV, Teixeira F, Santos JM. Escala de sonolência de Epworth na síndroma de apneia obstrutiva do sono: uma subjetividade subestimada. Rev Port Pneumol.2012;18:267-71

Viegas CAA, Oliveira HW. Prevalência de fatores de risco para a síndrome da apnéia obstrutiva do sono em motoristas de ônibus interestadual. J Bras Pneumol.2006;32(2):144-9.

Fuhrman C, Fleury B, Nguyên X, Delmas M.Symptoms of sleep apnea syndrome: High prevalence and underdiagnosis in the French population. Sleep Medicine. 2012;13:852-8.

Larsson LG, Lindberg A, Franklin KA, Lundback B.Gender differences in symptoms related to sleep apnea in a general population and in relation to referral to sleep clinic. Chest 2003;124(1):204-11.

Bouloukaki I, Kapsimalis F, Mermigkis C, Kryger M,Tzanakis N, Panagou P, Moniaki V, et al. Prediction of obstructive sleep apnea syndrome in a large Greekpopulation. Sleep Breath. 2011;15(4):657-664.

Kapsimalis F, Kryger MH. Gender and obstructive sleep apnea syndrome, part1: clinical features. Sleep.2002;25(4):412-9.

Collop NA, Adkins D, Phillips BA. Gender differences in sleep and sleep-disordered breathing. Clin Chest Med. 2004;25(2):257-68.

Mancini MC, Aloe F, Tavares S. Apnéia do sono em obesos. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2000;44(1):81-90.

Kapsimalis F, Kryger MH. Gender and obstructive sleep apnea syndrome, part 2: mechanisms. Sleep.2002;25(5):499-506.

Bixler EO, Vgontzas AN, Ten HT, Tyson K, Kales A.Effects of age on sleep apnea in men: I. Prevalence and severity. Am J Respir Crit Care Med. 1998;157:144-8

Hedner J, Grote L, Bonsignore M, McNicholas W,Lavie P, Parati G, et al. The European Sleep Apnoea Database (ESADA): report from 22 European sleep laboratories. Eur Respir J. 2011;38:635-42

David CM. Ventilação mecânica: da fisiologia a prática clínica. Rio de Janeiro: Revinter; 2001.

Murray JW. Daytime sleepiness, snoring and obstructive sleep apnea: the Epworth sleepiness scale. Chest.1993;103(1):30-6.

Togeiro SMGP, Smith AK. Métodos diagnósticos nos distúrbios do sono. Rev Bras Psiquiatr. 2005;27(SuplI):8-15.

Martinez D, Lumertz MS, Lens MCS. Dimensões da sonolência e suas correlações com os distúrbios respiratórios do sono na apnéia do sono leve. J Bras Pneumol. 2009;35(6):507-14.

Sun Y, Ning Y, Huang L, Lei F, Li Z, Zhou G, Tang X. Polysomnographic characteristics of daytime sleepiness in obstructive sleep apnea syndrome. Sleep Breath. 2012;16(2):375-81.

Gondim LMA, Matumoto LM, Melo Júnior MAC,Bittencourt S, Ribeiro UJ. Estudo comparativo da história clínica e da polissonografia na síndrome da apnéia/ hipopnéia obstrutiva do sono. Rev Bras Otorrinolaringol, 2007;73(6):733-7.

Piccirillo JF, Duntley S, Schotland H. Apnéia obstrutiva do sono. JAMA Brasil. 2001; 5(2):134-7.

Drager LF, Ladeira RT, Brandão-Neto RA, Filho GL,Benseñor IM. Síndrome da apnéia obstrutiva do sono e sua relação com a hipertensão arterial sistêmica:evidências atuais. Arq Bras Cardiol. 2002;78(5):531-6.




DOI: https://doi.org/10.5020/2621

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia