Perfil epidemiológico de pacientes nefropatas e as dificuldades no acesso ao tratamento - doi:10.5020/18061230.2013.p95

Rafaella Maria Monteiro Sampaio, Márcia Oliveira Coelho, Francisco José Maia Pinto, Emanuelly Pontes Rios Osteme

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico de pacientes submetidos ao tratamento de terapia renal substitutiva na modalidade hemodiálise, além de verificar as dificuldades na sua realização. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, realizado em Itapipoca-CE, com 35 pacientes portadores de insuficiência renal crônica (IRC). Os dados gerais foram analisados de forma descritiva usando as frequências absolutas e percentuais. Resultados: O perfil epidemiológico aponta uma maior frequência de pacientes: do sexo masculino (19 - 54,3%), com idade entre 31 e 60 anos (24 - 68,6%), baixa escolaridade (29 - 82,8%), renda familiar de 1 a 2 salários mínimos (25 - 71,4%), morando em casa de alvenaria (30 - 85,7%) e dispondo de água tratada em seus domicílios (17 - 48,6%). Os principais sinais e sintomas que levaram à busca da consulta médica foram: fraqueza geral (21 - 60%), náuseas (19 - 54,3%), edema (18 - 51,4%) e falta de apetite (14 - 40%). Os fatores mais frequentemente apontados pelos pacientes como prováveis causas da IRC englobavam: associação de hipertensão arterial(HAS) com diabetes mellitus (11 - 31,4%); HAS (9 - 25,7%); e glomerulonefrites (5 -14,3%). A maioria dos pacientes relatou dificuldade para obter consulta médica (25 - 71,4%) e marcar/receber exames (20 - 57,1%). Conclusão: O perfil epidemiológico dos pacientes estudados é marcado por um baixo nível socioeconômico. Como agravante dessa situação, verificou-se a dificuldade de obterem consultas médicas, marcarem e realizarem exames diagnósticos, criando prejuízos para a realização do tratamento.

Palavras-chave


Perfil de Saúde; Insuficiência Renal Crônica; Diálise Renal.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR). Indicadores e Dados Básicos: Brasil - 2009 IDB-2009 [acesso em 2011 Set 12]. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: .

Begman R. Avaliação de pacientes com doença renal crônica em tratamento especializado por equipe multidisciplinar. J Bras Nefrol. 2006;28(3):33-5.

Sesso R, Lopes AA, Thomé FS, Bevilacqua JL, Romão Júnior JE, Lugon J. Relatório do censo brasileiro de diálise, 2008. J Bras Nefrol. 2008;30(4):233-8.

Godinho TM, Lyra TG, Braga OS, Queiroz RA, Alves JA, Kraychete AC et al. Perfil do paciente que inicia hemodiálise de manutenção em Hospital Público de Salvador, Bahia. J Bras Nefrol. 2006;28(2):96-103.

Riella MC, Pecoits-Filho R. Insuficiência renal crônica: fisiopatologia da uremia. In: Riella MC. Princípios de nefrologia e distúrbios eletrolíticos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. p. 661-90.

Zawada ET. Inicio da diálise. In: Daugiardas JT, Blake PG, Ing T. Manual de Diálise. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. p.4-11.

Sesso R, Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Epidemiologia da doença renal crônica no Brasil e sua prevenção. São Paulo; 2007.

Cherchiglia ML, Machado EL, Szuster DAC, Andrade EIG, Acúrcio FA, Caiaffa WT, Sesso R, Queiroz OV, Gomes IC. Perfil epidemiológico dos pacientes em terapia renal substitutiva no Brasil, 2000-2004. Rev Saúde Pública. 2010;44(4):639-49.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus. Brasília; 2006. (Cadernos de Atenção Básica,n. 16).

Zambonato TK, Thomé FS, Gonçalves LF. Perfil socioeconômico dos pacientes com doença renal crônica em diálise na região noroeste do Rio Grande do Sul. J Bras Nefrol. 2008;30(3):192-9.

Lucena RGR. Uso de flúor em saúde pública sob o olhar dos delegados à 13ª Conferência Nacional de Saúde [tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 2010.

Bandeira MFS. Consequências hematológicas da uremia. In: Riella MC. Princípios de nefrologia e distúrbios eletrolíticos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. p. 691-701.

Draibe AS. Insuficiência renal crônica. In: Ajen H, Schor N. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar.UNIFEST. Escola de medicina. Baureri: Manole; 2002.p.179-92.

Martinelli R, Rocha H. Infecção do trato urinário.In: Riella MC. Princípios de nefrologia e distúrbios eletrolíticos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;2003. p. 490-505.

Azevedo DF, Correa MC, Botre L, Mariano RM, Assis RR, Grossi L et al. Sobrevida e causas de mortalidade em pacientes hemodialíticos. Rev Assoc Méd Minas Gerais. 2009;19(2):117-22.

Zatz R. Insuficiência renal crônica (IRC). In: Riella MC. Princípios de nefrologia e distúrbios eletrolíticos.4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. p.649-60.

Gross JL et al. Nefropatia diabética. In: Riella MC.Princípios de nefrologia e distúrbios eletrolíticos. 4ª ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. p. 597-608.

Carvalho MFC, Franco MF, Soares VA.Glomerulonefrites Primárias. In: Riella MC. Princípios de nefrologia e distúrbios eletrolíticos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. p. 402-23.

Ministério da Saúde (BR), Departamento de Atenção Básica. Diretrizes conceituais da atenção básica.Brasília; 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2635

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia