Perfil epidemiológico dos casos de hanseníase de um centro de saúde da família - doi:10.5020/18061230.2013.p110

Viviane Bezerra de Souza, Maria Rocineide Ferreirada Silva, Lucilane Maria Sales da Silva, Raimundo Augusto Martins Torres, Kilma Wandeley Lopes Gomes, Marcelo Costa Fernandes, José Musse Costa Lima Jereissati

Resumo


Objetivo: Revelar as características clínicas e epidemiológicas de pacientes diagnosticados com hanseníase, entre o ano de 2007 e 2008, em uma Unidade Básica de Saúde da Família do município de Fortaleza-CE, Brasil. Método: Estudo documental, quantitativo e descritivo. A amostra do estudo foi composta por todos os prontuários dos pacientes atendidos e diagnosticados com hanseníase no período compreendido entre 2007 a 2008, totalizando um quantitativo de 55. Os dados, transcritos, tabulados e numerados foram expostos em tabelas e gráficos. Resultados: Observou-se a concentração de casos na faixa etária economicamente ativa; gênero feminino (37 - 67%); cor/raça parda (36 - 65,5%); baixo nível de escolaridade, com concentração no fundamental incompleto (25 - 45,5%). O percentual de cura em 2007 foi de 95,5% (21 casos) e, em 2008, de 57,2% (19 casos). O número de casos com formas clínicas multibacilares era alto, revelando o diagnóstico realizado tardiamente e mantendo a transmissão da doença. Conclusão: A compreensão do perfil epidemiológico e das características clínicas dos pacientes com diagnóstico de hanseníase é de fundamental importância para a construção de estratégias direcionadas para esse grupo, buscando políticas publicas que atendam as necessidades dos profissionais da saúde e fortaleçam as atividades de prevenção de agravos e promoção da saúde da população.

Palavras-chave


Hanseníase; Epidemiologia Descritiva; Prevenção de Doenças.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Políticas Públicas, Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da Hanseníase. Brasília; 2002.

Freitas CASL, Silva NAV, Ximenes NFRG, Albuquerque IMAN, Cunha ICKO. Consulta de enfermagem ao portador de hanseníase no território da Estratégia da Saúde da Família: percepções de enfermeiro e pacientes. Rev Bras Enferm. 2008;61(esp):757-63.

Martelli CMT, Stefani MMA, Penna GO, Andrade ALSS. Endemias e epidemias brasileiras, desafios e perspectivas de investigação científica: hanseníase.Rev Bras Epidemiol. 2002;5(3):273-85.

Ramos JR AN, Heukelbach J, Gomide M, Hinders DC, Schreuder PA. Health systems research training as a tool for more effective Hansen’s disease control programmes in Brazil. Lepr Ver. 2006;77(3):175-88.

Cunha MD, Cavaliere FAM, Hércules FM, Duraes SMB, Oliveira MLWDR. Os indicadores da hanseníase e as estratégias de eliminação da doença em município endêmico do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007;23(5):1187-97.

Peiter PC. A geografia da saúde na faixa de fronteira continental do Brasil na passagem do milênio [tese].Rio de Janeiro: Instituto de Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2005.

Célula de Vigilância Epidemiológica – CEVEPI,Secretaria Municipal de Saúde (CE). Informe epidemiológico: hanseníase [acessado em 2009 Set 28].Disponível em: http://www.sms.fortaleza.ce.gov.br/sms_v2/VigilanciaEpidemiologica_web/downloads/cevepi_2008_boletimHans_01.pdf

Lakatos EM, Marconi MA. Fundamentos de metodologia científica. 3ª ed. São Paulo: Atlas; 1991.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Controle da hanseníase:uma proposta de integração ensino-serviço. Rio de Janeiro: DNDS/NUTES; 2004.

Gomes CCD, Gonçalves HS, Pontes MAA, Penna GO. Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na Região Nordeste do Brasil. An Bras Dermatol. 2005;80(Supl 3):283-288.

Talhari S, Neves RG. Dermatologia tropical:hanseníase. Manaus: Editora Tropical; 1997.

Campos SSL, Ramos Jr AN, Kerr-Pontes LRS,Heukelbach J. Epidemiologia da hanseníase no Município de Sobral, Estado do Ceará-Brasil, no Período de 1997 a 2003. Hansen Int. 2005;30:167-73.

Cunha AZS. Hanseníase: aspectos da evolução do diagnóstico, tratamento e controle. Ciênc Saúde Coletiva. 2002;7(2):235-42.

Oliveira MLW. O papel estratégico do enfermeiro no controle da Hansenías. Rev Bras Enferm.2008; 61(esp):668-69.

Santos AS, Castro DS, Falqueto A. Fatores de risco para transmissão da Hanseníase. . Rev Bras Enferm.2008; 61(esp):738-43.

Evangelista CMN. Fatores sócio-econômicos e ambientais relacionados hanseníase no Ceará [dissertação]. Fortaleza: Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará; 2004.

Araújo MG. Hanseníase no Brasil: Rev. Soc. Bras.Med. Trop. 2003; 36(3):373-382.

Miranzi SSC, Pereira LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Trop. 2010;43(1):62-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2641

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia