Os caminhos metodológicos para o estudo da vigilância sanitária - doi:10.5020/18061230.2013.p146

Regina Célia Borges de Lucena

Resumo


Objetivo: Busca-se avaliar a pertinência da utilização de abordagens quantitativa e qualitativa para a análise e compreensão do objeto vigilância sanitária em sua relação com a epidemiologia. Síntese dos dados: Após uma breve contextualização sobre a relação entre epidemiologia e Ciências Sociais, bem como, entre os métodos quantitativo e qualitativo, são analisadas características do objeto vigilância sanitária que podem apoiar a compreensão de sua natureza e, portanto, das abordagens metodológicas mais adequadas para sua análise. As características do objeto aqui identificadas – a saber, complexidade do processo saúde/ doença; conceito de risco; atuação nos níveis de promoção e proteção; modelo de gestão da vigilância sanitária; disponibilidade de informações; e relação com a epidemiologia – expressam aspectos quantitativos e qualitativos de igual importância para o seu conhecimento. Conclusão: A combinação ou interação das abordagens quantitativa e qualitativa pode ser considerada, no caso da vigilância sanitária, um requisito imprescindível para a apreensão do objeto em sua totalidade.

Palavras-chave


Vigilância Sanitária; Métodos; Pesquisa.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR). Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Brasília: Diário Oficial da União;1990.

Campos GWS. Vigilância sanitária: responsabilidade pública na proteção e promoção da saúde. In: I Conferência Nacional de Vigilância Sanitária. 2001[acesso em 2011 Jun 4]. Disponível em:

Lucchese G. Globalização e regulação sanitária: os rumos da vigilância sanitária no Brasil [tese]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2001.

Pepe VLE, Noronha ABM, Figueiredo TA, Souza AAL,Oliveira CVS, Pontes Júnior, DM. A produção científica e grupos de pesquisa sobre vigilância sanitária no CNPq. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Supl. 3):3341-50.

Barata RB. Epidemiologia social. Rev Bras Epidemiol.2005;8 (1):7-17.

Silva LJ. Considerações acerca dos fundamentos teóricos da explicação em epidemiologia. Rev Saúde Pública. 1985;19(4):377-83.

Minayo MCS, Assis SG, Deslandes SF, Souza ER.Possibilidades e dificuldades nas relações entre ciências sociais e epidemiologia. Ciênc Saúde Coletiva.2003;8(1):97-107.

Silva GR. Avaliação e Perspectivas da Epidemiologia no Brasil. Anais do lo Congresso Brasileiro de Epidemiologia. Rio de Janeiro: Abrasco, 1990.

Schramm FR, Castiel LD. Processo Saúde/Doença e Complexidade em Epidemiologia. Cad Saúde Pública.1992;8(4):379-90.

Fleury S. Estado, Poder e Democratização da Saúde. In:Fleury, S. Saúde: Coletiva? Questionando a onipotência do social. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; 1992.

Solla JJSP. Problemas e limites da utilização do conceito de classe social em investigações epidemiológicas: uma revisão crítica da literatura. Cad Saúde Pública.1996;12(2):207-16.

Breilh J. Epidemiologia: economia, política e saúde.São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista/Hucitec; 1991.

Barreto ML. A epidemiologia, sua história e crises:notas para pensar o futuro. In: Costa DC, organizador.Epidemiologia: teoria e objeto. Säo Paulo: Hucitec;1990. p. 19-38.

Minayo MCS, Sanches O. Quantitativo-Qualitativo:Oposição ou Complementaridade? Cad Saúde Pública.1993;9(3):239-62.

Santos BS. Um discurso sobre as Ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estud av. 1988;2(2):46-71.

Kipnis B. A dimensão teórica do projeto de pesquisa.Texto Básico 2. Curso de Especialização a Distância:Política Social e Desenvolvimento Urbano. Brasília:CE AD-UnB/Universidade Corporativa CAIXA; 2006.

Turato ER. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Rev Saúde Pública. 2005;39(3):507-14.

Strauss A, Corbin J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Alves R. Filosofia da Ciência: Introdução ao jogo e as suas regras. São Paulo: Loyola; 2007.

Landim FLP, Lourinho LA, Lira RCM, Santos ZMSA.Uma reflexão sobre as abordagens em pesquisa com ênfase na integração qualitativo-quantitativa. Rev Bras Promoç Saúde. 2006;19(1):53-8.

Ianni O. Construção de categorias. Transcrição de aula dada no Curso de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica/SP;1986.

Guimarães R. Pesquisa em saúde no Brasil: contexto e desafios. Revista de Saúde Pública. 2006;40(n. esp):3-10.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.Plano Diretor de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa;2007.

Silva Júnior JB. Epidemiologia em Serviço: uma avaliação de desempenho do Sistema Nacional de Vigilância em Saúde [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2004.

Almeida Filho N. O conceito de saúde e a vigilância sanitária: notas para a compreensão de um conjunto organizado de práticas de saúde. In: Costa EA, organizador. Vigilância sanitária: desvendando o enigma. Salvador: ED UFBA; 2008. p. 19-43.

C osta E. Vigilância sanitária, saúde e cidadania. In: Campos FE, Werneck GAF, Tonon LM, organizadores.Vigilância Sanitária. Belo Horizonte: Coopmed; 2001.p. 14-27.

Costa E. Vigilância Sanitária: contribuições para o debate no processo de elaboração da agenda de prioridades de pesquisa em saúde. In: Ministério da Saúde (BR). Saúde no Brasil: contribuições para a agenda de prioridades de pesquisa. Brasília: Ministérioda Saúde; 2004. p. 127-55.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2645

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia