Atividade física e estado nutricional: fator de proteção para Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) em idosas?

Thais Reis Silva Paulo, Igor Conterato Gomes, Vanessa Ribeiro Santos, Diego Giulliano Destro Christofaro, Simone Maria Castellano, Ismael Fortes Freitas Júnior

Resumo


Objetivo: Analisar a relação da prática de atividade física e do estado nutricional com as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) em mulheres idosas. Métodos: Estudo observacional, analítico, transversal, amostra por conveniência, amostra de 367 mulheres idosas (60 anos ou mais) das cidades de Presidente Prudente-SP e Uberaba-MG, entre outubro/2010 e agosto/2012. Para identificação das DCNT, utilizou-se um questionário baseado no Standard Health Questionnaire (SHQ), o Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ), para avaliar o nível de atividade física e as variáveis antropométricas para o estado nutricional. Na análise estatística, utilizou-se o teste qui-quadrado para verificar a associação entre o nível de atividade física, segundo estado nutricional e presença de doenças cardiometabólicas, e regressão logística binária para testar a magnitude dessas associações. Resultados: Houve fator de proteção contra a hipertensão para as mulheres consideradas eutróficas ativas (p=0,024) e eutróficas sedentárias (p=0,032) quando comparadas ao grupo de risco (sedentárias e com sobrepeso/obesidade), porém o mesmo não foi observado nas com excesso de peso e consideradas ativas fisicamente (p=0,734). Houve associação positiva entre as idosas eutróficas sedentárias (p=0,047) em relação ao risco para colesterol. Quando observado, o diabetes não obteve associação em nenhum dos grupos. Conclusão: A atividade física não foi considerada como fator de proteção para hipercolesterolemia, diabetes e hipertensão, possivelmente por causa da causalidade reversa, pois, a partir do diagnóstico da doença, essas mulheres, antes sedentárias, iniciaram a prática de atividade física, contribuindo para esses resultados.

doi: 10.5020/18061230.2014.p527

Palavras-chave


Atividade Física; Doença Crônica; Saúde da Mulher; Idoso.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Gallon CW, Wender MCO. Estado nutricional e qualidade de vida da mulher climatérica. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012;34(4):175-83.

Veras RP. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Ver Saúde Pública. 2009;43(3):548-54.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Gomes IC, Segatto AFM, Santos VR, Rosa CSC, Paulo TRS, Freitas Júnior IF. Aptidão Cardiorrespiratória e Envelhecimento como Indicadores de Risco de Obesidade. Rev Bras Cardiol. 2011;24(4):23-31.

Ferreira CCC, Peixoto MRG, Barbosa MA, Silveira EA. Prevalence of cardiovascular risk factors in elderly individuals treated in the brazilian Public Health System in Goiânia. Arq Bras Cardiol. 2010;95(5):621-8.

Regidor E, Franch J, Seguí M, Serrano R, Rodríguez- Artalejo F, Artola S. Traditional risk factors alone could not explain the excess mortality in patients with diabetes: a national cohort study of older Spanish adults. Diabetes Care. 2012;35(12):2503-9.

Healy GN, Dunstan DW, Salmon J, Shaw JE, Zimmet PZ, Owen N. Television time and continuous metabolic risk in physically active adults. Med Sci Sports Exerc. 2008;40(4):639-45.

Physical Activity Guidelines Advisory Committee. Physical Activity Guidelines Advisory Committee Report 2008. [acessed on July 15 2014]. Available at: http://www.health. gov/paguidelines/committeereport.aspx

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Prim Care. 1994; 21(1):55-67.

Freitas Junior IF. Padronização de Técnicas Antropométricas. São Paulo: Cultura Acadêmica; 2009.

Castoldi RC, Moret DG, Gomes IC, Paulo TRS, Oikawa S, Freitas Júnior IF. Influência da adiposidade corporal sobre a aptidão cardiorrespiratória em mulheres idosas. Rev Bras Ciência Movimento. 2010;18(4)4:34-8.

Matsudo SM, Araújo TL, Matsudo VKR, Andrade DR, Andrade EL, Oliveira LC, Braggion G. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Atividade Física Saúde. 2001;6(2):5-18.

World Health Organization- WHO. Global recommendations on physical activity for health. WHO; 2010.

Haskell WL, Lee IM, Pate RR, et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Circulation. 2007;116(9):1081-93.

Hallal PC, Victora CG, Wells JC, Lima RC. Physical inactivity: prevalence and associated variables in Brazilian adults. Med Sci Sports Exerc. 2003;35(11):1894-900.

Ministério da Saúde (BR). Obesidade. Série Cadernos de Atenção Básica. Bras2009; 12:1-110. [acesso em 15 julho 2014]. Disponível em: http://nutricao.saude.gov. br/documentos/doc_obesidade.pdf.

Theodoro HMS, Rodrigues ADMS, Mendes KG, Liane RH, Paniz VMV, Olinto MTA. Reproductive characteristics and obesity in middle-aged women seen at an outpatient clinic in southern Brazil. Menopause. 2012;19(9):1022-8.

Jardim PCBV, Gondim MRSP, Monego ET, Moreira HG, Vitorino PVO, Souza WKSB, et al. Hipertensão arterial e alguns fatores de risco em uma capital brasileira. Arq Bras Cardiol. 2007;88(4):452-57.

Lobato NS, Akamine EH, Tostes RC, Carvalho MHC, Fortes ZB. Obesidade e hipertensão arterial. Rev Bras Hipertens. 2009;12(1)4-12.

Buchner DM. Physical activity and prevention of cardiovascular disease in older adults. Clin Geriatr Med. 2009;25(4):661–75.

Panagiotakos DB, Pitsavos C, Chrysohoou C, Skoumas I, Stefanadis C. Prevalence and five-year incidence (2001-2006) of cardiovascular disease risk factors in a Greek sample: the ATTICA study. Hellenic J Cardiol. 2009;50(5):388-95.

Sui X, Laditka JN, Hardin JW, Blair SN. Estimated functional capacity predicts mortality in older adults. J Am Geriatr Soc. 2007;55(12):1940-7.

Rana JS, Arsenault BJ, Despre´s JP, Cote M, Talmud PJ, Ninio EJ, et al. Inflammatory biomarkers, physical activity, waist circumference, and risk of future coronary heart disease in healthymen and women. Eur Heart J. 2011;32(3):336-44.

Cornelissen VA, Fagard RH. Effects of endurance training on blood pressure, blood pressure regulating mechanisms, and cardiovascular risk factors. Hypertension. 2005; 46(4):667–75.

Lakerveld J, Dunstan D, Bot S, Salmon J, Dekker J, Nijpels G, et al. Abdominal obesity, TV-viewing time and prospective declines in physical activity. Prev Med. 2011; 53(4-5):299-302.




DOI: https://doi.org/10.5020/2691

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia