Influência de informações de saúde no estilo de vida de participantes de ginástica laboral

Raquel Suelen Brito Silva, Caroline Oliveira Martins, Leonardo Rosenstiel, Camilla Natasha Floriano Ferreira, Alexandre Sérgio Silva

Resumo


Objetivo: Verificar a influência de informações de saúde no estilo de vida de participantes de ginástica laboral (GL). Métodos: Participaram 14 sujeitos de ambos os sexos, integrantes do programa de GL da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), nos quais se aplicaram, entre março e maio de 2010, avaliação antropométrica e entrevista semiestruturada. A análise quantitativa utilizou média, desvio padrão e frequências absolutas. Os dados qualitativos foram baseados na análise de conteúdo, emergindo três categorias: mudanças comportamentais na prática de exercícios físicos e alimentação, lembranças de informações repassadas na avaliação antropométrica e exercícios físicos preferidos. Resultados: Os sujeitos estavam pré-obesos (26,03 kg/m²), com risco aumentado de desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis e pré-hipertensão. Cinco aumentaram a prática de exercícios físicos (EF), cinco pretendiam passar a se exercitar, três mantiveram a prática de EF, um passou a realizar EF com seu cônjuge e, dos dois que começaram a se alimentar melhor, um não pretendia se exercitar. A caminhada foi praticada por seis indivíduos. Conclusão: A transmissão de dados salutares concisos provenientes de um programa de GL pode ter reflexos positivos no estilo de vida do colaborador, sendo a caminhada o exercício físico preferido pelos participantes investigados.


doi: 10.5020/18061230.2014.p406

Palavras-chave


Acesso à Informação; Estilo de Vida; Saúde do Trabalhador.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Schimdt DRC, Paladini M, Biato C, Pais JD, Oliveira AR. Qualidade de vida no trabalho e burnout em trabalhadores de enfermagem de Unidade de Terapia. Rev Bras Enfer. 2013;66(1):130-7.

Martins CO. Ginástica Laboral no escritório. 2ª ed. Várzea Paulista: Fontoura; 2011.

Ferracini GN, Valente FM. Presença de sintomas musculoesqueléticos e efeitos da ginástica laboral em funcionários do setor administrativo de um hospital público. Rev Dor. 2010;11(3):233-6.

Andrade PP, Veiga HMS. Avaliação dos trabalhadores acerca de um programa de qualidade de vida no trabalho: validação de escala de análise qualitativa. Psicol Ciênc Prof. 2012;32(2):304-19.

Couto PR, Paschoal T. Relação entre ações de qualidade de vida no trabalho e bem-estar laboral. Rev Psicol Argum. 2012;30(70):585-93.

Barbosa RMSP. Resenha do livro “Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo”, de Markus Vinicius Nahas. Rev Bras Ciênc Esporte. 2012;34(2).513-8.

Grande AJ, Silva J, Parra S. A. Efetividade da ginástica laboral na aptidão física estudo randomizado não controlado. Einstein (São Paulo). 2014;12(1):55-60.

Schneider VC, Carvalho SAT, Pereira CAM, Magalhães P. Avaliação Antropométrica em funcionários de uma penitenciária no município de Itirapina-SP. Alim Nutr Ararquara. 2011;22(4):593-9.

World Health Organization - WHO. Global Database of Body Mass Index - BMI classification. [acesso em 2013 Jul 2]. Disponível em: http://www.who.int/bmi/index.jsp?introPage=intro_3.html

Soares DA, Barreto SM. Sobrepeso e obesidade abdominal em adultos quilombolas, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2014;30(2): 341-354.

Sociedade Brasileira de Cardiologia/Sociedade Brasileira de Hipertensão/Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1 Supl 1):1-51.

Ferreira SRG, Moura EC, Malta DC, Sarno F. Frequência de hipertensão arterial e fatores associados: Brasil, 2006. Rev Saúde Pública. 2009;43(Supl 2):98-106.

Gondim SMG, Bendalossi PF. Uma crítica da utilização da análise de conteúdo qualitative em psicologia. Psicol Estud. 2014;19(2):191-9.

Michigan Quality Improvement Consortium. Management of overweight and obesity in the adult. Southfield: Michigan Quality Improvement Consortium; 2013.

Malta DC, Moura EC, Castro AM, Cruz DKA, Morais Neto OL, Monteiro CA. Padrão de atividade física em adultos brasileiros: resultados de um inquérito por entrevistas telefônicas, 2006. Epidemiol Serv Saúde. 2009:18(1):7-16.

Azevedo ECC, Dias FMRS, Diniz AS, Cabral PC. Consumo alimentar de risco e proteção para as doenças crônicas não transmissíveis e sua associação com a gordura corporal: um estudo com funcionários da área de saúde de uma universidade. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(5):1613-22.

Cavalcante MA. Análise da pressão arterial domiciliar e no trabalho de auxiliares de enfermagem de um hospital de ensino. Colloquium Vitae. 2009;1(2):100-8.

Costa DKR, Andrade TCS, Miranda CMM, Santos CA, Peixoto HM. Prevalência de risco cardiovascular entre trabalhadores de uma instituição de ensino superior privada. Universitas Ciências Saúde. 2012;10(1):9-14.

Sarno F, Bandoni DH, Jaime PC. Excesso de peso e hipertensão arterial em trabalhadores de empresas beneficiadas pelo programa de alimentação do trabalhador (PAT). Rev Bras Epidemiol. 2008;11(3):453-62.

Ulbrich AZ, Bertin RL, Bozza R, Stabelini Neto A, Lima GZS, Carvalho T, et al. Probability of arterial hypertension from anthropometric measures in adults. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2012;56(6): 351-7.

Sousa TF, Nahas MV, Silva DAS, Duca GFD, Peres MA. Fatores associados à obesidade central em adultos de Florianópolis, Santa Catarina: estudo de base populacional. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(2):296-309.

Bozza R, Ulbrich AZ, Lau RA, Stabelini Neto A, Mascarenhas LPG, Campos W. Associação do perímetro da cintura com o percentual de gordura e IMC em adultos de ambos os sexos de diferentes faixas etárias. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2012;10(2):29-36.

Ashwell M, Gunn P, Gibson S. Waist-to-height ratio is a better screening tool than waist circumference and BMI for adult cardiometabolic risk factors: systematic review and meta-analysis. Obes Rev. 2012;13(3):275-86.

Haun DR, Pitanga FJG, Lessa I. Razão cintura/estatura comparado a outros indicadores antropométricos de obesidade como preditor de risco coronariano elevado. Rev Assoc Méd Bras. 2009;55(6):705-11.

Queiroga MR, Papini CB, Ferreira AS, Rosolem G, Kokubun E. Efeitos da idade e dos indicadores de obesidade na pressão arterial de trabalhadores. Motriz Rev Educ Fís. 2009;15(3):631-40.

Felipe-de-Melo ERT, Silva RCR, Assis AMO, Pinto EJ. Fatores associados à síndrome metabólica em trabalhadores administrativos de uma indústria de petróleo. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(8):3443-52.

Berria J, Petroski EL, Minatto G. Excesso de peso, obesidade abdominal e fatores associados em servidores de uma Universidade Federal Brasileira. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2013;15(5):535-50.

Wendhausen A. Educação em saúde e controle da hipertensão arterial. Alcance 2001;10(2):19-23.

Ferreira SRG, Moura EC, Malta DC, Sarno F. Frequência de hipertensão arterial e fatores associados: Brasil, 2006. Rev Saúde Pública. 2009;43(Supl 2):98-106.

Spinatol IL, Monteiroll LZ, Santos ZMSA. Adesão da pessoa hipertensa ao exercício físico - uma proposta educativa em saúde. Texto & Contexto Enferm. 2010;19(2):256-264.

Ribeiro AG, Cotta RMM, Ribeiro SMR. A Promoção da saúde e a prevenção integrada dos fatores de risco para doenças cardiovasculares. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(1):7-17.

Oliveira NKR. Estágios de mudança de comportamento para a atividade física em adolescentes. Motriz Rev Educ Fís. 2012;18(1):42-54.

Silva RSB. Aderência de trabalhadoras em um programa de ginástica laboral ofertado em hospital público [dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2012.

Laing SS, Hannon PA, Talburt A, Kimpe S, Williams B, Harris JR. Increasing evidence-based workplace health promotion best practices in small and low-wage companies, Mason County, Washington, 2009. Prev Chronic Dis. 2012;9:110-86.

Candotti CT, Silva MR, Noll M, Lucchese CR. Efeito da ginástica laboral sobre a motivação para a prática regular de atividade física. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(2):485-97.

Silva RSB, Martins CO. Otimização da aderência em programas de promoção da saúde do trabalhador. Rev Mackenzie Educ Física Esporte. 2013;12(2):228-51.

Kallas DB, Batista SR. A ginástica laboral como ferramenta de educação em saúde. Col Pesquisa Educação Física. 2009;8(5):7-12.

Grande AJ, Loch MR, Guarido EA, Costa JBY, Grande GC, Reichert FF. Comportamentos relacionados à saúde entre participantes e não participantes da ginástica laboral. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2011;13(2):131-37.




DOI: https://doi.org/10.5020/2708

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia