Sintomas osteomusculares de servidores de uma universidade pública brasileira: um estudo ergonômico

Igor Larchert Mota, Milson Carvalho Quadros Júnior, Hector Luiz Rodriguez Munaro, Alba Benemérita Alves Vilela

Resumo


Objetivo: Verificar a prevalência de sintomas osteomusculares e as possíveis relações com as condições de trabalho de servidores de uma universidade pública brasileira. Métodos: Estudo transversal e analítico com 105 servidores da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), utilizando um instrumento estruturado para coleta de informações sobre organização do trabalho e perfil sociodemográfico dos participantes. Na avaliação dos sintomas musculoesqueléticos, utilizou-se o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNSO), ferramenta já validada. Na análise e interpretação dos dados, utilizou-se o Teste de Shapiro-Wilk para avaliar a normalidade dos dados, e o Teste Qui-quadrado de Pearson ou Exato de Fisher para o teste de hipóteses, com nível de significância de 5%. Resultados: Os participantes trabalharam em média 5 (±6,04) anos na UESB, tinham idade média de 39,01(± 11,03) anos e 53,3% (n=56) eram do sexo feminino. Todos apresentavam alguma dor no sistema osteomuscular. As consultas com profissionais de saúde foram mais evidentes entre os servidores administrativos do que entre os professores (p=0,04). Os regimes de trabalho (horas de trabalho) de dedicação exclusiva (DE) e 40h semanais foram correlacionados considerando os domínios do Questionário Nórdico apenas no grupo dos professores. Nos sete dias precedentes, houve diferença entre os grupos de professores (DE versus 40h) nos sintomas apresentados nos ombros (p=0,008) e parte superior das costas (p=0,004), além de cotovelo (p=0,01) e punho/mão (p=0,004) em relação à consulta com algum profissional de saúde. Conclusão: Existe uma grande prevalência de queixas musculoesqueléticas nessa amostra, independentemente de ser professor ou servidor administrativo, podendo-se relacioná-las com as condições de trabalho; ou seja, há inadequações laborais.


doi: 10.5020/18061230.2014.p341

Palavras-chave


Recursos Humanos; Sinais e Sintomas; Condições de Trabalho

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Silva LA, Secco IAO, Dalri RCMB, Araújo AS, Romano CC, Silveira SE. Enfermagem do trabalho e ergonomia: prevenção de agravos à saúde. Rev Enferm UERJ. 2011;19(2):317-23.

Hass GG, Henrique F, Demarzo MMP. Condições ergonômicas em uma unidade básica de saúde recentemente informatizada de Florianópolis – SC. ACM Arq Catarin Med. 2008;37(4):27-31.

Hamberg-van Reenen HH, Van der Beek AJ, Blatter BM, van der Grinten MP, van Mechelen W, Bongers PM. Does musculoskeletal at work predict future musculoskeletal pain? Ergonomics. 2008;51(5):637-48.

Sadeghian F, Raei M, Ntani G, Coggon D. Predictors of incident and persistent neck/shoulder pain in iranian workers: a cohort study. PLoS ONE. 2013;8(2):e57544.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Dor relacionada ao trabalho. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Martins LV, Baú LMS, Marziale MHP, Franco BAS. Exercícios físicos e seus efeitos nas queixas osteomusculares e na satisfação do trabalho. Rev Enferm UERJ. 2011;19(4):587-91.

Santos GLV, Silava IL, Cardoso F, Beresford H. Ocorrência de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho dos professores de uma instituição de ensino superior de Belém-PA. Fisioter Brasil. 2009;10(4):263-9.

Fernandes MH, Rocha VM, Fagundes AAR. Impacto da sintomatologia osteomuscular na qualidade de vida de professores. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(2): 276-84.

Darwish MA, and Al-Zuhair SZ. Musculoskeletal pain disorders among secondary school saudi female teachers. Pain Res Treat [periódico na Internet]. 2013 [acesso em 2013 Out 20]. Disponível em: http://www.hindawi.com/journals/prt/2013/878570

Motta ACS, Fernandes FLF, Cortez PJO. Percepção por professores de aspectos ergonômicos de escolas de município do sul de Minas Gerais, Brasil. Arq Bras Ciênc Saúde. 2012;37(1):14-8.

Ferreira MC. Qualidade de vida no trabalho. uma abordagem centrada no olhar dos trabalhadores. Brasília: Edições LPA; 2011.

Marques SVD, Martins G de B, Sobrinho OC. Health, labor and subjectivity: considerations about absenteeism-disease of workers at a public university. Cadernos EBAPE-BR. 2011;9(Num esp 11):668–80.

Barros ENC, Alexandre NMC. Cross-cultural adaptation of the nordic musculoskeletal questionnaire. Int Nurs Rev. 2003;50(2):101-8.

Kuorinka I, Jonsson B, Kilbom A, Vinterberg H, Biering- Sorensen F, Andersson G, et al. Standardised Nordic questionnaires for the analysis of musculoskeletal symptoms. Appl Ergon. 1987;18(3):233-7.

Pinheiro FA, Tróccoli BT, Carvalho CV. Validação do questionário nórdico de sintomas osteomusculares como medida de morbidade. Rev Saúde Pública. 2002;36(3):307-12.

Brasil. Resolução CNS nº 466 de 12 de Dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 2013 Jun 13, n. 12, Seção 1, p. 59.

Melo VF, Barros IM, Freitas NAB, Luzes R. Incidência de distúbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT), em trabalhadores do setor administrativo do instituto nacional de metrologia, qualidade e tecnologia (INMETRO), Rio de Janeiro, Brasil. Rev Saúde Física Mental. 2013;2(1):22-9.

Hugue TD, Pereira Júnior AA. Prevalência de dor osteomuscular entre os servidores administrativos da Unifebe. Rev Unifebe [periódico na Internet] 2011 [acesso em 2012 Ago 25];1(9):1-9. Disponível em: URL: http://www.unifebe.edu.br/revistadaunifebe/20112/artigo011.pdf

Coggon D, Ntani G, Palmer KT, Felli VE, Harari R, Barrero LH et al. Disabling musculoskeletal pain in working populations: Is it the job, the person, or the culture? Pain. 2013;154(6):856-63.

Suda EY, Coelho AT, Bertaci AC, Santos BB. Relationship between general level of health, musculoeskeletal pain and occurrence of burnout syndrome in college teachers. Fisioter Pesqui. 2011;18(3):270-4.

Fernandes MH, Rocha VM, Costa-Oliveira AGR da. Fatores associados à prevalência de sintomas osteomusculares em professores. Rev Salud Pública. 2009;11(2):256-67.

Branco JC, Giusti PH, Jansen K. Prevalência de sintomas osteomusculares entre professores e suas condições ergonômicas. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(1):45-51.

Yue P, Liu F, Li L. Neck/shoulder pain and low back pain among school teachers in China, prevalence and risk factors. BMC Public Health. 2012;12:789.

Carvalho AJFP, Alexandre NMC. Sintomas osteomusculares em professores do ensino fundamental. Rev Bras Fisioter. 2006;10(1):35-41.

Araújo TMB, Carvalho FM. Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: estudos epidemiológicos. Educ Soc. 2009;30(107):427-49.

Ribeiro IQB. Fatores de risco ocupacionais para dor músculo-esquelética em professores [dissertação]. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2009.

Cunha CAC. Conhecimento sobre ergonomia no âmbito acadêmico: um estudo com alunos e professores de Odontologia [tese]. Natal: Bibliografia Brasileira de Odontologia - BBO (Brasil), 2011.




DOI: https://doi.org/10.5020/2710

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia