Comorbidades e estilo de vida de idosos com tuberculose

Danieli Maria Matias Coêlho, José Machado Moita Neto, Viriato Campelo

Resumo


Objetivo: Analisar as comorbidades e o estilo de vida de idosos com tuberculose. Métodos: Realizou-se um estudo caso-controle com 48 idosos que tiveram tuberculose (TB) e 96 controles vizinhos, nos anos 2008/2009, em Teresina-PI. Coletaram-se informações demográficas, sobre comorbidades, hábitos de vida e dados clínicos através do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do município. Utilizou-se o odds ratio (OR) como medida de associação, pelo programa SPSS. Resultados: A média de idade dos casos era de 74 (+ 8,0) anos e dos controles, de 73 (+ 9,0) anos. Houve maior ocorrência do sexo masculino (52%; n=25) entre os casos (p=0,039). Com relação à moradia, 92% (n=44) dos casos de TB e 90% (n=86) dos controles moravam em casa própria, enquanto 75% (n=36) dos casos e 71% (n=68) dos controles residiam com duas a cinco pessoas (p>0,05). Nos casos, verificou-se que 52% (n=25) eram fumantes e 58% (n=28), etilistas. Entretanto, não houve associação entre os grupos. Apesar de 50% (n=24) dos casos serem hipertensos e 15% (n=7) terem diabetes mellitus ou doença cardíaca, não houve associação entre os grupos. Observou-se associação (p=0,003) entre a ocorrência de novos casos e o contato próximo com portadores de TB. Entre esses casos anteriores, 85,4% (n=41) tinham a mesma faixa de idade dos casos. Conclusão: Observou-se que fatores como comorbidades, hábitos de vida (tabagismo e alcoolismo) e condições de moradia não apresentaram diferença significativa entre os idosos que tiveram tuberculose e os controles vizinhos na mesma faixa etária.


doi: 10.5020/18061230.2014.p327

Palavras-chave


Tuberculose; Idoso; Estudos de Casos e Controles.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Barreira D, Grangeiro A. Avaliação das estratégias de controle da tuberculose no Brasil. Rev Saúde Pública 2007;41(Supl 1):4-8.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. O controle da tuberculose no Brasil: avanços, inovações e desafios. Bol Epidemiológico[periódico na Internet]. 2014 [acesso em 2014 Mai 27];44(2). Disponível em: http://www.vigilanciaemsaude.ba.gov.br/sites/default/files/Boletim-Tuberculose-2014.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde.: Especial tuberculose. Bol Epidemiológico [periódico na Internet]. 2012 [acesso em 2014 Mai 28];43. Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/upload/1337634001_Tuberculose-Boletim%20Epidemio.pdf

Ministério da Saúde (BR), DATASUS, Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil - CNES. Informações de saúde: rede assistencial: CNES - Equipes de Saúde – Piauí [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2011 [acesso em 2010 Abr 21]. Disponível em: .

Xavier MIM, Barreto ML. Tuberculose na Cidade de Salvador, Bahia, Brasil: O Perfil na Década de 1990. Cad Saúde Pública. 2007;23(2):445-53.

Montechi LN, Coêlho DMM, Oliveira CAR, Campelo V. Distribuição espacial da tuberculose em Teresina, Piauí, de 2005 a 2007. Epidemiol Serv Saúde. 2013;22(3):475-482.

Coêlho DMM, Viana, RL, Madeira CA, Ferreira LOC, Campelo V. Perfil epidemiológico da tuberculose no Município de Teresina-PI, no período de 1999 a 2005. Epidemiol Serv Saúde. 2010;19(1):33-42.

Cavalcanti ZR, Albuquerque MFPM, Campello ARL, Ximenes R, Montarroyos U, Verçosa MKA. Características da tuberculose em idosos no Recife (PE): contribuição para o programa de controle. J Bras Pneumol. 2006;32(6):535-43.

Vendramini SHF, Villa TCS, Gonzales RIC, Monroe AA. Tuberculose no idoso: análise do conceito. Rev Latinoam Enferm. 2003;11(1):96-103.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília: Diário Oficial da União, Brasília, 2006 Out 19.

Ministério da Saúde (BR), DATASUS. Informações de saúde: informações demográficas e socioeconômicas: População residente – Piauí [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde. [acesso em 2010 Mai 2]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/

Prefeitura Municipal de Teresina (PMT), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo – SEMDEC. Perfil de Teresina: Econômico, social, físico e demográfico. Teresina: Prefeitura Municipal de Teresina, 2010.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução nº. 466 de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas envolvendo seres humanos e atualiza a resolução nº 196. Diário Oficial da União, Brasília, 2012 Dez 13.

Cantalice Filho JP, Santa´anna CC, Bóia MN. Aspectos clínicos da tuberculose pulmonar em idosos atendidos em hospital universitário do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. J Bras Pneumol. 2007;33(6):699-706.

Augusto CJ, Carvalho WS, Gonçalves AD, Ceccato MGB, Miranda SS. Characteristics of tuberculosis in the state of Minas Gerais, Brazil: 2002-2009. J Bras Pneumol. 2013;39(3):357-64.

Cullinan P, Meredith SK. Deaths in adults with notified pulmonary tuberculosis 1983-5. Thorax. 1991;46(5):347-50.

Gupta D, Singh N, Kumar R, Jindal SK. Manifestations of pulmonary tuberculosis in the Elderly: A prospective observational study from North India. Indian J Chest Dis Allied Sci. 2008;50(3):263-67.

Schaaf HS, Collins A, Bekker A, Davies PDO. Tuberculosis at extremes of age. Respirol. 2010;15(5):747-63.

Chaimowicz F. Transição etária de incidência e mortalidade por tuberculose no Brasil. Rev Saúde Pública. 2001;35(1):81-7.

Conde MB, Melo FAF, Marques AMC, Cardoso NC, Pinheiro VGF, Dalcin PTR, et al. III Diretrizes para Tuberculose da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-48.

Pesut DP, Gledovic ZB, Grgurevic AD, Nagomi-Obradovic LM, Adzic TN. Tuberculosis incidence in elderly in Serbia: Key trends in socioeconomic transition. Croat Med J. 2008;49(6):807-12.




DOI: https://doi.org/10.5020/2724

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia