Promoção do uso racional de medicamentos: uma experiência na estratégia saúde da família

Tatiane de Oliveira Silva Alencar, Bruno Rodrigues Alencar, Daiana Santos da Silva, Janay Stefany Carneiro Araújo, Silvana Maria Oliveira, Rafaela Dantas de Souza

Resumo


Objetivo: Descrever as experiências sobre o uso racional de medicamentos provenientes das atividades de um programa de extensão universitária. Síntese dos dados: Desenvolveramse atividades em uma Unidade de Saúde da Família de um município baiano, no período de agosto de 2010 a agosto de 2013, com a equipe de saúde da família, usuários (adultos, idosos e gestantes), discentes e docentes de uma universidade estadual. Realizaram-se observação sistemática, visitas domiciliares, oficinas temáticas, salas de espera, eventos científicos e colaboração em pesquisa. As atividades foram desenvolvidas de modo articulado e tiveram quatro objetos: uso racional de medicamentos por idosos, dispensação racional de medicamentos na atenção básica, uso racional de medicamentos psicotrópicos, e prescrição racional de medicamentos. Conclusão: As experiências revelaram que a questão dos medicamentos não está inserida no processo de trabalho da equipe, contudo, as ações extensionistas podem ter contribuído para a reflexão sobre as práticas, bem como para o desenvolvimento de habilidades e potencialidades dos envolvidos, visando ao aprimoramento da prescrição, dispensação e uso dos medicamentos na comunidade.

doi:10.5020/18061230.2014.p575

Palavras-chave


Assistência Farmacêutica; Promoção da Saúde; Uso de Medicamentos; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Lefévre F. O medicamento como mercadoria simbólica. São Paulo: Cortez; 1991.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Aquino DS. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciênc. Saúde Coletiva 2008; 13(Sup):733-36.

Organización Mundial de la Salud. Conferencia de expertos sobre uso racional de los medicamentos. 1985, Nairobi, Kenia: OMS; 1985.

Alencar BR. Processo de trabalho no Programa Saúde da Família: um enfoque na Assistência Farmacêutica [dissertação]. Feira de Santana-BA: Universidade Estadual de Feira de Santana; 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Estimativa populacional Feira de Santana: IBGE, 2013 [cited 2013 Set 6]. Available from: URL:http://cidades. ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=291080

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec/Abrasco; 2010.

Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):319-25.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário terapêutico nacional 2010: Rename 2010. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS nº 1 de 2 de janeiro de 2015. Estabelece a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME 2014 no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) por meio da atualização do elenco de medicamentos e insumos da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Bornstein VJ, David HMSL. Contribuições da formação técnica do agente comunitário de saúde para o desenvolvimento do trabalho da equipe Saúde da Família. Trab Educ Saúde. 2014;12(1):107-28.

Luz RLSA, Cruz CF, Santos APM, Neves Neto JL, Alencar BR, Oliveira LCF, et al. Uso de benzodiazepínicos na Estratégia Saúde da Família: um estudo qualitativo. Infarma. 2014;26(2):119-26.13

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 3.916, de 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Brasília: Ministério da Saúde; 1998.

Alencar TOS, Bastos VP, Alencar BR, Freitas IV. Dispensação farmacêutica: uma análise dos conceitos legais em relação à prática profissional. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2011;32(1):89-94.

Morais TC. Estoque Domiciliar de Medicamentos: a realidade de uma Unidade de Saúde da Família [monografia]. Feira de Santana-BA: Universidade Estadual de Feira de Santana; 2012.

Ramos DC, Silva TO, Alencar BR, Freitas IV. Análise da prática do estoque domiciliar de medicamentos em um município do Estado da Bahia. Infarma. 2010;22(9/10):48-55.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC no 306, de 7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Diário Oficial da União, Brasília; 2007 Dez 10.

Ministério do Meio Ambiente (BR), Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução no 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília; 2005 Maio 4.

Alencar TOS, Machado CSR, Costa SCC, Alencar BR. Descarte de medicamentos: uma análise da prática no Programa Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(7):2157-66.




DOI: https://doi.org/10.5020/2801

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia