A rotulagem nutricional como ferramenta para a promoção do autocuidado em diabéticos

Anna Cecília Queiroz de Medeiros, Amanda Laís Pereira de Lima, Júlia da Nóbrega Silva, Luana Joselyn Silva do Nascimento

Resumo


Objetivo: Descrever o processo de elaboração e execução de oficinas sobre rotulagem nutricional, contextualizada às necessidades de pacientes diabéticos. Síntese dos dados: Realizou-se um trabalho com integrantes de um grupo de diabéticos da cidade de Currais Novos-RN. Inicialmente, fez-se uma avaliação da legislação vigente sobre rotulagem, buscando identificar pontos de impacto para o paciente diabético. Então, foram selecionados os seguintes temas: diet, light e zero; alimento integral; nomenclaturas e sinônimos para designar açúcar; ordem dos ingredientes; instruções de uso e porção/medida caseira. A seguir, elaborou-se um material de apoio visual para melhor assimilação das informações e idealizaram-se atividades de grupo, buscando oferecer vivências que permitissem trabalhar de forma mais ágil e prática alguns pontos, favorecendo a compreensão das informações. Os participantes aderiram a essas atividades, mostrando-se participativos, além de conseguirem vislumbrar a aplicação, em seu cotidiano, dos conhecimentos adquiridos. Conclusão: As oficinas contribuíram para o aprofundamento de conhecimentos e a aquisição de habilidades para lidar com o diabetes, incentivando o protagonismo dos pacientes em relação ao cuidado dietético. Diante da boa aceitação dessa iniciativa e do potencial que o tipo de informação trabalhada tem para melhorar a qualidade de vida de quem vive com diabetes, espera-se que atividades semelhantes sejam inseridas com maior frequência no repertório dos serviços de cuidado à saúde.

doi: 10.5020/18061230.2014.p568

Palavras-chave


Rotulagem de Alimentos; Educação Nutricional; Diabetes.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise da Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil/2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Gimeno SGA, Mondini L, Moraes SA, Freitas ICM. Padrões de consumo de alimentos e fatores associados em adultos de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil: Projeto OBEDIARP. Cad Saúde Pública. 2011;27(3):533-45.

Lenz A, Olinto MTA, Dias-da-Costa JS, Alves AL, Balbinotti M, Pattussi MP, et al. Socioeconomic, demographic and lifestyle factors associated with dietary patterns of women living in Southern Brazil. Cad Saúde Pública. 2009;25(6):1297-306.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Souza SMFC, Lima KC, Miranda HF, Cavalcanti FID. Utilização da informação nutricional de rótulos por consumidores de Natal, Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2011;29(5):337-43.

Nestle M, Ludwig DS. Front-of-package food labels: public health or propaganda? JAMA. 2010;303(8): 771-2.

Câmara MCC, Marinho CLC, Guilam MC, Braga AMCB. A produção acadêmica sobre a rotulagem de alimentos no Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2008;23(4):52-8.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC no 54: Regulamento Técnico Mercosul Sobre Informação Nutricional Complementar. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC no 359: Rotulagem geral de alimentos embalados. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada- RDC no 360: Informação nutricional. Brasília:Ministério da Saúde; 2003.

Ferreira AB, Lanfer-Marquez UM. Legislação brasileira referente à rotulagem nutricional de alimentos. Rev Nutr. 2007;20(1):83-93.

Lobanco CM, Vedovato GM, Cano CB, Bastos DHM. Fidedignidade de rótulos de alimentos comercializados no município de São Paulo, SP. Rev Saúde Pública.2009;43(3):499-505.

Brownell KD, Kersh R, Ludwig DS, Post RC, Puhl RM, Schwartz MB, et al. Personal responsibility and obesity: A constructive approach to a controversial issue. Health Aff. 2010;29(3):379-87.

Monteiro RA, Coutinho JG, Recine E. Consulta aos rótulos de alimentos e bebidas por freqüentadores de supermercados em Brasília, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2005;18(3):172-7.

Marins BR, Jacob SDC, Peres F. Avaliação qualitativa do hábito de leitura e entendimento: recepção das informações de produtos alimentícios. Ciênc Tecnol Aliment. 2008;28(3):579-85.

Basit A, Riaz M, Fawwad A. Improving diabetes care in developing countries: The example of Pakistan. Diabetes Res Clin Pr. 2015;107(2):224-32

Haas L, Maryniuk M, Beck J, Cox CE, Duker P, Edwards L, et al. National standards for diabetes selfmanagement education and support. Diabetes Care. 2013; 36 Suppl 1(January):S100-S108.

Cunha M, André S, Granado J, Albuquerque C, Madureira A. Empowerment and adherence to the therapeutic regimen in people with diabetes. Procedia Soc Behav Sci. 2015;171:289-93.

Chen L, Pei J-H, Kuang J, Chen H-M, Chen Z, Li Z-W, et al. Effect of lifestyle intervention in patients with type 2 diabetes: a meta-analysis. Metabolism. 2015;64(2):338-47.

Lara BR, Paiva VSF. A dimensão psicossocial na promoção de praticas alimentares saudáveis. Interface (Botucatu). 2012;16(43):1039–54.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidade das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. 1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Evert AB, Boucher JL, Cypress M, Dunbar SA, Franz MJ, Mayer-Davis EJ, et al. Nutrition therapy recommendations for the management of adults with diabetes. Diabetes Care. 2014;37(Suppl 1):120-43.

Araújo WM, Montebello NP, Botelho RBA, Borgo LA. Alquimia dos alimentos. 2ª ed. Brasília: Editora Senac; 2008.

Barreiros RC. Adoçantes nutritivos e não-nutritivos. Rev Fac Ciênc Méd Sorocaba. 2012;14(1):5-7.

Jardim ANO, Caldas ED. Exposição humana a substâncias químicas potencialmente tóxicas na dieta e os riscos para a saúde. Quim Nov. 2009;32(7):1898–909.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC no 40: Regulamento Técnico para Rotulagem Nutricional Obrigatória de Alimentos e Bebidas Embalados. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Goh Y-Y, Bogart LM, Sipple-Asher BK, Uyeda K, Hawes-Dawson J, Olarita-Dhungana J, et al. Using community-based participatory research to identify potential interventions to overcome barriers to adolescents’ healthy eating and physical activity. J Behav Med. 2009;32(5):491-502.

Oakley P, Clayton A. Monitoramento e avaliação do empoderamento [Internet]. São Paulo: Instituto Pólis; 2003 [acesso em 20/07/2014]. Disponível em: http:// www.polis.org.br/uploads/928/928.pdf

Magalhães P, Motta DG. Uma abordagem psicossocial do estado nutricional e do comportamento alimentar de estudantes de nutrição. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2012;37(2):118-32.




DOI: https://doi.org/10.5020/2841

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia