Percepção e utilização da educação em saúde para o uso racional de medicamentos por médicos

Ludmila Soares Antunes Bernardi, Celsilvana Teixeira Gomes, Ana Cácia Arcanjo Rocha, Maria Fernanda Santos Figueiredo, Luís Paulo Souza e Souza, Romerson Brito Messias, João Felício Rodrigues Neto

Resumo


Objetivo: Compreender a percepção e utilização da educação em saúde para o uso racional de medicamentos (URM) pelos médicos inseridos na atenção primária em saúde. Métodos: Tratou-se de pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, realizada em 2011, com sete médicos da Estratégia de Saúde da Família, por meio de entrevista individual semiestruturada. Dados foram analisados pela técnica de análise do conteúdo, emergindo três categorias temáticas e suas subcategorias: percepção do conceito de uso racional de medicamentos de forma parcial; percepção do conceito de educação em saúde de forma parcial; não valorização da potencialidade da utilização da educação em saúde no uso racional de medicamento. Resultados: Os resultados evidenciaram que a percepção dos médicos é fragmentada e dividida em conceitos relacionados aos profissionais, à enfermidade, ao medicamento e ao paciente e comunidade. Conclusão: A utilização da educação em saúde pelos médicos prioriza o modelo tradicional de educação em saúde, privilegiando a transmissão do conhecimento técnico-científico.

10.5020/18061230.2014.p485

Palavras-chave


Educação em Saúde; Uso de Medicamentos; Saúde da Família; Pesquisa Qualitativa.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Organización Mundial de la Salud. Perspectivas políticas sobre medicamentos de La OMS: promoción del uso racional de medicamentos-componentes centrales. Ginebra: OMS; 2002.

Ministério da Saúde (BR). Oficial de trabalho uso racional de medicamentos na perspectiva multiprofissional. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2007.

Pereira Júnior AC, Telles Filho PCP, Azevedo DSS.Automedicação: consumo, orientação e conhecimento entre acadêmicos de enfermagem. Rev Enferm UFPE.2013;7(6):4472-8.

Lage EA, Freitas MIF, Acurcio FA. Informações sobre medicamentos na imprensa: uma contribuição para o uso racional? Ciênc Saude Coletiva. 2005;10(Supl):133-9.

Gazzinelli MFC. Representações sociais da educação em saúde pelos profissionais da equipe de saúde da família. Trab Educ Saúde. 2013;11(3):553-71.

Freire P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2005.

Organización Mundial de la Salud. Punto 19 del orden del día. In: 47ª Asamblea Mundial de la Salud; 1994. Ginebra: OMS; 1994.

Silvério JB. Programa de educação permanente para médicos de família. Rev Méd Minas Gerais. 2008;18(4Supl):60-6.

Bate SP, Robert G. Knowledge Management and communities of practice in the private sector: lessons for modernising the National Health Service in England and Wales. Public Admin. 2002;80(4):643-63.

Illera JLR. Como as comunidades virtuais de prática e de aprendizagem podem transformar a nossa concepção de educação. Rev Cienc Educ. 2007;(3):117-24.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde. A educação permanente entra na roda: Polos de educação permanente em saúde: conceitos e caminhos a percorrer. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Leite SN, Vieira M, Veber AP. Estudo de utilização de medicamentos: uma síntese de artigos publicados no Brasil e América Latina. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(Supl):793-802.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2007.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70;1979.

Carácio FCC, Conterno LO, Oliveira MAC, Oliveira ACH, Marin MJS, Braccialli LAD. A experiência uma instituição pública na formação do profissional de saúde para atuação em atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(7):2133-42.

Lima GB, Nunes LCC, Barros JAC. Uso de medicamentos armazenados em domicílio em uma

população atendida pelo Programa Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Supl 3):3517-22.

Frohlich SE, Zaccolo AV, Silva SL, Mengue SS. Association between drug prescribing and quality of life in primary care. Pharm World Sci. 2010;32(6):744-51.

Pepe VLE, Castro CGSO. A interação entre prescritores,dispensadores e paciente: informação compartilhada como possível benefício terapêutico. Cad Saúde Pública. 2000; 16(3):815-22.

Ferreira DC, Souza ID, Assis CRS, Ribeiro MS. A experiência do adoecer: uma discussão sobre saúde, doença e valores. Rev Bras Educ Méd. 2014;38(2): 283-8.

Buss PM, organizador. Promoção da Saúde e Saúde Pública: contribuição para o debate entre as escolas de saúde pública na América Latina. Rio de Janeiro; 1998.178 p.

Silva FM, Goulart FC, Lazarini CA. Caracterização da prática de automedicação e fatores associados entre universitários do curso de Enfermagem. Rev Eletr Enferm. 2014;16(3):644-51.

Oenning D, Oliveira BV, Blatt CR. Conhecimento dos pacientes sobre os medicamentos prescritos após consulta médica e dispensação. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(7):3277-83.

Aquino DS. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(Supl):733-6.

D’Ávila LS, Assis LN, Melo MB, Brant LC. Adesão ao Programa de Educação Permanente para médicos de família de um Estado da Região Sudeste do Brasil.Rio de Janeiro. Ciênc Saude Coletiva. 2014;9(2):401-16.

Coutinho FHP, Sousa IMC. Percepção dos indivíduos com hipertensão arterial sobre sua doença e adesão ao tratamento medicamentoso na estratégia saúde da família. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(2):397-411.

Gazzinelli MF, Gazzinelli A, Reis DC, Penna CMM. Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiência da doença. Cad Saúde Pública. 2005;21(1):200-6.

Beckhauser GC, Souza JM, Valgas C, Piovezan AP, Galato D. Utilização de medicamentos na Pediatria: a prática de automedicação em crianças por seus responsáveis. Rev Paul Pediatr. 2010;28(3):262-8.

Masson W, Furtado PL, Lazarini CA, Conterno LO. Automedicação entre acadêmicos do curso de medicina da Faculdade de Medicina de Marília, São Paulo. Ver Bras Pesq Saúde. 2012;14(4):82-9.

Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):319-25.

Allee V. Knowledge networks and communities of practice. OD Practitioner [periódico na Internet]. 2000[acesso em 2014 Set 02];32(4):13. Disponível em: http://www.vernaallee.com/images/vaa-knowledgenetworksandcommunitiesofpractice.pdf

Marshall L. Facilitating knowledge management and knowledge sharing: new opportunities for information professionals. Online Inc. 1997;21(5):92-98.

Silva LD, Beck CLC, Dissen CM, Tavares JP, Budó MLD, Silva HS. Enfermeiro e a educação em

saúde: um estudo bibliográfico. Rev Enferm UFSM. 2012;2(2):412-9.

Costa SM, Prado MCM, Andrade TN, Araújo EPP, Silva Júnior WS, et al. Perfil do profissional de nível superior nas equipes da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(27):90-6.

Roecher S. Educação em saúde na estratégia saúde da família: o significado e a práxis dos enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2011;15(4):701-9.

Oliveira RL, Santos MEA. Educação em saúde na estratégia saúde da família: conhecimentos e práticas do enfermeiro. Rev Enferm Integrada. 2011;4(2): 833-44.

Alonso FG. Uso racional de los medicamentos. Med Clin. 1990;94(16):628-32.

Costa EM, Rabelo ARM, Lima JG. Avaliação do papel do farmacêutico nas ações de promoção da saúde e prevenção de agravos na atenção primária. Rev Cienc Farm Básica 2014;35(1):81-8.




DOI: https://doi.org/10.5020/2847

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia