Inquietações em temas antigos, sempre atuais, sobre saúde

Paula Borges Jacques, Querubina Bringel Olinda

Resumo


A Revista Brasileira em Promoção da Saúde (RBPS), ao longo de sua trajetória, escreve uma história de evolução, buscando melhorar a qualidade das suas informações. Esse é o objetivo de um veículo de informação científica: cumprir o seu papel de divulgação.Neste número, a RBPS atrai o leitor com assuntos focados na área da nutrição, do exercício físico, da saúde do trabalhador e das doenças transmissíveis, como a hanseníase e a tuberculose. Estas são doenças bem conhecidas na saúde pública, devido à existência, no passado, de programas verticais e ações horizontalizadas, como a implantação do Sistema Unificado e Descentralizado de Saúde (SUDS) e, mais tarde, do Sistema Único de Saúde (SUS). Outras modificações foram realizadas no sistema de saúde pública, determinadas pela Constituição de 1988(¹).A RBPS também traz, neste número, um artigo sobre a dengue, uma doença infecciosa, febril e aguda, com casos benignos e graves, produzida por um arbovírus do gênero Flavivirus, que, numa convivência espacial endêmica há décadas, apresentou vários anos epidêmicos no Brasil, com quatro sorotipos conhecidos: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4(²). A Revista contém, ainda, artigo sobre desconforto osteomuscular, saúde nas penitenciárias, adesão do hipertenso ao tratamento e mulheres com HIV. Portanto, está bem diversificada, com conteúdos relevantes ao meio científico e atraentes aos serviços de saúde.Pinçam-se, neste editorial, dois assuntos para uma reflexão do leitor: a tuberculose e a nutrição.A tuberculose, cujo bacilo foi identificado por Robert Koch em 1882(³) tem sido estudada há décadas no Brasil. O Ministério da Saúde adquiriu uma elogiável experiência em prevenção e controle de doenças transmissíveis. Entretanto, merece questionamento o que se fez com a longa experiência trazida pelo Programa de Prevenção e Controle da Tuberculose. Na década de 1970, houve descentralização e integração aos serviços de saúde estadual e municipal. Depois, ele foi incorporado ao Programa de Saúde da Família e aos Agentes Comunitários de Saúde.É sabido que a doença registrou, entre 2005 e 2010, somente nas capitais brasileiras, em torno de 44.864.500 casos/ano e uma taxa de incidência em torno de59 casos por 100.000 habitantes(4). Em sua retrospectiva histórica, anterior ao SUS, a doença era trabalhada baseada na vigilância epidemiológica, com taxa de incidência calculada, percentual de cura e ações para detectar, notificar, investigar, confirmar e tratar casos, além de reduzir o abandono ao tratamento. Com isso, alcançavam-se bons resultados de cura. Havia uma ação permanente sustentada, organizada e com avaliações sistemáticas nos estados e por região.A tuberculose tem uma história vivida e aprendida na rede básica; tem um passado que deve ser visto e aprimorado, nunca esquecido, para que se possa ficar livre desse mal, não só no Brasil, mas no mundo. Há poucos anos, a Organização Mundial da Saúde, juntamente com participantes de vários países e organizações não governamentais, lançaram o movimento Stop TB(5), o qual pretende atrair a atenção de líderes mundiais para a prevenção, o controle e a cura da doença. Seu plano global mais recente(6) apresenta meta de trabalho de 2011 a 2015. O movimento se iniciouem 2000 com um grande sonho: impedir a propagação da tuberculose pelo mundo, eliminando-a.Ela ocorre de modo desigual entre pobres e ricos, nos diferentes locais urbanos, bairros, favelas e em ambientes socialmente fechados, como os presídios. Também é do conhecimento dos profissionais da área a existência de fatores associados, como infecção pelo HIV, desnutrição e alcoolismo. Mas a condição necessária e indispensável para se adquiri-la é a existência do bacilo em circulação, sensível à luz solar, anaeróbico e com predileção pelos pulmões.A tuberculose terá expansão? Será que aumentarão os casos novos, a incidência nos precários aglomerados urbanos, nas capitais, principalmente as nordestinas? A saúde é o escoadouro de muitos dos complexos problemas e atropelos das políticas públicas, e a RBPS representa os muitos anseios da área na busca pela efetiva melhoria dos serviços.O segundo ponto que se extrai para reflexão deste número da RBPS é a questão do sobrepeso e da obesidade da população brasileira, incluindo adultos jovens, adolescentes e crianças. O Brasil demorou muito a acordar para uma política de educação alimentar(7). A propaganda de merenda escolar nas escolas públicas enfocando o número de refeições/dia como atrativo ao aluno parece ultrapassar a divulgação da qualidade de ensino, que é o objeto primeiro e intransferível das escolas.A alimentação das crianças e dos jovens está em desrespeito às leis nutricionais de quantidade, qualidade, harmonia e adequação dos alimentos(8). É isso que as estatísticas brasileiras exibem(7,9,10). A alimentação inadequada e abusiva forma mau hábito(9) e, posteriormente, vício alimentar. Quando acrescidos do sedentarismo, tão em voga, as consequências recaem na saúde, com o surgimento precoce de doenças crônicas. Está na hora de se rever as políticas públicas e suas estratégias, trazendo da OMS(11) para as Unidades Básicas de Saúde o espaço de prática de exercício físico com profissionais habilitados, combatendo, assim, o peso em excesso, fomentando a formação de hábito saudável e auxiliando na sociabilidade, o que, sem sombras de dúvida, serviria para reduzir a solidão e a depressão do mundo moderno.A saúde é uma constante nos comentários televisivos e na imprensa. O setor da saúde recebe os efeitos dos problemas da escassez de alimentos, da convivência com fatores climáticos, da deficiência política nacional de segurança pública e de combate às drogas, da falta de esporte nas unidades ambulatoriais e de tantos outros problemas com os quais nos deparamos diariamente. Quem se descuida nas ações de promoção da saúde e da prevenção da doença gasta muito mais com tratamento e reabilitação. O tratamento das doenças crônicas tem uma complexidade bem maior do que o das doenças transmissíveis, pois as causas são múltiplas, com mais equipamento de diagnósticos e medicamentos, dos quais o paciente faz uso por períodos prolongados, senão para sempre.A RBPS, antenada com as notícias e com a verdade científica, procura representar as inquietações da área da saúde. E este número, mais uma vez, contempla o desejado.

doi:10.5020/18061230.2013.p151

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde – departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças Infecciosas e Parasitárias: guia de bolso. 8ª. ed. revisada. 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Controle da Tuberculose: uma proposta de integração ensino-serviço. 5ª. ed. FUNASA, 2000.

http://tabnet.datasus.gov.br em 5/04/2013.

WHO. Tuberculosis (TB). Stop TB Partnership. The global plan to stop TB. In: http://www.stoptb.org/ about/ acesso em 29 de março de 2013.

The global plan to stop TB 2011-2015. WHO. http:// www.stoptb.org/assets/documents/global/plan/TB_ GlobalPlanToStopTB2011-2015.pdf acesso em 29 março de 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de alimentação e nutrição. Brasília: Ministério da Saúde;2000.

Vitolo, MR. Bortolini, GA. Feldens, CA. Impacto da implementação dos dez passos da alimentação saudável para crianças: ensaio de campo randomizado. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21(5):1448-1457, set-out, 2005.

Silva Santos, LA. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Rev. Nutr., 18(5):681-692, set./out., 2005

Brasil. II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: A construção da Política Nacional de Segurança Alimentar. Relatório final. maio 2004. Disponível em http://www.fomezero.gov.br acesso em28 de março de 2013

Organização Mundial da Saúde. Documento preliminar para a “Estratégia Global em Dieta, Atividade Física e Saúde. In: Prevenção Integrada de Doenças Não Comunicáveis, Genebra, novembro 2003 [acesso em

de março de 2013].Disponível em http://www.fomezero.gov.br




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2892

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia