Consumo de frutas e hortaliças entre usuárias de uma unidade de saúde

Cateline Machado, Doroteia Aparecida Höfelmann

Resumo


Objetivo: Identificar o consumo de frutas e hortaliças, além de fatores sociodemográficos, estilo de vida e situação de saúde das usuárias de uma Unidade de Saúde. Métodos: Estudo transversal, realizado com mulheres usuárias de uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Joinville-SC, no mês de julho de 2008. Para a coleta de dados, utilizaram-se medidas antropométricas e a aplicação de um questionário composto por questões sociodemográficas e sobre o consumo de frutas e hortaliças no dia anterior à entrevista. A ingestão em gramas e a frequência foram comparadas à recomendação da Organização Mundial da Saúde. Por meio da Regressão de Poisson, calcularam-se as razões de prevalência (RP), com intervalos de confiança de 95%. Resultados: Avaliaram-se 299 mulheres, com idade entre 26 e 84 anos. A maioria (n=226; 75,6%) apresentou excesso de peso. O consumo de frutas variou entre duas vezes ao mês e todos os dias. Mais da metade (167, 55,9%) das avaliadas relatou frequência de consumo diária e 41,1% (n=123) consumiam mais de 400g de frutas e hortaliças ao dia. A prevalência de consumo inadequado foi de 57,9% (n=173), no entanto, entre as de faixa etária mais avançada, o consumo foi mais adequado. Conclusão: Observou-se prevalência elevada de consumo insuficiente de frutas e hortaliças entre as mulheres avaliadas, sendo mais adequado nas mulheres de idade avançada. As demais variáveis investigadas não estiveram estatisticamente associadas.

doi:10.5020/18061230.2013.p173

Palavras-chave


Frutas; Verduras; Hábitos Alimentares.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Abegunde DO, Mathers CD, Adam T, Ortegon M, Strong K. The burden and costs of chronic diseases in low-income and middle-income countries. Lancet.

;370(9603):1929-38.

Harding AH, Wareham NJ, Bingham SA, Khaw K, Luben R, Welch A, et al. Plasma vitamin C level, fruit and vegetable consumption, and the risk of new-onset type 2 diabetes mellitus: the European prospective investigation of cancer--Norfolk prospective study. Arch Intern Med. 2008;168(14):1493-9.

Willett WC. Fruits, vegetables, and cancer prevention:

turmoil in the produce section. J Natl Cancer Inst.

;102(8):510-1.

Murphy MM, Barraj LM, Herman D, Bi X, Cheatham R, Randolph RK. Phytonutrient intake by adults in the United States in relation to fruit and vegetable consumption. J Acad Nutr Diet. 2012;112(2):222-9.

Nunez-Cordoba JM, Martinez-Gonzalez MA.

Antioxidant vitamins and cardiovascular disease. Curr

Top Med Chem. 2011;11(14):1861-9.

Yusof AS, Isa ZM, Shah SA. Dietary patterns and risk of colorectal cancer: a systematic review of cohort studies (2000-2011). Asian Pac J Cancer Prev.

;13(9):4713-7.

Sies H, Stahl W, Sevanian A. Nutritional, dietary and postprandial oxidative stress. J Nutr. 2005;135(5):969-

Ministério da Saúde (BR), Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição - Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

Waxman A. Prevention of chronic diseases: WHO global strategy on diet, physical activity and health. Food Nutr Bull. 2003;24(3):281-4.

Monteiro CA, MH DAB, Conde WL, Popkin BM.

Shifting obesity trends in Brazil. Eur J Clin Nutr.

;54(4):342-6.

Gittelsohn J, Wolever TM, Harris SB, Harris-Giraldo R, Hanley AJ, Zinman B. Specific patterns of food consumption and preparation are associated with diabetes and obesity in a Native Canadian community. J Nutr. 1998;128(3):541-7.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: Antropometria e Estado Nutricional de Crianças, Adolescentes e Adultos. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes Ndos S, Monteiro CA. [Household food availability in Brazil: distribution and trends (1974-2003)]. Rev Saude Publica.

;39(4):530-40.

Reis DM, Pitta DR, Ferreira HM, Jesus MC, Moraes

ME, Soares MG. Health education as a strategy for the promotion of oral health in the pregnancy period]. Cien

Saude Colet. 2010;15(1):269-76.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Cidades: 2011. Brasília; 2010.

Jaime PC, Monteiro CA. Fruit and vegetable intake by

Brazilian adults, 2003. Cad Saude Publica. 2005;21

Suppl:19-24.

Pinheiro A, Lacersa E, Benezecry E, Gomes M, Costa V. Tabela para avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. Rio de Janeiro: 1993.

Philipp ST LA, Cruz ATR, Ribeiro LC. Pirâmide Alimentar Adaptada: Guia para escolha dos alimentos. Rev Nutr. 1999;12(1):65-80.

Waxman A. WHO global strategy on diet, physical activity and health. Food Nutr Bull. 2004;25(3):292-

World Health Organization, WHO. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation. World Health Organ Tech Rep Ser.

;894:i-xii, 1-253.

Han TS, van Leer EM, Seidell JC, Lean ME. Waist circumference action levels in the identification of cardiovascular risk factors: prevalence study in a random sample. BMJ. 1995;311(7017):1401-5.

Peixoto MR, Monego ET, Alexandre VP, Souza RG, Moura EC. Surveillance of risk factors for chronic diseases through telephone interviews: experience in Goiania, Goias State, Brazil. Cad Saude Publica.

;24(6):1323-33.

Neutzling MB, Rombaldi AJ, Azevedo MR, Hallal PC. Factors associated with fruit and vegetable intake among adults in a southern Brazilian city. Cad Saude Publica. 2009;25(11):2365-74.

Giugliano R, Shrimpton R, Arkcoll D, Giugliano L, Petrere JM. Diagnóstico da realidade alimentar e nutricional do Estado do Amazonas. Rev Acta Amazônica. 1978;8(Supl 2):36-41.

Bleil S. O Padrão alimentar ocidental:considerações sobre a mudança de hábitos no Brasil. Cad Debate.

;6(1):20-5.

Brasil P. Consumo de frutas no Brasil está abaixo do recomendado pela OMS, mostra pesquisa. 10:30 - Portal Brasil. Brasília: Agência Brasil, 2011. vol. 2012.

Ramalho R, Saunders C. O papel da educação nutricional no combate às carências nutricionais Rev Nutr. 2000;13(1):11-6.

Silva C. Consumo de frutas e hortaliças e conceito de alimentação saudável em adultos de Brasília. Universidade Federal de Brasília, 2011.

Pearson T, Russell J, Campbell MJ, Barker ME. Do ‘food deserts’ influence fruit and vegetable consumption?--A cross-sectional study. Appetite. 2005;45(2):195-7.

Najas MS, Andreazza R, de Souza AL, Sachs A, Guedes AC, Sampaio LR, et al. [Eating patterns among the elderly of different socioeconomic groups living in a urban area of southeastern Brazil]. Rev Saude Publica.

;28(3):187-91.

Morimoto JM, Latorre Mdo R, Cesar CL, Carandina L, Barros MB, Goldbaum M, et al. [Factors associated with dietary quality among adults in Greater Metropolitan Sao Paulo, Brazil, 2002]. Cad Saude Publica. 2008;24(1):169-78.

Vieira AC, Alvarez MM, de Marins VM, Sichieri R, da Veiga GV. [Accuracy of different body mass index reference values to predict body fat in adolescents]. Cad Saude Publica. 2006;22(8):1681-90.

Thompson FE, Midthune D, Subar AF, McNeel T, Berrigan D, Kipnis V. Dietary intake estimates in the National Health Interview Survey, 2000: methodology, results, and interpretation. J Am Diet Assoc.

;105(3):352-63; quiz 487.

Colaço J. Novidade, variedade e quantidade: os encontros e desencontros nas representações do comer em praças de alimentação em shopping-centers. Mneme Rev Virt Human. 2004;4(9):1-31.

Bingham SA. Limitations of the various methods for collecting dietary intake data. Ann Nutr Metab.

;35(3):117-27.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2901

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia