Percepção de atores sociais responsáveis pela gestão de resíduos sólidos no contexto da dengue

Martha Suellen de Lacerda Miranda, Andrea Caprara, Ana Carolina Rocha Peixoto, Cyntia Monteiro Vasconcelos Motta, Rafaela Pessoa Santana

Resumo


Objetivo: Analisar a percepção de atores sociais responsáveis pela gestão de resíduos sólidos no município de Fortaleza-CE, Brasil, no contexto da dengue. Métodos: Trata-se de uma pesquisa inserida em um estudo multicêntrico, descritiva, exploratória e qualitativa, realizada no período de outubro a novembro de 2010. Coletaram-se os dados por meio de entrevistas abertas com os representantes da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Controle Urbano, as quais receberam análise de conteúdo. Resultados: Evidenciaram-se as seguintes categorias: características das instituições; hábito do mau acondicionamento; importância da multidisciplinaridade; possíveis soluções. Há uma complexidade sociocultural relacionada ao mau acondicionamento do lixo, sendo necessário maior envolvimento multidisciplinar. Conclusão: As percepções desses atores refletem que a população, independentemente do fator econômico, possui o hábito de descarte inadequado do lixo, com o agravamento da falta de estrutura para trânsito dos caminhões de coleta, sendo possível verificar a complexa relação entre dengue e lixo, a qual depende de mudança de hábitos, educação e investimentos governamentais.


doi:10.5020/18061230.2013.p233

Palavras-chave


Dengue; Resíduos Sólidos; Percepção.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Suarez MR, Olarte SMF, Ana MFA, Gonzáles UC.Is what I have just a cold or is it dengue? Addressing the gap between the politics of dengue control and daily life in Villavicencio-Colombia. Soc Sci Med. 2005;61(2):495–502.

Teixeira MG, Costa MCN, Barreto F, Barreto ML.Dengue: twenty-five years since reemergence in Brazil. Cad Saúde Pública. 2009;25(1):7-18.

Heukelbach J, Oliveira FA, Kerr-Pontes LR, Feldmeier H. Risk factors associated with an outbreak of dengue fever in a favela in Fortaleza, north-east Brazil. Trop Med Int Health. 2001;6:635-42.

Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (BR). Informe Semanal: Dengue 2011, 2 Fev 2011.

Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (BR). Informe Semanal: Dengue 2009 [acesso em 2012 Dez 12]. Disponível em: www.saude.ce.gov.br.

Combina VMV. Determinación del nivel de conocimiento sobre dengue en alumnos de escuelas municipales de la ciudad de Córdoba, Argentina. Perspectivas para la prevención. Rev Salud Púb.2008;2(1):37-51.

Coutiño BL. Concepciones culturales sobre el dengue em contextos urbanos de México. Rev Saúde Pública.2006;40(1):126-33.

Mondini A, Chiaravalloti Neto F, Sanches MG, Lopes JCC. Análise espacial da transmissão de dengue em cidade de porte médio do interior paulista. Rev Saúde Pública. 2005;39(3): 444-51.

Mendonça FA, Sousa AV, Dutra DA. Saúde Pública,urbanização e dengue no Brasil. Soc Nat. 2009,21(3):257-69.

Penna, MLF. Um desafio para a saúde pública brasileira: o controle do dengue. Cad Saúde Pública.2003;19(1):305-9.

Caregnato FF, Fetzer LO, Weber MA. Guerra T.Educação Ambiental como estratégia de prevenção à dengue no bairro do Arquipélago, Porto Alegre, RS, Brasil. Rev Bras Bioc. 2008;6:131-6.

Coelho GE. Dengue: desafios atuais. Epidemiol Serv Saúde. 2008;17(3):231-3.

Tauil PL. Aspectos críticos do controle do dengue no Brasil. Cad Saúde Pública. 2002;18(3):867-71.

Flauzino RF, Santos RS, Oliveira RM. Indicadores socioambientais para vigilância da dengue em nível local. Saúde Soc. 2011;20(1):225-240.

Ministério da Saúde (BR). Saúde no Brasil: contribuições para a Agenda de Prioridades de Pesquisa. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Mertens F. Abordagem ecossistêmica em saúde:ensaios para o controle do dengue. Cad Saúde Públ.2007;23(3):734-6 .

Lebel J. Salud: un enfoque ecosistemico. Bogotá: Alfaomega; 2005.

Boischio A, Sanchez A, Orosz Z, Charron D. Health and sustainable development: challenges and opportunities of ecosystem approaches in the prevention and controlof dengue and Chagas disease. Cad Saúde Públ.2009;24:149-54.

Piovesan A, Temporini ER. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Rev Saúde Públ.1995;29(4):318-25.

Chizzotti A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 5ªed. São Paulo: Cortez; 2001.

Bardin L. Análise de conteúdo. 3ª ed. Lisboa: Edições 70; 2004.

Ministério da Saúde (BR). Resolução CNS nº 196.Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde;1996. Diário Oficial da União; n. 201; 1996; Out 16.

Política Nacional de Resíduos Sólidos - Lei 12305/10 [acesso em 2012 Jan 1]. Disponível em: http://www. jusbrasil.com.br/legislacao/1024358/politica-nacional- de-residuos-solidos-lei-12305-10.

Brasil. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 [acesso em 2011 Dez 27]. Disponível em:http:// www.coletasolidaria.gov.br/menu/legislacao/ menu/legislacao/Lei%2011%20445-07%20-%20SANEAMENTO.pdf.

Ribeiro H, Besen GR. Panorama da coleta seletiva no Brasil: desafios e perspectivas a partir de três estudos de caso. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente. 2007;2(4):1-18.

Hirama AM, Silva SS. Coleta seletiva de lixo: uma análise da experiência do município de Maringá – PR. Revista Tecnológica. 2009;18:11-24.

Brasil. Decreto No 5.940, de 25 de outubro de 2006 [acesso em 2011 Dez 23]. Disponível em http:// www.coletasolidaria.gov.br/menu/legislacao/menu/ legislacao/DECRETO%205%20940.pdf.

Brasil. Resolução Nº 416, de 30 de Setembro de 2009 [acesso em 2012 Jan 3]. Disponível em: http://www. cntdespoluir.org.br/Downloads/res41609.pdf..

Almeida-Filho N, Coutinho D. Causalidade, contingência, complexidade: o futuro do conceito de risco. Physis. 2007;17(1):95-137.

Camargo M. A Reprodução Social da Saúde: referências ao processo de trabalho em Serviço Social em uma residência integrada em saúde. Rev Textos Contextos Porto Alegre. 2007;6(1):81-92.

Carvalho SR, Gastaldo D. Promoção à saúde e empoderamento: uma reflexão a partir das perspectivas crítico-social pós-estruturalista. Ciênc Saúde Coletiva.2008;13(Supl 2):2029-40.

Carvalho SR. Saúde coletiva e promoção da saúde:sujeito e mudança. São Paulo: Hucitec; 2005.

Rego RCF, Barreto ML, Killinger CL. O que é lixo afinal? Como pensam mulheres residentes na periferia de um grande centro urbano. Cad Saúde Pública.2002;18(6):1583-92.

Tavares C, Freire IM. “Lugar do lixo é no lixo”: estudo de assimilação da informação. Ci Inf. 2003;32(2):125-35.

Catapreta CAA, Heller L. Association between household solid waste collection and health. Rev Panam Salud Publica. 1999;5(2):88-96.

Compromisso Empresarial para Reciclagem (CEMPRE) 2010. Política Nacional dos Resíduos Sólidos “Agora é Lei”, 2010 [acesso em 2011 Jul 10]. Disponível em: http://www.cempre.org.br.

Gubler DJ. Aedes aegypti and Aedes albopictus. Borne disease control in the 1990’s: top down or bottom up. Am J Trop Med Hyg. 1989;40:571-8.

Claro LBL, Tomassini HCB, Rosa MLG. Prevenção e controle do dengue: uma revisão de estudos sobre conhecimentos, crenças e práticas da população. Cad Saúde Públ. 2004; 20(6):1447-57.

Catão RC, Guimarães RF, Carvalho-Junior AO, Trancoso RA. Análise da distribuição do dengue no distrito federal. Espaço & Geografia. 2009;12(1):81-103

Santos SL, Cabral ACSP, Augusto LGS. Conhecimento, atitude e prática sobre dengue, seu vetor e ações de controle em uma comunidade urbana do Nordeste. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(Supl 1):1319-30.

Baglini V, Favarro EA, Ferreira AC, Chiaravalloti Neto F, Mondini A, Dibo MR, et al. Atividades de controle do dengue na visão de seus agentes e da população atendida, São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Públ. 2005; 21(4): 1142-52.

Toledo ME, Vanlerbergue V, Baly A, Ceballos E, Valdes L, Searret M, et al. Towards active community participation in dengue vector control: results from action research in Santiago de Cuba, Cuba. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2007;101(1):56-63.

Lenzi MF, Carmello-Coura L, Grault CE, Val MB.Estudo do dengue em área urbana favelizada no Rio de Janeiro: considerações iniciais. Cad Saúde Públ.2000;16(3):851-6.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2909

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia