Prevalência de desconforto osteomuscular e fatores associados em estudantes universitários

Monique de Sousa Paixão, Rafael Miranda Tassitano, Gisela Rocha de Siqueira

Resumo


Objetivo: Analisar a prevalência e os fatores associados à dor osteomuscular em estudantes universitários. Métodos: Estudo descritivo transversal, com amostra representativa (n= 527) selecionada a partir de conglomerado em dois estágios, considerando a proporção de estudantes por curso e período. A variável dependente - a dor osteomuscular - recebeu avaliação por meio de questionário. As variáveis independentes foram divididas em fatores socioeconômicos relacionados à instituição, comportamentos de saúde e percepção de saúde. Houve tabulação dos dados no EpiData 3.1 e posterior análise no SPSS 12.0, através dos testes de qui-quadrado e Teste t de Student, mantendo-se p<0,05. Para a regressão logística, foi considerada como dependente a dor, sendo as demais variáveis ajustadas. Resultados: A região torácica apresentou a maior média de intensidade da dor (6,23), seguida pela lombar (5,85) e cervical (5,80). O desconforto foi mais prevalente nas mulheres, com percepção negativa de saúde por passarem mais tempo sentadas. Observou-se, ainda, uma maior prevalência entre os estudantes da área de saúde quando comparados aos da área de humanas. Conclusão: O resultado indicou as regiões torácica, lombar e cervical com maiores intensidades de dor referida. Os fatores associados foram o sexo, a área do curso e o calçado, influenciando a percepção de saúde.



doi:10.5020/18061230.2013.p242

Palavras-chave


Sistema Musculoesquelético; Dor; Estudantes; Epidemiologia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Teixeira MJ, Yeng LT, Kaziyama HH. DOR Síndrome dolorosa miofascial e dor músculo-esquelética. 1ª ed. São Paulo: Roca; 2006.

Palmer ML, Epler ME.. Fundamentos das técnicas de avaliação musculoesquelética. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000.

Herbert S, Xavier R. Ortopedia e Traumatologia: Princípios e Prática. 3ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas;2003.

Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor - SBED [texto na internet]. Impactos da dor. 2005 [acesso em 2011 Jul 4]. Disponível em: http://www.dor.org.br/publico/impactos.asp

Miranda E. Bases de anatomia e cinesiologia. 2ª ed.Rio de Janeiro: Sprint; 2000.

Feuerstein M, Huang GD. Preventing disability in patients with occupational musculoskeletal disorders.8a ed. Am. Pain Soc. Bull. 1998;8:9-11.

Santos FSB, Barreto SM. Atividade ocupacional e prevalência de dor osteomuscular em cirurgiões- dentistas de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: contribuição ao debate sobre os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Cad. Saúde Pública. 2001;17(1):181-93.

Constant I, Bonnet F. Consequências fisiopatológicas da dor pós-operatória. In: Bonnet F. A dor no meio cirúrgico. Porto Alegre: Artes Médicas; 1993.p. 71-84.

Picoloto D, Silveira E. Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma indústria metalúrgica de Canoas – RS. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(2):507-16.

Höfelmann DA, Blanck N. Auto-avaliação de saúde entre trabalhadores de uma indústria no sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2007;41(5):777-87.

McCaffery B. Pain; Clinical Manual for Nursing Practice. St Louis: Mosby; 1989.

Lin TY, Teixeira MJ, Romano MA, Picarelli H, Settimi MM, Greve JMDA. Distúrbios ósteo-musculares relacionados ao trabalho. Rev Med. 2002;2:422-42.

Walsh IAP, Oishi J, Coury HJCG. Aspectos clínicos e funcionais de distúrbios músculo-esqueletais entre trabalhadores ativos. Rev Saúde Pública.2008;42(1):108-16.

Cailliet R. Dor: Mecanismos e Tratamento. Porto Alegre: Artmed; 1999.

Salim CA. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo Perspect. 2003;17(1):11-

Maciel ACC, Fernandes MB, Medeiros LS. Prevalência e fatores associados à sintomatologia dolorosa entre profissionais da indústria têxtil. Rev Bras Epidemiol [periódico na internet] 2006 [acesso em 2011 Jul 1].9(1):94-102.

Brandão AG, Horta BL, Tomasi E. Sintomas de distúrbios osteomusculares em bancários de pelotas e região: prevalência e fatores associados. Rev Bras Epidemiolog. 2005;8(3):295-305.

Frey C. Foot health and shoewear for women. Clinical Orthopaedics. 2000;372:32-44.

Albuquerque FMO; Silva EB. Saltos altos e artralgias nos membros inferiores e coluna lombar. Fisioter Bras 2003; 5(1):18-21.

Santos JOL. Frequência de uso do calçado de salto alto e dores nos pés em mulheres. Rev Unesp [periódico na internet]. [acesso em 2011 Jul 3] XII Congresso Brasileiro de Biomecânica 2007. p.1501-6. Disponível em: http://www2.rc.unesp.br/eventos/educacao_fisica/ biomecanica2007/upload/227-1-B-Joao%20Otacilio% 20Libardoni%20dos%20Santos%202.pdf.

Santos JOL, Nazario PF, Avila AOV. O uso do calçado de salto alto e o desconforto nos pés de mulheres. Rev Tecnicouro [periódico na internet] 2007 [acesso em 2011 Jul 5]. 228(6):50-3 Disponível em: http://www. tecnicouro.com.br/228/materias/228_ac.pdf

Almeida ICGB, Sá KN, Silva M, Baptista A, Matos MA, Lessa I. Prevalência de dor lombar crônica na população da cidade de Salvador. Rev Bras Ortop.2008;43(3):96-102.

Magnago TSBS, Lisboa MTL, Souza E, Moreira MC.Distúrbios musculo-esqueléticos em trabalhadores de enfermagem: associação com condições de trabalho. Rev Bras Enferm. 2007;60(6):701-705.

Barros M, Markus VN, et al. Estilo de vida e hábitos de lazer dos trabalhadores das indústrias brasileiras: relatório geral – Brasília: SESI/DN, 2009.

Becker Jr. B. Manual de psicologia do esporte & exercício. Porto Alegre: Novaprova; 2000.

Alencar JF, Coury HJCG, Oishi J. Aspectos relevantes no diagnóstico de DORT e fibromialgia. Rev Bras Fisioter. 2009;(13)1: 52-8.

Gabriel MRS, Petit JD, Carriel MLS. Fisioterapia em Traumatologia, Ortopedia e Reumatologia. Rio de Janeiro: Revinter; 2001.

Salter RB. Distúrbios e Lesões do Sistema Musculoesquelético. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001.

Martinez JE, Santos BZC, Fasolin RP, Gianini RJ. Perfil de pacientes com queixa de dor músculo-esquelética em unidade básica em Sorocaba. Rev Bras Clin Med.2008;6:167-171.




DOI: https://doi.org/10.5020/2910

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia