Fatores de proteção para a amamentação na primeira hora de vida

Thuany Küster Will, Joyce Ghisolf Arndt, Gabrielle Guidoni Torres, Juliana Rodrigues de Andrade, Taísa Sabrina Silva Pereira, Maria Del Carmem Bisi Molina

Resumo


Objetivo: Identificar os fatores associados à amamentação na primeira hora (APH) de vida dos filhos de gestantes cadastradas nas Unidades de Saúde da Família (USF) de Vitória- ES. Métodos: Estudo longitudinal, observacional e descritivo. Foram coletados dados socioeconômicos e de saúde das gestantes no terceiro trimestre de gestação, cadastradas em USF, em visita domiciliar entre outubro e dezembro de 2009. Após 30 dias do parto, uma nova visita foi realizada para a coleta de dados sobre as condições de nascimento e amamentação da criança. Calculou-se a prevalência de APH e analisou-se segundo variáveis socioeconômicas e de saúde, utilizando o teste do qui-quadrado ou exato de Fisher. Os fatores associados foram identificados na regressão logística multivariada. Resultados: Obtiveram- se dados de 169 puérperas e seus respectivos bebês. A prevalência de APH foi de cerca de 63% (107). Encontrou-se associação estatística significante entre APM e tipo de parto (p=0,007), alojamento conjunto (p<0,001), escolaridade materna (p=0,03), receio/medo de amamentar (p=0,06) e grau de instrução do chefe (p=0,02). Conclusão: As variáveis que se mantiveram associadas à APH foram parto vaginal e alojamento conjunto. A APH deve ser incentivada nas maternidades, principalmente em alojamentos conjuntos, pois pode impactar positivamente no tempo total de amamentação.


doi:10.5020/18061230.2013.p274

Palavras-chave


Aleitamento Materno; Período Pós-Parto, Alojamento Conjunto; Parto

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


World Health Organization - WHO. Infant and young child feeding: model chapter for textbooks for medical students and allied health professionals. Geneva; 2009.

Ministério da Saúde (BR). II Pesquisa de prevalência de aleitamento materno nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Boccolini CS, Boccolini PMM, Carvalho ML, Oliveira MIC. Padrões de aleitamento materno exclusivo e internação por diarréia entre 1999 e 2008 em capitais brasileiras. Ciênc. saúde coletiva. 2012;17(7):1857-63.

Castro RA, Oliveira EM, Botelho ACF. Aleitamento materno em área de abrangência de programa de saúde da família. Rev Bras Promoç Saúde. 2009;22 (1):30-5.

Caminha MFC, Filho MB, Serva VB, Arruda IKG, Figueiroa JN, Lira PIC. Tendências temporais e fatores associados à duração do aleitamento materno em Pernambuco. Rev Saúde Pública. 2010;(44):240-8.

Widström AM, Wahlberg V, Matthiesen AS, Eneroth P, Urnas-Moberg K,Werner S, et al. Short term effects of early suckling and touch of the nipple on maternal behavior. Early Hum Dev. 1990;(21):153-63.

Organização Mundial da Saúde - OMS, Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS. Manejo e promoção do aleitamento materno: curso de 18 horas para equipes de maternidades. Nova York; 1993.

Ricci SS. Enfermagem Materno neo-natal e saúde da mulher. Rio de Janeiro. 1ª ed. Guanabara Koogan;2008.

Zieguel EE, Cranley MS. Enfermagem Obstétrica. Rio de Janeiro. 8ª Ed. Guanabara Koogan; 1985.

Lacava RMVB, Goldman RE, Vieira ES. Cuidados imediatos ao recém-nascido. In: Barros SMO, Marin HF, Abrão ACFV, organizadoras. Enfermagem obstétrica e ginecológica: guia para a prática assistencial. São Paulo: Roca; 2002. p. 231-41.

Cruz CSD, Sumam NS, Spíndola T. Os cuidados imediatos prestados ao recém – nascido e a promoção do vínculo mãe-bebê. Rev Esc Enferm-USP.2007;(41):690-7.

Pillegi MC, Policastro A, Abramovici S, Cordioli E, Deutsch AD’A. A amamentação na primeira hora de vida e a tecnologia moderna: prevalência e fatores limitantes. Einstein. 2008; (6):467-72.

Caldeira AP, Goulart EM. A situação do aleitamento materno em Montes Claros, Minas Gerais: estudo de uma amostra representativa. J.Pediatria. 2000;(76):65-72.

Chaves RG, Lamounier JA, César CC. Fatores associados com a duração do aleitamento materno. J Pediatria 2007;(83):241-6.

Aba, Anep, Abipeme. Critério de classificação econômica Brasil - 2008. (ABA – ABIPEM). [citado 2012 jul. 10] Disponível em: URL: http: /www.abep. org/novo/FileGenerate.ashx?id=250

Silveira RB, Albernaz E, Zuccheto LM. Fatores associados ao início da amamentação em uma cidade do sul do Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant.2008;(8): 35-43.

Weiderpass E, Barros FC, Victora CG, Tomasi E, Halpern R. Incidência e duração da amamentação conforme o tipo de parto: estudo longitudinal no sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 1998;(32):225-31.

Blyth RJ, Creedy DK, Dennis CL, Moyle W, Pratt J, DeVries SM, Healy GN. Breastfeeding duration in an Australian population: the influence of modifiable antenatal factors. J Hum Lact. 2004;(20):30-8.

BRASIL, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher. Brasília; Ministério da Saúde;2008.

Figueredo SF, Mattar MJG, Abrao ACFV. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: uma política de promoção,proteção e apoio ao aleitamento materno. Acta PaulEnferm. 2012:25 (3):459-63.

Sampaio PF, Moraes CL, Reichenheim ME, Oliveira ASD, Lobato G. Nascer em Hospital Amigo da Criança no Rio de Janeiro, Brasil: um fator de proteção ao aleitamento materno?. Cad Saúde Pública. 2011;27(7):1349-61.

Narchi, NZ, Fernandes RAQ, Gomes MMF, Queiroz ML, Higasa DN. Análise da efetividade de um programa de incentivo ao aleitamento materno exclusivo em comunidade carente na cidade de São Paulo. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005;(5):87-92.

Narchi NZ, Fernandes RAQ, Dias LA, Novais DH. Variáveis que influenciam na manutenção do aleitamento materno exclusivo. Rev Esc enferm-USP.2009;(43):87-94.

Almeida S, Bettiol H, Barbieri MA, Silva AAM, Ribeiro VS. Signifi cant differences in cesarean section rates between a private and a public hospital in Brazil. Cad Saude Publica. 2008; (24):2909-18.

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MIC, Leal MC, Carvalho MS. Fatores que interferem no tempo entre o nascimento e a primeira mamada. Cad Saude Publica.2008;(24): 2681-94.

Boccolini CS, et al. Factors associated with breastfeeding in the fi rst hour of life. Rev Saúde Pública. 2011;(45):69-78.

D’Orsi E, Chor D, Giffin K, Ângulo-Tuesta A, Barbosa GP, Gama AS, et al. Qualidade da atenção ao parto em maternidades do Rio de Janeiro. Rev Saude Publica.2005; (39): 646-54.

Weiderpass E, Barros FC, Victora CG, Tomasi E, Halpern R. Incidência e duração da amamentação conforme o tipo de parto: estudo longitudinal no sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 1998; (32):225-31.

Horta BL, Victora CG, Gigante DP, Santos J, Barros FC. Duração da amamentação em duas gerações. Rev. Saúde Pública. 2007;(41):13-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2917

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia