Prevalência de dislipidemia e sua relação com consumo de oxigênio entre servidores públicos

William Amorim, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira, Michelle Silveira Breguez, Paulo Roberto dos Santos Amorim, João Carlos Bouzas Marins

Resumo


Objetivo: Determinar a prevalência de dislipidemia em servidores públicos e sua relação com o consumo máximo de oxigênio (VO2máx). Métodos: Estudo transversal, realizado em 2010, com 107 servidores técnico-administrativos de uma universidade, através de medidas antropométricas (estatura e peso), teste de esteira submáximo para avaliação do parâmetro cardiorrespiratório (VO2máx), coleta de colesterol total (CT) e triglicerídeos (TG). Utilizouse, no tratamento estatístico dos dados, a análise descritiva, o cálculo das prevalências de CT, TG e VO2máx, a correlação de Pearson e o teste t de Student não pareado. Resultados:A amostra final compreendeu 101 servidores (46,6 + 10,4 anos). Os avaliados obtiveram média de CT 197+ 40,2mg/dl, com 51 (50,5%) apresentando valores limítrofes e “altos”, e média de TG 121+66,6mg/dl, com 25 (24,8%) valores limítrofes e “altos”. O VO2máx de 56 (55,5%) avaliados foi classificado como “Bom” e 37 (36,6%) como “Excelente”. Os homens obtiveram correlação estatisticamente significante apenas entre TG e VO2máx (r = - 0,45; p<0,01), enquanto, entre as mulheres, a correlação foi do CT com VO2máx (r = - 0,37; p<0,05). Conclusão: A prevalência de dislipidemias se mostrou elevada na população estudada, principalmente entre o sexo masculino. Encontrou-se uma correlação inversa entre as variáveis TG e VO2máx nos homens e entre CT e VO2máx nas mulheres. Contudo, as variáveis em questão obtiveram uma relação regular nos servidores avaliados
Descritores: Colesterol; Triglicerídeos; Consumo de Oxigênio; Doenças Cardiovasculares.


doi:10.5020/18061230.2013.p290

Palavras-chave


Colesterol; Triglicerídeos; Consumo de Oxigênio; Doenças Cardiovasculares.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Sposito AC, Caramelli B, Fonseca FAH, Bertolami MC,Afiune Neto A, Souza AD, et al. IV Diretriz brasileira sobre dislipidemias e prevenção da aterosclerose: Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileirade Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2007;88 (Supl 1):2- 19.

Coelho VG, Caetano LF, Liberatore Júnior RR, Cordeiro JA, Souza DRS. Perfil lipídico e fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes de medicina. Arq Bras Cardiol. 2005;85(1):57-62.

Santos RD. III Diretrizes brasileiras sobre dislipidemias e diretriz de prevenção da aterosclerose do departamento de aterosclerose da sociedade brasileira de cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2001;77(Supl 3):1-48.

Moreira OC, de Oliveira CEP, Teodoro BG, Souza GC, Lizardo FB, dos Santos LA, et al. Fatores de risco de doença cardiovascular em técnicos administrativos da Universidade Federal de Viçosa. Bioscience Journal.2009;25(5):133-40.

Moura BP, Moreira OC, Nunes N, Marins JCB.Prevalência de Fatores de Risco Coronariano em Praticantes de Atividades Aeróbicas no Campus da Universidade Federal de Viçosa-MG. Arq ciências saúde UNIPAR. 2009;12(3):213-19.

Gus I, Fischmann A, Medina C. Prevalência dos fatores de risco da doença arterial coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arq Bras Cardiol. 2002;78(5):478-83.

Prado ES, Dantas EHM. Efeitos dos exercícios físicos aeróbio e de força nas lipoproteínas HDL, LDL e lipoproteína (a). Arq Bras de Cardiol. 2002;79(4):429-33.

Guedes DP, Gonçalves LAV. Impacto da prática habitual de atividade física no perfil lipídico de adultos; Impact of the habitual physical activity on lipid profile in adults. Arq bras endocrinol metab. 2007;51(1):72-8.

Stabelini Neto A, Bozza R, Ulbrich AZ. Fatores de risco para aterosclerose associados à aptidão cardiorrespiratória e ao IMC em adolescentes; Atherosclerotic risk factors associated with cardiorespiratory fitness and BMI in adolescents. Arq bras endocrinol metab. 2008;52(6):1024-30.

Antonopoulos S. Third report of the National Cholesterol Education Program (NCEP) expert panel on detection, evaluation, and treatment of high blood cholesterol in adults (Adult Treatment Panel III) final report. Circulation. 2002;106(3143):3421.

Nizzo W, Meres Filho MA, Cardoso AM, Fortes MSR, Silva MAG, Dantas EHM. Efeitos da continuidade do treinamento da hidrocinesioterapia sobre o perfil lipídico, a composição corporal eo VO2máx de mulheres ativas na pós-menopausa; Effects of the continuation of hydrotherapy training on the lipids profile, body composition and VO2max in active and post-menopausal women. Fisioter Bras. 2008;9(2):112-8.

Chomistek AK, Chasman DI, Cook NR, Rimm EB, Lee IM. Physical activity, genes for physical fitness, and risk of coronary heart disease. Medicine and science in sports and exercise. 2013; 45(4):691-7.

Lion LAC, Cruz P, Albanesi Filho F. Avaliação de programa de reabilitação cardíaca. Análise após 10 anos de acompanhamento. Arq Bras Cardiol. 1997;68(1):13-9.

Guedes DP, Guedes J. Atividade física, aptidão cardiorrespiratória, composição da dieta e fatores de risco predisponentes às doenças cardiovasculares. Arq Bras Cardiol. 2001;77(3):243-50.

Santos TM, Furtado LFL, Ribeiro LG, Cabral LF, Novaes JS. Comparação entre as modalidades de caminhada e corrida na predição do consumo máximo de oxigênio; Comparison between the gait and running modalities in the oxygen maximal uptake prediction. Rev Bras Med Esporte. 2008;14(5):412-5.

International Society for the Advancement of Kinanthropometry - ISAK. International standards for anthropometric assessment. Adelaide, Australia: National Library of Australia; 2001.

Ebbeling C, Ward A, Puleo E, Widrick J, Rippe J.Development of a single-stage submaximal treadmill walking test. Medicine and science in sports and exercise. 1991;23(8):966.

American College of Sports Medicine. Guidelines for graded exercise testing and exercise prescription. 2nd. Philadelphia: Lea & Febiger; 1980.

Feio CMA, Fonseca FAH, Rego SS, Feio MNB, Elias MC, Costa EAS, et al. Perfil lipídico e risco cardiovascular em amazônidas. Arq Bras Cardiol.2003;81(6):592-5.

Oliveira A, Mancini Filho J. Perfil nutricional e lipídico de mulheres na pós-menopausa com doença arterial coronariana. Arquivos Brasileiros de Cardiologia.2005;84(4):325.

Kolankiewicz F, Giovelli FMH, Bellinaso MDL. Estudo do perfil lipídico e da prevalência de dislipidemias em adultos. RBAC. 2008;40(4):317-20.

Seip RL, Angelopoulos TJ, Semenkovich CF. Exercise induces human lipoprotein lipase gene expression in skeletal muscle but not adipose tissue. American Journal of Physiology-Endocrinology And Metabolism.1995;268(2):E229.

Batista M, Franceschini S. Impacto da atenção nutricional na redução dos níveis de colesterol sérico de pacientes atendidos em serviços públicos de saúde. Arq Bras Cardiol. 2003;80(2):162-6.

Koch LG, Kemi OJ, Qi N, Leng SX, Bijma P, Gilligan LJ, et al. Intrinsic Aerobic Capacity Sets a Divide for Aging and Longevity. Circ Res. 2011;109(10):1162-72.

Barel M, Louzada GCA, Monteiro HL, Amaral SL. Associação dos fatores de risco para doenças cardiovasculares e qualidade de vida entre servidores da saúde. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2010;24(2):293-303.

Betik AC, Hepple RT. Determinants of VO2 max decline with aging: an integrated perspective. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism.2008;33(1):130-40.

Robinson S. Experimental studies of physical fitness in relation to age. Eur J Appl Physiol Occup Physiol.1938;10(3):251-323.

Aragao FD, Abrantes CG, Gabriel RE, Sousa MF, Castelo-Branco C, Moreira MH. Effects of body composition and menopause characteristics on maximal oxygen uptake of postmenopausal women. Menopause. 2011;18(11):1191-7.

Kelley GA, Kelley KS, Tran ZV. Aerobic exercise and lipids and lipoproteins in women: a meta-analysis of randomized controlled trials. J Women’s Health.2004;13(10):1148-64.

Moraes RS, NóBREGA ACL, Castro RRT, Negrão CE, Stein R, Serra SM. Diretriz de reabilitação cardíaca. Arq Bras Cardiol. 2005;84(5):431-40.

Miller 3rd ER, Erlinger TP, Young DR, Jehn M, Charleston J, Rhodes D, et al. Results of the diet, exercise, and weight loss intervention trial (DEW-IT). Hypertension. 2002;40(5):612.

Stefanick ML, Mackey S, Sheehan M, Ellsworth N, Haskell WL, Wood PD. Effects of diet and exercise in men and postmenopausal women with low levels of HDL cholesterol and high levels of LDL cholesterol. New England Journal of Medicine. 1998;339(1):12-20.

Niebauer J, Hambrecht R, Velich T, Hauer K, Marburger C, Kalberer B, et al. Attenuated progression of coronary artery disease after 6 years of multifactorial risk intervention: role of physical exercise. Circulation.1997;96(8):2534.

Andersen RE, Wadden TA, Bartlett SJ, Zemel B, Verde TJ, Franckowiak SC. Effects of lifestyle activity vs structured aerobic exercise in obese women. JAMA.1999;281(4):335.

Laaksonen DE, Lakka HM, Salonen JT, Niskanen LK, Rauramaa R, Lakka TA. Low levels of leisure-time physical activity and cardiorespiratory fitness predict developmente of the metabolic syndrome. Diabetes Care. 2002;25(9):1612-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2919

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia