Série histórica da dengue e do aedes aegypti no Ceará

Estelita Pereira Lima, Marília Oliveira Fonseca Goulart, Mário Ronaldo Albuquerque, Fernanda Moura Victor, Natália Bitu Pinto

Resumo


Objetivo: Analisar o comportamento epidemiológico da dengue no Ceará e o controle do Aedes aegypti. Métodos: Trata-se de um estudo documental, com base na consulta aos boletins epidemiológicos divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde do Ceará referentes ao período de 1986 a 2011 e outros documentos complementares. Realizou-se análise descritiva da incidência de dengue no Ceará nesse período, segundo faixa etária, formas graves, óbitos e circulação do vírus DEN-V. Analisou-se o programa de controle vetorial e a evolução da infestação e transmissão da dengue no mesmo período. Resultados: Constatou-se que, de 1986 a 2011, ocorreram cinco epidemias de dengue no Ceará, com elevada incidência, sendo que, de 2008 a 2010 as crianças foram as mais acometidas. Em média, houve infestação pelo Aedes aegypti em 120 municípios e transmissão em 84, anualmente. A circulação de mais de um sorotipo culminou em um grande número de óbitos quase todos os anos, superior ao aceitável pela Organização Mundial de Saúde. Conclusão: O comportamento epidemiológico da dengue no Ceará justifica a classificação de “área de vulnerabilidade de risco muito alto” feita pelo Ministério da Saúde. Nos últimos anos, a proporção de casos graves tem aumentado, decorrendo, provavelmente, da circulação simultânea de três sorotipos virais e da população sensibilizada por infecções anteriores. Essa situação é agravada pela presença
do vetor em quase todo o estado e pela deficiência da política de controle vetorial.


doi:10.5020/18061230.2013.p340

Palavras-chave


Dengue; Aedes; Controle Vetorial.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Forattini OP. Culicidologia médica: identificação,biologia e epidemiologia. São Paulo: Edusp; 2002. vol.2.

Ministério da Saúde (BR). Portal da Saúde. Dengue.[acesso em 2013 Set 14]. Disponível em:http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=31121&janela=1.

Bhatt S, Gething PW, Brady OJ, Messina JP, Farlow AW, Moyes CL, et al. The global distribution and burden of dengue. Nature. 2013;496(7446):504 -7.

Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional de Controle da Dengue. Brasília: Ministério da Saúde;2002.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília:Ministério da Saúde; 2009.

Barreto ML, Teixeira MG. Dengue no Brasil: situação epidemiológica e contribuições para uma agenda de pesquisa. Estud Avançados. 2008; 22(64):53-72.

Ministério da Saúde (BR). Nota técnica nº 110, de 6 de agosto de 2010. [acesso em 2010 Set 10]. Disponívelem: http://www.soperj.org.br/imagebank/nt_110_2010_denv_4_roraima.pdf.

Timbó MJ. A epidemia de dengue no Ceará: agosto de 1986 a dezembro de 1989. Fortaleza [monografia].Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará; 1990.

Nogueira MB. Infestação pelo Aedes aegypti em Fortaleza no período de 1986 a 1998: Estratificação de Risco. Fortaleza [dissertação]. Fortaleza: Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará; 1999.

Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. Informe Semanal dengue. Semana Epidemiológica 01 a 50. Fortaleza; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Manual de Dengue: vigilância epidemiológica e atenção ao doente. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.

Ministério da Saúde (BR). Informe Epidemiológico do SUS-7. Brasília: Ministério da Saúde; 1998.

Pontes RJS, Nogueira MB, Lima EP. Projeto Vigilância epidemiológica e extratificação de risco de dengue.Rev Pesquisa Funcap. 2001;3:18-20.

Vasconcelos PFC. Epidemia de dengue em Fortaleza,Ceará: inquérito soro-epidemiológico aleatório. Rev Saúde Pública. 1998;32(5):447-54.

Cunha RV, Miagostovich MP, Petrola Z, Araújo ESM,Cortez D, Pombo V, et al. Retrospective study on dengue in Fortaleza, state of Ceará, Brazil. Mem InstOsvaldo Cruz. 1998;93(2):155–59.

Araújo FMC, Vilar DCL, Ramalho ILC, Vieira LC, Mello LP. Dengue activity in the State of Ceará, 1994-1996. Dengue-Rio, Summaries; 1996. p.56.

Pontes RJS, Ribeiro JVS, Lima EP. Padrões epidemiológicos e descontrole do dengue em Fortaleza: relação com as ações anti-vetoriais. Rev Bras Epidemiol. 2002;(Supl):239.

Braga IA, Valle D. Aedes aegypti: histórico do controle no Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2007b; 16: 113–18.

Lima EP, Oliveira Filho AM, Lima JWO, Ramos Júnior AM, Cavalcante LPG, Pontes RJS. Resistência do Aedes aegypti ao Temefós em Municípios do Estado do Ceará. Rev Soc Bras Medicina Tropical.2006;39(3):259-63.

Penna MLF. Um desafio para a saúde pública brasileira: o controle do dengue. Cad Saúde Pública 2003;19(1):305-09.

Pessanha JEM, Caiaffa WT, César CC, Proietti FA.Avaliação do Plano Nacional de Controle da Dengue.Cad Saúde Pública. 2009;25(7):1637-41.

Montella IR, Martins AJ, Viana-Medeiros PF, Lima JB,Braga IA, Valle D. Insecticide resistance mechanisms 348 Rev Bras Promoc Saude, Fortaleza, 26(3): 340-348, jul./set., 2013 Lima EP, Goulart MOF, Albuquerque MR, Victor FM, Pinto NB of Brazilian Aedes aegypti populations from 2001 to 2004. Am J Trop Med Hyg. 2007;77:(3)467-77.

Cavalcanti LP, Vilar D, Souza-Santos R, Teixeira MG. Change in age pattern of persons with Dengue,Northeastern Brazil. Emerging Infectious Diseases.2011;17(1):132-34.

Rocha LA, Tauil PL. Dengue em criança: aspectos clínicos e epidemiológicos, Manaus, Estado do Amazonas, no período de 2006 e 2007. Rev Soc Bras Medicina Tropical. 2009;42(1):18-22.

Ministério da Saúde (BR). A sociedade contra a dengue.Série B. Textos básicos de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Tauil PL. Aspectos críticos do controle do dengue no Brasil. Cad Saúde Pública. 2002;18(3):867-71.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2936

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia