Demandas, construções e desafios vivenciados por terapeutas ocupacionais na atenção primária à saúde

Fernanda dos Reis, Ana Cléa Veras Camurça Vieira

Resumo


Objetivo: Compreender as demandas, construções e desafios vivenciados por terapeutas ocupacionais na atenção primária à saúde, no município de Fortaleza-CE. Métodos: Trata-se de um estudo de caso com abordagem qualitativa, do qual participaram 13 terapeutas ocupacionais dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Utilizou-se a técnica de grupo focal, em março de 2011, na sede do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional - 6ª Região. Após a análise temática do material com aportes teóricos em terapia ocupacional e saúde coletiva, emergiram as seguintes categorias: construção dos processos de trabalho; demandas e população assistida; contribuições e desafios dos terapeutas ocupacionais. Resultados: Pode-se afirmar que os terapeutas ocupacionais sensibilizaram as equipes para ações conjuntas mediante atividades de promoção da saúde a grupos prioritários e criaram espaços de planejamento para a construção da integralidade da atenção entre equipes de saúde e usuários, explicitando os desafios do território enquanto espaço de conquistas interdisciplinares, quando as resoluções dos problemas exigem sensibilidade e reconhecimento das categorias profissionais em campo. Conclusão: Entende-se que diversidades e especificidades inerentes ao território estão relacionadas às necessidades, e o cotidiano comunitário, juntamente com os tensionamentos no campo, contrapõe-se à lógica do trabalho em equipe, implicando em fragilidade das ações dos apoiadores.


doi:10.5020/18061230.2013.p356

Palavras-chave


Terapia Ocupacional; Atenção Primária à Saúde; Programa Saúde da Família; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil: Arquivo com Profissionais em mais de uma equipe por UF/ na competência 08/2011. [acesso em 2012 Ago 08]. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/ses/ perfil/gestor/homepage/outros-destaques/area-dedownloads- de-sistemas-sus-do-cnes-processamentossiasihd- e-tabela-unificada

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Área territorial oficial. 2011 [acesso em 2011 Jun 03]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/default_territ_area.shtm.

Arruda-Barbosa L, Dantas TM, Oliveira CC. Estratégia de Saúde da Família: Avaliação e motivos para busca de serviços de saúde pelos usuários. Rev Bras Promoç Saúde. 2001;24(4):347-54.

Conill EM. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(supl 1):7-16.

Espindola PS, Lemos CLS, Reis LBM. Perfil do profissional de nível superior na Estratégia de Saúde da Família. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(4):367-75.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 154 de 01 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Beirão ROS, Alves CKA. Terapia Ocupacional no SUS: refletindo sobre a normatização vigente. Cad Ter Ocup UFSCar. 2010;18(3):231-146.

Francisco BR. Terapia Ocupacional. Campinas: Papirus; 2001.

Barbosa EG, Ferreira DLS, Furbino SAR, Ribeiro EEN. Experiência da fisioterapia no Núcleo de Apoio à Saúde da Família em Governador Valadares, MG. Fisioter Mov. 2010;23(2):323-30.

Molini-Avejonas DR, Mendes VLF, Amato CAH. Fonoaudiologia e Núcleos de Apoio à Saúde da Família: conceitos e referências. Rev Soc Bras Fonoaudiol.2010;15(3):465-74.

Martiniano CS, Sampaio J, Marcolino EC, Souza FF, Magalhães FC. O Núcleo de Apoio à Saúde da Família no contexto da organização dos serviços de saúde: elementos para o debate. 2010. [acesso em 2011 Fev 16]. Disponível em:

Yin RK. Estudo de caso: Planejamento e métodos.Porto Alegre: Artmed; 2010.

Bosi MLM. Pesquisa qualitativa em saúde coletiva:panorama e desafios. Ciênc Saúde Coletiva.2012;17(3):575-86.

Martins Junior J. Como escrever trabalhos de conclusão de curso: instruções para planejar e montar, desenvolver, concluir, redigir e apresentar trabalhosmonográficos e artigos. Petrópolis: Vozes; 2008.

Barbour R. Grupos Focais. Tradução Marcelo Figueiredo Duarte. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Gomes VLO, Telles KS, Roballo EC. Grupo focal e discurso do sujeito coletivo: produção de conhecimento 364 Rev Bras Promoc Saude, Fortaleza, 26(3): 356-364, jul./set., 2013 Reis F, Vieira ACVC em saúde de adolescentes. Esc Anna Nery Rev Enferm.2009;13(4):856-62.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo: HUCITECABRASCO; 2004

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.488, de 21 de abril de 2011: aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília; 2011.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Ciênc Saúde Coletiva.2007;23(2):399-407.

Figueiredo MD, Campos RO. Saúde Mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(1):29-38.

Dimenstein M, Severo AK, Brito M, Pimenta AL, Medeiros V, Bezerra E. O apoio matricial em Unidades de Saúde da Família: experimentando inovações em saúde mental. Saúde Soc. 2009;18(1):63-74.

Franco TB, Merhy EE. A produção imaginária da demanda e o processo de trabalho em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, editores. Construção social da demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ/ABRASCO; 2010.

Sundfeld AC. Clínica ampliada na atenção básica e processos de subjetivação: relato de uma experiência. Physis. 2010;20(4):1079-97.

Gomes RS, Pinheiro R, Guizardi FL. A orquestração do trabalho em saúde: um debate sobre a fragmentação das equipes. In: Pinheiro R, Mattos RA, editores. Construção social da demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ: ABRASCO, 2010.

Stotz EN. Os desafios do SUS e a Educação Popular: uma análise baseada na Dialética da Satisfação das Necessidades de Saúde. In: Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Ver – SUS Brasil: caderno de textos. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2938

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia