Prevalência de doenças crônicas e uso de fármacos em idosos praticantes de exercício físico supervisionado

Francisco Tiago Ricarte Gonçalves, Carminda Goersch Lamboglia, Danilo Lopes Ferreira Lima

Resumo


Objetivo: Verificar a prevalência de doenças crônicas e o uso de fármacos em idosos praticantes de exercício físico supervisionado. Métodos: Estudo realizado no período de setembro a outubro de 2011, com amostra composta por 148 indivíduos com idade acima de 60 anos, dos gêneros feminino (n=109) e masculino (n=39), que praticam exercício físico supervisionado, distribuídos, conforme a modalidade, em Grupo 1 (hidroginástica), Grupo 2 (musculação) e Grupo 3 (ginástica/caminhada). Utilizou-se um questionário com perguntas gerais (gênero, idade, tipo de exercício físico) e fechadas acerca dos agravos associado à saúde e ao uso de substância medicamentosa. Para análise dos dados, verificou-se a estatística descritiva (média e desvio padrão), as frequências absoluta e relativa e o Teste Qui-Quadrado, com nível de significância de p<0,05. Resultados: Com relação ao gênero feminino, houve, nos três grupos, alta prevalência de doenças relacionadas aos sistemas endócrino metabólico, cardiovascular e osteomuscular. No gênero masculino,
houve maior prevalência, nos três grupos, de indivíduos praticantes de exercício físico acometidos por distúrbios osteomusculares. No que diz respeito ao uso de fármacos, todos os grupos apresentaram maior prevalência na utilização de fármacos anti-hipertensivos, em ambos os gêneros. Conclusão: Não se verificou diferença significativa na prevalência autorreferenciada de doenças crônicas por sistemas orgânicos entre os grupos praticantes de exercício físico, tanto no gênero feminino como no masculino. Constatou-se alta prevalência de idosos acometidos por distúrbios relacionados ao sistema osteomuscular e à utilização de fármacos anti-hipertensivos.



doi:10.5020/18061230.2013.p372

Palavras-chave


Idoso; Exercício Físico; Epidemiologia; Doença Crônica; Farmacologia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Mequiardes JH, Agra JHM, Albuquerque KMD, Costa RC, Navarro AC. A importância do exercício físico para a qualidade de vida do idosos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2009:3(18):597- 614.

Negrão CE, Barreto ACP. Cardiologia do exercício: do atleta ao cardiopata. 2ª ed. Barueri: Manole; 2006.

Clemente E. Aspectos Biológicos e Geriátricos do Envelhecimento. Porto Alegre: Edipucrs; 2008.

Silva DBS, Souza TA, Santos CM, Jucà MM, Moreira TMM, Frota MA, Vasconcelos SMM. Associação entre hipertensão arterial e diabetes em centro de saúde da família. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(1):16-23.

Paes IMBS, Fontebone A, Cesse, EAB. Estilo de vidaem hipertensos frequentadores do programa “academia da cidade”, recife, Brasil. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(4):340-6.

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. Hipertesão [acesso em 01 Jun 2012] Disponível em: http://www.sbh.org.br/geral/hipertensao.asp

Gonçalves MTF. Efeitos da imobilidade prolongada no idoso. Nursing. 2005;8(93):16-21.

Leite PF. Exercício, Envelhecimento e promoção desaúde. Belo Horizonte: Health; 2006.

Carvalho FE. Fisiologia do Envelhecimento. In:Papaleo Netto M, editors. Gerontologia. São Paulo:Atheneu; 2006. p. 60-70.

Mazo GZ, Lopes MA, Benedetti TB. Atividade física e o idoso. Porto Alegre: Sulina; 2006.

MATSUDO, S.M, et.al. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Rev Bras Cien e Mov. 2000;8(4):21-32.

Franchi KM, Monteiro LZ, Almeida SB, Pinheiro MHNP, Medeiros AIA, Montenegro RM, Montenegro Junior RM. Capacidade funcional e atividade física de idosos com diabetes tipo 2. Rev Bras Ativ Fís Saúde.2008;13(3):158-66.

Ferreira FC, Bressan J, Marins JCB. Efeitos metabólicos e hormonais do exercício físico e sua ação sobre a síndrome metabólica. Revista Digital [periódico na Internet]. 2009 [acesso em 2011 Out 20];13(129):[aproximadamente 4 p.]. Disponívelem: http://www.efdeportes.com/efd129/efeitosmetabolicos-e-hormonais-do-exercicio-fisico.htm

Teixeira CVL, Donatti TS, Canonici AP. Perfil de risco de doenças cardiovasculares em idosas praticantes de diferentes modalidades de exercícios físicos. Rev Movimenta. 2009;2(1):17-22.

Mostarda C, Wichi R, Sanches IC, Rodrigues B, Angelis K, Irigoyen MC. Hipertensão e modulação autonômica no idoso: papel do exercício físico. Rev Bras Hipertens. 2009;16(1):55-60.

Felipe LK, Zimmerman A. Doenças crônicas degenerativas em idosos: dados fisioterapêuticos. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(3):221-7.

Scher LML, Nobre F, Lima NKC. Papel do exercício físico na pressão arterial em idosos. Rev Bras Hipertens. 2008;15(4):228-31.

Zogo AS. Exercício físico e processo saúde doença no envelhecimento. Rev Bras Geriatria Gerontologia. 2010;13(1):153-8.

Shephard RJ. Envelhecimento, atividade física e saúde. São Paulo: Porte; 2003.

Spirduso W. Dimensões físicas do envelhecimento. São Paulo: Manole; 2005.

Galvão C. O idoso polimedicado estratégias para melhorar a prescrição. Rev Port Clin Geral. 2006;22:747-52.

Sistema Único de Saúde. (BR). Uso de medicamentos pelo idoso. Centro de Informações sobre Medicamentos [Internet]. 2003 [acesso em 2011 Out 20]; 1(1): [aproximadamente 4 p.]. Disponível em: http://www2. ghc.com.br/GepNet/docscursos/gestaoidoso/uso%20de%20medicamentos%20pelo%20idoso.pdf

Bueno CS, Oliveira KR, Berlezi EM, Eickhoff HM, Dallepiane LB, Girardon-Perlini NMO, Mafalda A.Utilização de medicamentos e risco de interações medicamentosas em idosos atendidos pelo Programade Atenção ao Idoso da Unijuí. Rev Ciênc Farm Básica Apl.2009;30(3):331-8.

Thomas JR, Nelson JK, Silverman SJ. Métodos de pesquisa em atividade física. Artmed: Porto Alegre;2007

Ministério da Saúde (BR). Estatuto do idoso. Brasília;2003. (Série E. Legislação de Saúde).

Sebastião E, Christofoletti G, Gobbi S, Hamanaka AYY, Gobbi LTB. Atividade física, qualidade de vida e medicamentos em idosos: diferenças entre idades e gêneros. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2009;11(2):210-6.

Christovam CL, Veiga MB, Navarro F. Analise da creatina quinase versus percepção subjetiva de esforço para monitoramento do tempo de recuperação em idosos fisicamente ativos. Rev Bras Prescrição Fisiologia Exercício. 2007;1(3):78-88.

Teixeira CS, Pereira EF. Alterações morfofisiológicasassociadas ao envelhecimento humano. Revista Digital [periódico na Internet]. 2008 [acesso em 2011 Out20];13(124). Disponível em: http://www.efdeportes. com

Silva ADL, Catão MHCV. Doenças sistêmicas em idosos institucionalizados. HU Revistas. 2012;37(3):229-303.

Converso MER, Leocácio PLLF. Prevalência da hipertensão arterial e análise de seus fatores de risco em idosos de Presidente Prudente. Anais do II Congresso Brasileiro de Extensão Universitária. Belo Horizonte,12 a 15 de setembro de 2004.

Piegas LS. III Diretrizes sobre o tratamento do infartoagudo do miocárdio. Arq Bras Cardiol. 2004; 83(Supl.IV):1-86.

Sebastião E. Atividade física e doenças crônicas emidosos de Rio Claro-SP. Motriz. 2008;14(4):381-8.

Lebrão ML, Duarte YAO, organizadores. O Projeto SABE no Município de São Paulo: uma abordageminicial. Brasília: Organização Pan-Americana daSaúde. Ministério da Saúde. 2003.

VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão –DBH. RevBras Hipertens. 2010;17(1):4




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2942

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia