Promoção de comportamentos saudáveis em pré-escolares

Manoel Messias Alves de Souza, Sônia Regina Fiorim Enumo, Kely Maria Pereira de Paula, Rosangela Vieira de Souza, Rosyaline da Silva Bezerra, Katarina Bezerra Mendes

Resumo


Objetivo: Analisar a percepção de profissionais do ensino quanto aos comportamentos de autocuidado apresentados por pré-escolares a partir da implantação de um projeto de extensão, apreender as dificuldades desses profissionais no ensino de medidas de autocuidado e apreciar sua satisfação com as condições de trabalho e com a implantação do projeto de extensão. Métodos: Pesquisa descritiva, transversal, com abordagem qualitativa, realizada de setembro a dezembro de 2009, na Creche Casa da Criança, em Petrolina-PE. Utilizou-se entrevista semiestruturada com oito profissionais da creche. Os dados foram avaliados através da análise de conteúdo, emergindo categorias temáticas, interpretadas à luz da literatura pertinente ao tema. Resultados: Os entrevistados destacaram a mudança de comportamento das crianças no que diz respeito à alimentação, higiene bucal e corporal, no entanto, compreendeu-se a falta de habilidades e competências dos profissionais em desenvolverem tais ações. Conclusão: Os profissionais destacaram mudança de comportamento no tocante às medidas de autocuidado pelas crianças, ficando evidente a satisfação deles; entretanto, verificou-se sua falta de habilidades e competências.


doi:10.5020/18061230.2013.p387

Palavras-chave


Promoção da Saúde; Educação em Saúde; Pré-escolar.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Corrêa BC. Considerações sobre a qualidade na educação infantil. Cad Pesqui. 2003;119:85-112.

Romani SAM, Lira PIC. Fatores determinantes do crescimento infantil. Rev Bras Saúde Matern Infant.2004;4(1):15-23.

Ministério da Saúde (BR). Guia prático do programa saúde da família. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Ministério da Educação (BR). Censo escolar 2007. Brasília: MEC; 2008.

Souza MMA. A inserção do lúdico em atividades de educação em saúde na Creche-Escola Casa da Criança,em Petrolina-Pe. Revista Educação do Vale do São Francisco REVASF. 2010;1(1):39-49.

Ministério da Saúde (BR), Instituto Materno-Infantil de Pernambuco, Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. II Pesquisa estadual de saúde e nutrição: Saúde, nutrição, alimentação e condições socioeconômicas no Estado de Pernambuco. Pernambuco; 1998.

Figueira SACM, Souza ICN, Rios VG, Benguigui Y. Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI: módulo II. Washington:Organização Pan-Americana de Saúde; 2005.

Klebanov P, Brooks-Gunn J. Cumulative, human capital, and psychological risk in the context of early intervention: Links with IQ at ages 3, 5, and 8. Annuary of New York Academy of Sciences. 2006;1094:63-82.

Rutter M. Psychosocial influences: Critiques, findings,and research needs. Dev Psychopathol. 2000;12(3):375-405.

Sapienza G, Pedromônico MRM. Proteção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicol Estud. 2005;10(2):209-16.

Weiss H. Growing up in Poverty as a Developmental Risk: Challenges for Early Intervention. Educational Child Psychology. 2004;21(1):8-19.

World Health Organization – WHO. Situação mundial da infância 2008: caderno Brasil. Brasília: UNICEF;2008.

Leavell H, Clark EG, organizadores. Medicina Preventiva. São Paulo: McGraw-Hill; 1976.

Rutter M, Sroufe S. Developmental Psychopathology:concepts and challenges. Dev Psychopathol.2000;12(3):265-96.

Luthar SS, Sawyer JA, Brown PJ. Conceptual issues in studies of resilience Past, present, and future research. Annuary of New York Academy of Sciences. 2006;1094:105-15.

Silva MRS, Elsen I, Lacharité C. Resiliência: concepções, fatores associados e problemas relativos à construção do conhecimento na área. Paidéia.2003;13(26):147-56.

Feliciano KVO, Kovacs MH, Costa IER, Oliveira MG, Araújo AMS. Avaliação continuada da educação permanente na atenção à criança na Estratégia Saúde daFamília. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2008;8(1):45-53.

Ministério da Saúde (BR). Escolas promotoras de saúde: experiências do Brasil. Brasília; 2006.

Secretaria Municipal de Educação de Santos-SP.Escola promotora de saúde [acesso em 2009 Jun 14]. Disponível em: http://www.santos.sp.gov.br/comunicacao/escola/escola.html.

Oliveira MK. Algumas contribuições da Psicologia Cognitiva [acesso em 2009 Abr 14]. Disponível em:http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_06_p047-051_c.pdf,

Oliveira MK. Vygostky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione; 1997.

Meltzoff J. Critical thinking about research Psychology and related fields. Washington: American Psychological Association; 2001.

Vélez MB. Vínculos entre famílias e profissionais na construção do Projeto Educativo. Rev Pátio Educação infantil. 2008;6(17):14-7.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70;1979.

Fernandes MH, Rocha VM, Souza DB. A concepção sobre saúde do escolar entre professores do ensino fundamental (1ª a 4ª séries). Hist Ciênc Saúde Manguinhos. 2005;12(2):283-91.

Temporini ER. Percepção de professores do sistema de ensino do Estado de São Paulo sobre o seu preparo em saúde do escolar. Rev Saúde Pública. 1988;22(5):411-21.

Rizzetti DA, Trevisan CM. Rastreamento dos programas de saúde voltados para a criança elaborados pelas três esferas de governo. Saúde Santa Maria. 2008;34(1-2):27-31.

Vellozo RCADM, Queluz DP, Mialhe FL, Pereira AC.Associação entre as características do profissional do Ensino Fundamental e seus conhecimentos em saúde bucal. Ciênc Cog. 2008;13(3):70-81.

World Health Organization - WHO. Improving health through schools: national and international strategies.Geneva: WHO; 1999.

Nobre MRC, Domingues RZL, Silva AR, Taddei JA.Prevalências de sobrepeso, obesidade e hábitos de vida associados ao risco cardiovascular em alunos do Ensino Fundamental. Rev Assoc Méd Bras. 2006;52(2):118-24.

Halpern Z. Fórum nacional sobre promoção da alimentação saudável e prevenção da obesidade na idade escolar [acesso em 2009 Jul 29]. 2003. Disponível em: http://www.abeso.org.br/ revista/ revista15/forum.htm

Gonçalves FD, Catrib AMF, Vieira NFC, Vieira LJES.A promoção da saúde na educação infantil. Interface Comunic Saúde Educ. 2008;12(24):181-92.

Hoffman JA, Franco DL, Thompson DR, Power TJ, Stallings VA. Longitudinal behavioral effects of a school-based fruit and vegetable promotion program. J Pediatr Psychol. 2010;35(1):61–71.

Institute of Medicine. Nutrition standards for foods in schools: leading the way toward healthier youth. Washington: The National Academies Press; 2007.

Ministério da Saúde (BR). Política nacional de alimentação e nutrição. 2ª ed. Brasília; 2003.

Recine E, coordenador. Educação nutricional para alunos do Ensino Fundamental [acesso em 2009 Abr 11]. Brasília; 2001. Disponível em: http://dtr2004. saude.gov.br/nutrição/documentos/plano_aula.pdf

Bernardoni R, Silva JRM, Cardoso GT, Monteiro RA, Amorim NFA, Schmitz, BAS, Rodrigues MLCF. Construção de metodologia de capacitação. em alimentação e nutrição para educadores. Rev Nutr.2009;22(3):389-98.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2945

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia