Vigilância de efeitos adversos de saneantes em trabalhadores hospitalares: um relato de experiência

Laiane Mucio Correia, Ana Paula dos Santos Campos, Beatriz Ferreira Martins, Madga Lúcia Felix de Oliveira

Resumo


Objetivo: Relatar como acontece a vigilância epidemiológica da intoxicação por saneantes utilizando o método de busca ativa de trabalhadores hospitalares que sofreram efeitos adversos. Síntese dos dados: Relato das atividades de extensão universitária desenvolvidas no Centro de Controle de Intoxicações do Hospital Universitário Regional de Maringá (CCI/ HUM), no período de 2010 a 2011, a partir da aplicação da tríade educação-vigilânciaassistência. Participaram do estudo 25 trabalhadores hospitalares que sofreram efeitos adversos de saneantes. A coleta de dados se deu através de pesquisa documental, análise dos relatórios mensais e fichas de notificação de efeitos adversos. Em seguida, utilizou-se uma entrevista semiestruturada com os sujeitos do estudo. Os dados foram comparados com a literatura, e os resultados, apresentados em três momentos: descrição do processo de busca ativa, exposição do cenário de concepção e execução da experiência, e análise conclusiva da experiência. As principais queixas dos trabalhadores entrevistados consistiram em congestão nasal, ardência ocular, dor na garganta e cefaleia. Com relação ao uso de equipamento de proteção individual (EPI), todos os trabalhadores referiram utilizá-los, porém, oito foram encaminhados ao serviço de medicina do trabalho e receberam orientações para utilização de EPI específico. Cinco deles confirmaram adesão às orientações e todos permaneceram na mesma função. Conclusão: A vigilância epidemiológica e sanitária de efeitos adversos de saneantes em trabalhadores e pacientes do HUM tem a função de identificar, analisar e prevenir os efeitos indesejáveis advindos do uso de saneantes no âmbito hospitalar, além de investigar as notificações.


doi:10.5020/18061230.2013.p442

Palavras-chave


Saúde Ocupacional; Vigilância Epidemiológica; Saneantes; Envenenamento.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de saneantes com ênfase em Hospitais Sentinela. Brasília: Gerência Geral de Saneantes; 2004.

Bauli JD, Buriola AA, Faria ST, Balani TSL, Oliveira, MLF. Intoxicação por produtos saneantes clandestinos em Maringá. In: Anais do II Congresso Internacional de Saúde, VI Seminário Científico do Centro de Ciências da Saúde, 2007 Set 12-14; Maringá, Brasil. Maringá:Universidade Estadual de Maringá; 2007.

Santos JAT, Seleghim MR, Marangoni SR, Gonçalves AM, Ballani TSL, et al. Gravidade de intoxicações por saneantes clandestinos. Texto Contexto Enferm. 2011;20(esp):247-54.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Pós–comercialização, pós–uso [acesso em 2012 Set 18].Brasília; 2009. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Pos+-+Comercializacao+-+Pos+-+Uso.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional deVigilância Sanitária. Cartilha de notificações em tecnovigilância: Unidade de Tecnovigilância Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

Waldman EA. Usos da vigilância e da monitorizarãoem Saúde Pública. IESUS. 1998;7(3):7-26.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes nacionais para avigilância de eventos adversos e queixas técnicas de produtos sob vigilância sanitária. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Antunes F, Gavioli, A, Rosa NM, Oliveira MLF. A experiência de toxicovigilância de um centro de controle de intoxicações em serviço de saúde hospitalar[resumo]. In: Anais do 10º Fórum de extensão e culturalda UEM- A extensão universitária e o desenvolvimento regional; 01-03 ago 2012; Paraná, Brasil. Maringá: Pró-Reitoria de extensão e cultura/diretoria de extensão/diretoria de cultura; 2012.

Seleghim MR, Oliveira MLF, Ballani TSL, TavaresEO, Trevisan EPT, Françozo NRR. Cuidado de enfermagem a famílias: experiência vivenciada em visitas domiciliares a intoxicados. Saúde Transformação Social. 2011;2(3):65-72.

Silva L, Valente GSC. Riscos químicos hospitalares e gerenciamento dos agravos à saúde do trabalhador de enfermagem. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online).2012;(supl):21-4.

Associação Brasileira de Centros de Informação e Assistência Toxicológica - ABRACIT. A inserção dos centros de informação e assistência toxicológica nas redes de atenção à saúde como serviços de apoio e referência em Toxicologia Clínica. Florianópolis:Abracit; 2009.

Florence G, Calil SJ. Development of methodology for medical device risk management. In: Anais do World Congress On Medi Cal Physics And BiomedicalEngineering, Sydney, 2008.

Steven R. Networked Medical Devices: EssentialCollaboration for Improved Safety. BiomedicalInstrumentation & Technology. 2009;43(4):332-8.

Campos APS, Martins BF, Correia LM, Baroni S,Ballani TSB, Oliveira MLF. Critérios de uso de substâncias químicas para desinfecção em ambientehospitalar. Informativo Hospitais Sentinela HUM,Maringá-PR. 2011;5(25):6.

Peresal. Formulário Técnico [acesso em 2011 Jun 27].Disponível em: http://peresal.com.br/




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2954

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia