Relação entre processo de trabalho e saúde de caminhoneiros

Francisco Gilberto Fernandes Pereira, Ranúbio Alves de Aquino, Valéria Duarte de Melo Alencar, Augediva Maria Jucá Pordeus, Márcia Barroso Camilo de Ataíde

Resumo


Objetivo: Analisar a relação entre processo de trabalho e saúde de caminhoneiros do estado do Ceará. Métodos: Tratou-se de um estudo epidemiológico transversal desenvolvido com 165 caminhoneiros presentes no XX Festival dos Caminhoneiros do município de Tabuleiro do Norte-CE. Para a coleta de dados, aplicou-se um questionário com perguntas fechadas, abordando os temas relacionados ao processo de trabalho, saúde e estilo de vida. Os dados foram organizados em tabelas e analisados com o auxílio do programa EPI-INFO. Resultados: Constatou-se que 100% (n=165) dos profissionais eram do sexo masculino, 39,3% (n=65) encontravam-se na faixa etária de 30 a 39 anos, 40% (n=66) possuíam apenas o 1º grau incompleto, 35,8% (n=59) trabalhavam de 12 a 16 horas por dia. Os problemas de saúde mais comuns foram a insônia, presente em 78,1% (n=129) dos caminhoneiros, apresentando relação significativa com o consumo de substâncias psicoativas (p=0,002); e dores lombares, presentes em 52,7% (n=87) deles. Conclusão: Existe uma grande exposição a fatores de risco imposta por essa profissão, podendo afetar de maneira significativa a execução do trabalho e a qualidade da saúde dos caminhoneiros. Portanto, tornam-se necessárias mudanças no estilo de vida deles e que as autoridades dirijam maior atenção para esses profissionais.

doi: 10.5020/18061230.2014.p462

Palavras-chave


Saúde do trabalhador; Estilo de Vida; Saúde do Viajante

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Takiane J, Oliveira LG, Endo LG, Oliveira KCBG, Munoz DR, Yonamime M, et al. Amphetamine use by truck drivers on highways of São Paulo State: a risk for the occurrence of traffic acidentes? Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(5):1247-54.

Knauth DR, Pilecco FB, Leal AF, Seffner F, Teixeira AMFB. Manter-se acordado: a vulnerabilidade dos caminhoneiros no Rio Grande do Sul. Rev Saúde Pública 2012;46(5):886-93.

Sedano GS, Ferreira SCM, Valente GSC, Chrisostimo MM. Educação em saúde: um desafio do enfermeiro do trabalho na atenção à saúde dos caminhoneiros. Ver Pesqui Cuid Fundam (Impr.). 2010;2(2):760-9.

Masson VA, Monteiro MI. Estilo de vida, aspectos de saúde e trabalho de motoristas de caminhão. Rev Bras Enferm. 2010;63(4):533-40.

Ministério da Saúde (BR). Resolução nº 466/12. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Rocha EM. DST e Aids em região de fronteira: um estudo com caminhoneiros no estado de Rôndonia [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2007.

Resende PTV, Sousa PR, Cerqueira PR. Hábitos de vida e segurança dos caminhoneiros brasileiros [resumo]. In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais. Anais do SIMPOI 2010; 2010 Ago. São Paulo: FGV; 2010. p. 1-17

Xavier KGS, Vaghetti HH. Aspectos cronobiológicos do sono de enfermeiras de um hospital universitário. Rev Bras Enferm. 2012;65(1):135-40.

Zarpelao RZN, Martino MMF. A qualidade do sono e os trabalhadores de turno: revisão integrativa. Ver Enferm UFPE. 2014;8(6):1782-90.

Haeser LM, Buchele F, Brzozowski FS. Considerações sobre a autonomia e a promoção da saúde. Physis. 2012;22(2):605-20.

Cavagioni LC. Perfil dos riscos cardiovasculares em motoristas profissionais de transportes de carga da rodovia BR-116 no trecho paulista-Régis Bittencourt [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo; 2006.

Salles GCS, Pereira CA, Passos JP. Condições de trabalho dos profissionais de transporte e sua relação com a saúde. Rev Pesqui Cuid Fundam (Impr.). 2011;3(1):1692-700.

Ministério do Trabalho e Emprego (BR). Norma Regulamentadora nº 17- Ergonomia. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 2007.

Alquimim AF, Barral ABCR, Gomes KC, Rezende MC. Avaliação dos fatores de risco laborais e físicos para doenças cardiovasculares em motoristas de transporte urbano de ônibus em Montes Claros (MG). Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(8):2151-8.

Iglesias A, Dabello-Araujo M. As concepções de promoção da saúde e suas implicações. Cad Saúde Coletiva. 2011;19(3):291-8.

Nascimento EC, Nascimento E, Silva JP. Uso de álcool e anfetaminas entre caminhoneiros de estrada. Ver Saúde Pública. 2006;41(2):290-3.

Campos GWS, Barros RB, Castro AM. Avaliação de política nacional de promoção da saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(3):745-9.

Koller AS. Vida dos caminhoneiros brasileiros. Projeto de pesquisa: A vida dos caminhoneiros brasileiros. Sweden: WCF Foundation Brazil; 2005.




DOI: https://doi.org/10.5020/2960

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia