Grupo de gestantes: contribuições e potencialidades na complementaridade da assistência pré-natal

Amanda Haissa Barros Henriques, Gigliola Marcos Bernardo de Lima, Janaína Von Sohsten Trigueiro, Alynne Mendonça Saraiva, Monise Gleyce de Araújo Pontes, Joseane da Rocha Dantas Cavalcanti, Rosilene Santos Baptista

Resumo


Objetivo: Verificar as contribuições e potencialidades de um Grupo de Gestantes enquanto subsídio complementar a assistência pré-natal. Método: Trata-se de um estudo de natureza exploratória com abordagem qualitativa, desenvolvido em um Grupo de Gestantes do Município de Picuí- PB (BR). Participaram do estudo oito gestantes, sendo os dados coletados entre os meses de julho e setembro de 2012, por meio de um roteiro semiestruturado e analisados segundo a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC). Resultados: Os discursos evidenciaram o conhecimento das mulheres acerca do significado de Grupo de Gestantes, como também o complemento que este representa na assistência pré-natal e a melhor vivência da gravidez em decorrência da participação nas reuniões do grupo, permitindo a socialização da vivência gestacional e as trocas de experiências e de conhecimentos entre as participantes. Conclusão: O Grupo atuou como uma ferramenta complementar eficaz para o pré-natal na medida em que permitiu uma vivência mais segura e informada do ciclo gravídico-puerperal. É preciso incentivar a disseminação dos Grupos de Gestantes a fim de tornar as mulheres ativas no processo gestatório.

Palavras-chave


Gestantes; Cuidado Pré-Natal; Atenção Primária à Saúde; Prática de Grupo; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Cabral FB, Oliveira DLL. C. Women’s vulnerability in the puerperium from the view of Family Health Teams: emphasis on generational aspects and adolescence. Rev. Esc. Enferm. USP. 2010; 44(2):368-75.

Camacho KG, Vargens OMC, Progianti JM, Spíndola T. Vivenciando repercussões e transformações de uma gestação: perspectivas de gestantes. Ciencia y enfermeria. 2010; 16(2):115-25.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. 1. ed. rev. Brasília (DF): Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. 3a ed. rev. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

Narchi NZ. Atenção pré-natal por enfermeiros na Zona Leste da cidade de São Paulo – Brasil. Rev. Esc. Enferm. USP. 2010;44(2):266-73.

Albuquerque RA, Jorge MSB. Construção da autonomia no ato de cuidar das mulheres: sujeito autônomo ou sujeitado? Rev. Baiana de Saúde Pública. 2010;34(2):397-408.

Zampieri MFM, Erdmann AL. Cuidado humanizado no pré-natal: um olhar para além das divergências e convergências. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2010; 10(3):359-67.

Cabral FB, Hirt LM, Van der Sand ICP. Atendimento pré-natal na ótica de puérperas: da medicalização à fragmentação do cuidado. Rev. Esc. Enferm. USP. 2013;47(2):281-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2009 – Uma análise da situação de saúde e da agenda nacional e internacional de prioridades em saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2010.

Narchi NZ, Cruz EF, Gonçalves R. O papel das obstetrizes e enfermeiras obstetras na promoção da maternidade segura no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(4):1059-68.

Vieira SM, Bock LF, Zocche DA, Pessota CU. Percepção das puérperas sobre a assistência prestada pela equipe de saúde no pré-natal. Texto Contexto Enferm. 2011;20(Esp):255-62

Narchi NZ. Exercise of essential competencies for midwifery care by nurses in São Paulo, Brazil. Midwifery. 2011;27(1):23-29.

Frigo LF, Silva RM, Mattos KM, Manfio F, Boeira GS. A importância dos grupos de gestante na atenção primária: um relato de experiência. Rev. Epidemiol. Control. Infect. 2012;2(3):113-14.

Pinheiro BC, Bittar CML. Expectativas, percepções e experiências sobre o parto normal: relato de um grupo de mulheres. Fractal, Rev. Psicol. 2013;25(3):585-602.

Maron LC, Lagomarsino BS, Brizola NA, Van der Sand ICP, Cabral FB. Atividade grupal operativa com gestantes e familiares: um relato de experiência. Contexto & Saúde. 2011;10(20):161-68.

Reberte LM, Hoga LAK. La experiencia de padres participantes de un grupo de educación en salud en la atención prenatal. Ciencia y Enfermeria. 2010; XVI(1):105-14.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O Discurso do Sujeito Coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). 2. ed. Caxias do Sul: Educs; 2005.

Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução Nº 466 de 12 de dezembro de 2012 – Regulamenta a Resolução Nº 196/96 acerca das Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. [Internet], 2012 [acesso em 10 Jan 2014]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução Nº 311 de 08 de fevereiro de 2007 – Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. [Internet], 2007 [acesso em 10 Jan 2014]. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-3112007_4345.html.

Schwartz T, Vieira R, Geib LTC. Apoio social a gestantes adolescentes: desvelando percepções. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(5):2575-85.

IBGE. Estimativas Projeções População [Internet], 2008. [acesso em 20 Jun 2015]. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_Projecoes_Populacao/Revisao_2008_Projecoes_1980_2050/Revisao_2008_Projecoes_1980_2050.

Martinez EZ, Roza DL, Guimarães MCG, Bava C, Achcar JA, Fabbro ALD. Gravidez na adolescência e características socioeconômicas dos municípios do Estado de São Paulo, Brasil: análise espacial. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(5):855-67.

Victora CG, Aquino EML, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. The Lancet – Saúde no Brasil [Internet], 2011 [acesso em 12 Jan 2015]. Disponível em: http://download.thelancet.com/flatcontentassets/pdfs/brazil/brazilpor2.pdf.

Cesar JA, Mendoza-Sassi RA, Gonzalez-Chica DA, Mano OS, Goulart-Filha SM. Características sociodemográficas e de assistência à gestação e ao parto no extremo sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(5):985-94.

Mendoza-Sassi RA, Cesar JA, Silva PR, Denardin G, Mendes M. Risk factors for cesarean section by category of health service. Rev. Saúde Pública. 2010; 44(1):80-9.

Sanches NC, Mamede FV, Vivancos RBZ. Perfil das mulheres submetidas à cesareana e assistência obstétrica na maternidade pública em Ribeirão Preto. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(2):418-26.

Agência Nacional de Saúde Suplementar. Brasil tem uma das maiores taxas de cesariana na Saúde Suplementar. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2006 [acesso em 22 Jun 2015]. Disponível em: http://www.ans.gov.br/portal/site/home2/destaque_22585_2.asp.

Brasil. Ministério da Saúde. MS capacita profissionais para atender mães e bebês. Brasília (DF), Ministério da Saúde, 2009. [acesso em 22 Jun 2015]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&id_area=124&CO_NOTICIA=10229.

World Health Organization. Appropriate technology for birth. Lancet. 1985;2(8452):436-7.

Montenegro CAB, Rezende Filho J. Rezende Obstetrícia fundamental. 13. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2014.

Diniz D, Medeiros M. Aborto no Brasil: uma pesquisa domiciliar com técnica de urna. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(Supl 1):959-66.

Demitto MO, Silva TC, Páschoa ARZ, Mathias TAF, Bercini LO. Orientações sobre amamentação na assistência pré-natal: uma revisão integrativa Rev. Rene. 2010; 11(Número Especial):223-29.

Souza VB, Roecker S, Marcon SS. Ações educativas durante a assistência pré-natal: percepção de gestantes atendidas na rede básica de Maringá-PR. Rev. Eletr. Enf. 2011; 13(2):199-210.

Amaral EM, Sousa FLP, Cecatti J. G. Secretaria da saúde. Coordenadoria de Planejamento em Saúde. Assessoria Técnica em Saúde da Mulher. Atenção à gestante e à puérpera no SUS – SP: manual técnico do pré-natal e puerpério / Organizado por Karina Calife, Tania Lago, Carmen Lavras – São Paulo: SES/SP, 2010.

Francisquini AR, Higarashi IH, Serafim D, Bercini LO. Orientações recebidas durante a gestação, parto e pós-parto por um grupo de puérperas. Rev. Ciência Cuidado e Saúde. 2010; 9(4):743-75.

Zampieri MFM, Gregório VRP, Custódio ZAO, Regis MI, Brasil, C. Processo educativo com gestantes e casais grávidos: possibilidade para transformação e reflexão da realidade. Texto Contexto Enferm. 2010; 19(4):719-27.

Van der Sand ICP, Campos IFA, Dreher DZ, Rios KR. Metodologia de atenção à gestante e família: relato de experiência com grupo operativo. R. Enferm. UFSM. 2011; 1(3):497-505.

Duarte SJH, Borges AP, Arruda GL. Ações de enfermagem na educação em saúde no pré-natal: relato de experiência de um projeto de extensão da Universidade Federal do Mato Grosso. R. Enferm. Cent. O. Min. 2011; 1(2):277-82.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2015.p23

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia