“Deixo ela no canto e vou tocar minha vida”: significados de viver com HIV para homens com adesão irregular à terapia antirretroviral

Daniela Tavares Gontijo, Ana Paula Guimarães Cunha, Maria Regina Pontes Luz Riccioppo, Rodrigo Juliano Molina, Marcelo Medeiros

Resumo


Objetivo: Descrever e analisar os significados de viver com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) para homens com adesão irregular à terapia antirretroviral (TARV). Métodos: Pesquisa qualitativa, realizada em um ambulatório de um hospital universitário no interior de Minas Gerais, com participação de 10 homens. Os dados foram coletados entre maio e setembro de 2011 através de entrevista semiestruturada e submetidos à análise de conteúdo, resultando nas categorias temáticas “Descobrindo a contaminação pelo HIV” e “(Com)Vivendo com o HIV”. Resultados: Os significados de viver com HIV são marcados pela coexistência de algumas concepções equivocadas sobre HIV/AIDS, consolidadas no início da epidemia, com novas percepções, provenientes dos ganhos advindos da utilização da TARV, associadas à valorização de características que trazem uma percepção de invulnerabilidade pelo homem. Esses aspectos podem ser compreendidos como fatores que se refletem diretamente na forma como os sujeitos aderem ou não à TARV. Além disso, destacam-se também as limitações impostas pelas condições concretas de vida dos sujeitos, principalmente no que se refere ao âmbito socioeconômico e cultural. Conclusão: O processo de viver com HIV caracteriza-se pela complexidade, o que suscita o planejamento de ações de saúde, numa perspectiva de gênero que atenda às especificidades do universo masculino.

doi: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2013.p480

Palavras-chave


HIV; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; Saúde do Homem; Pesquisa Qualitativa

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Couto MT, Pinheiro TF, Valença O, Machin R, Silva GSN, Gomes R, et al. O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface Comun Saúde Educ. 2010;14(33):257-70.

Gomes R. Os homens e o cuidado com a saúde. In: Gomes R. A saúde do homem em foco. São Paulo: UNESP; 2010. p.27-49.

Leite DF, Ferreira IMG, Souza MS, Nunes VS, Castro PR. A influência de um programa de educação na saúde do homem. Mundo Saúde. 2010;34(1):50-6.

Marques Junior JS, Gomes R, Nascimento EF. Masculinidade hegemônica, vulnerabilidade e prevenção ao HIV/AIDS. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(2):511-20.

Rebello LEFS, Gomes R, Souza ACB. Homens e a prevenção da AIDS: análise da produção do conhecimento da área da saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2011;15(36):67-78.

Gomes R, Moreira MCN, Nascimento EF, Rebello LEF, Sousa, Couto MT, et al. Os homens não vêm! Ausência e/ou invisibilidade masculina na atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(Supl):983-92.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de ações programáticas estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes[acesso em 2011 Ago 8}. Brasília; 2008. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/ PORTARIAS/Port2008/PT-09-CONS.pdf

Ayres JRCM, Calazans GJ, Saletti Filho HC, França Junior I. Risco, Vulnerabilidade e práticas de prevenção e promoção da saúde. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Junior M, Carvalho YM. Tratado de saúde coletiva. 2ª ed. São Paulo: Hucitec;2009. p.375-417

Barros VL, Araújo MAL, Alcântara MNA, Guanabara MAO, Melo SP, Guedes SSS. Fatores que interferem na adesão de gestantes com HIV/AIDS à terapia antiretroviral.Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(4):396-403.

Nemes MIB. Adesão ao tratamento, acesso e qualidade da assistência em AIDS no Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2009;55(2):207-12.

Silva ALCN, Waidman MAP, Marcon SS. Adesão e nãoadesão à terapia anti-retroviral: as duas faces de uma mesma vivência. Rev Bras Enferm. 2009;62(2):213-20.

Amorim CM, Szapiro AM. Analisando a problemática do risco em casais que vivem em situação de sorodiscordância. Cienc Saude Coletiva.2008;13(6):1859-68.

Teixeira MG, Silva GA. A Representação do portador do vírus da imunodeficiência humana sobre o tratamento com os anti-retrovirais. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(2):729-36.

Blatt CR, Citadin CB, Souza FG, Mello RS, Galato D. Avaliação da adesão aos anti-retrovirais em ummunicípio no Sul do Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(2):131-6.

Costa DAM, Zago MMF, Medeiros M. Experiência da adesão ao tratamento entre mulheres com Vírus da Imunodeficiência Humana/ Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Acta Paul Enferm. 2009;22(5):631-7.

Bonolo PF, Gomes RR, Guimarães MD. Adesão à terapia anti-retroviral (HIV/AIDS): fatores associados e medidas de adesão. Epidemiol Serv Saúde. 2007;16(4):261-78.

Pérsico BFG, Figueiredo MAC. Grupos de adesão como fonte de recursos no convívio com HIV/AIDS. Rev SPAGESP. 2008;9(1):21-8.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e AIDS. Manual de adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV e AIDS [acesso em 2011 Ago 8]. Brasília; 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_adesao_tratamento_hiv.pdf

Polejack L, Seidl EMF. Monitoramento e avaliação da adesão ao tratamento antirretroviral para HIV/ aids: desafios e possibilidades. Cien Saude Colet. 2010;15(1):1201-8.

Minayo MCS. O desafio do Conhecimento. 10ª ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Flick U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Gomes R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo MCS, organizador. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro:Vozes; 2008. p.79-108.

Reis RK, Gir E. Vulnerabilidade ao HIV / AIDS e a prevenção da transmissão sexual entre casais sorodiscordantes. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(3):662-9.

Souza VS, Czeresnia D. Demandas e expectativas de usuários de centro de testagem e aconselhamento anti- HIV. Rev Saúde Pública. 2010;44(3):441-7.

Gomes R. Sexualidade masculina, gênero e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008.

Meirelles BHS, Silva DMGV, Vieira FMA, Souza SS, Coelho IZ, Batista R. Percepções da qualidade de vida de pessoas com HIV/AIDS. Rev Rene. 2010;11(3):68- 76

Seben G, Gauer GJC, Giovelli GRM, Vieira RG. Adultos jovens portadores de HIV: análise dos processos subjetivos no enfrentamento da doença. Psic Rev Psicol Vetor Ed. 2008;9(1):63-72.

Vidal ECF, Braga VAB, Silva MJ, Pinheiro AKB. Políticas Públicas para pessoas com HIV: discutindo direitos sexuais e reprodutivos. Rev RENE. 2009;10(2):166-74.

Melchior R, Nemes MIB, Alencar TMD, Buchalla CM. Desafios da adesão ao tratamento de pessoas vivendo com HIV/AIDS no Brasil. Rev Saúde Pública. 2007;41(2):87-93.

Carvalho FT, Morais NA, Koller SH, Piccinini CA. Fatores de proteção relacionados à promoção de resiliência em pessoas que vivem com HIV/AIDS. Cad Saúde Pública. 2007; 23(9):2023-33.

Padoin SMM, Machiesqui SR, Paula CC, Tronco CS, De Marchi MC. Cotidiano terapêutico de adultos portadores da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. Rev Enferm UERJ. 2010;18(3):389-93.

Guzmán JLD, Iriart JAB. Revelando o vírus, ocultando pessoas: exames de monitoramento (CD4 e CVP) e relação médico-paciente no contexto da AIDS. Cad Saúde Pública. 2009;25(5):1132-40.

Schraiber LB, Figueiredo WS, Gomes R, Couto MT, Pinheiro TF, Machin R, et al. Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens. Cad Saúde Pública. 2010;26(5):961-70.

Gomes R, Nascimento EF, Araujo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixaescolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública. 2007;23(3):565-74




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/3112

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia