Abordagem clínica de enfermagem na prevenção do pé diabético

Francisco Gilberto Fernandes Pereira, Maria Albertina Rocha Diógenes, Danielly Feitosa Freire, Márcia Shirley de Meneses, Antonia Tayana da Franca Xavier, Márcia Barroso Camilo de Ataíde

Resumo


Objetivo: Identificar as condutas utilizadas durante a consulta de enfermagem à pessoa comdiabetes mellitus, na prevenção do pé diabético. Métodos: Estudo descritivo, observacional e quantitativo, realizado em uma instituição de atendimento secundário em diabetes e hipertensão do estado do Ceará entre agosto e setembro de 2011. Os dados foram coletados por ocasião da consulta de enfermagem, através de um formulário, sendo organizados em quadros com análise descritiva. Resultados: A abordagem clínica do pé diabético é realizada com pouca ênfase, excluindo-se perguntas relevantes sobre os hábitos do paciente, tais como: andar descalço, corte das unhas, cuidados com os calos e hidratação dos pés. Além disso, são negligenciadas orientações, como a informação sobre o melhor horário de comprar o sapato, o tipo de meia a ser usado e não poder andar descalço. Conclusão: Constatou-se que a conduta utilizada nas consultas realizadas pelas enfermeiras da presente pesquisa não foi a ideal, pois a anamnese e o exame físico dos pés ocorreram de modo incompleto, deixando de cumprir etapas importantes na prevenção ao desenvolvimento do pé diabético ou das potenciais complicações a ele associadas.

doi: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2013.p498

Palavras-chave


Pé Diabético; Educação em Enfermagem; Diabetes Mellitus

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Health in Brazil 4. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burdenand current challenges. Lancet [periódico online] 2011 [acesso em 2012 Abril 11]; 9:1-13. Disponível em:www.diabetes.org.br/attachments/lancet-collection.pdf.

Sociedade Brasileira de Diabetes - SBD. Detecção e tratamento das complicações crônicas do Diabetes Mellitus [Internet] 2008 [acesso em 2012 Abril 11]. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/educacao/compcrondoc.php.

Parisi MC, Zantut-Wittmann DE, Pavin EJ, Machado H, Nery M, Jeffcoate WJ. Comparison of three systems of classification in predicting the outcome of diabetic foot ulcers in a Brazilian population. Eur J Endocrinol.2008;159(4):417-22.

Bortoletto MSS, Viude DF, Haddad MCL, Karino ME.Caracterização dos portadores de diabetes submetidos a amputação de membros inferiores em Londrina, Estado do Paraná. Acta Sci Health Sci. 2012;32(2):205-13.

Tentolouris N, Petrikkos G, Vallianou N, Zachos C, Daikos GL, Tsapogas P, et al. Prevalence of methicillinresistant Staphylococcus aureus in infected anduninfected diabetic foot ulcers. Clin Microbiol Infect.2006;12(2):186-9.

Curcio R, Lima MHM, Torres HC. Protocolo para consulta de enfermagem: assistência a pacientes com diabetes melittus tipo 2 em insulinoterapia. Rev Gaúcha Enferm. 2009;30(3):552-7.

Andrade NHS, Mendes KDS, Faria HTG, Martins TA, Santos MA, Teixeira CRS, et al. Pacientes com diabetes mellitus: cuidados e prevenção do pé diabético em atenção primária à saúde. Rev Enferm UERJ.2010;18(4):616-21.

Rocha RM, Zanetti ML, Santos MA. Comportamento e conhecimento: fundamentos para prevenção do pé diabético. Acta Paul Enferm. 2009;22(1):17-23.

De La Torre HG, Pérez EP, Lorenzo MLQ, Fernández AM. Estratificación de riesgo em pie diabético.Gerokomos. 2010;21(4):172-82.

Chan ACRV, Lima PF, Chaves JBC, Raymundo CS. Incidência em amputação em membros inferioresassociada a diabetes mellitus. Saúde Coletiva.2009;33(6):222-6.

Spollett GR. Preventing amputations in the diabetic population. Nurs Clin North Am. 1998;33(4):629-41.

Ruschel AP, Milano D, Berlezi EM, Schneider RH.Condições vasculares periféricas do pé diabético em idosos. RBCEH. 2008;5(2):88-100.

Ochoa-Vigo K, Pace AE. Pé diabético: estratégias para prevenção. Acta Paul Enferm. 2005;18(1):100-9.

Assumpção EC, Pitta GB, Macedo ACL, Mendonça GB, Albuquerque LCA, Lyra LCB, et al. Comparação dos fatores de risco para amputações maiores e menores em pacientes diabéticos de um programa de saúde da família. J Vasc Bras. 2009;8(2):133-8.

Salome GM, Blanes L, Ferreira LM. Avaliação de sintomas depressivos em pessoas com diabetes mellitus e pé ulcerado. Rev Col Bras Cir. 2011;38(5):327-33.

Faber DC, Faber JS. Office-based screening,prevention, and management of diabetic foot disorders.Prim Care. 2007;34(4):873-85.

American Diabetes Association. Preventive foot care in people with diabetes. Diabetes Care. 2001;24 (Suppl1):56-7.

Borges F. Pé em risco: cresce número de amputações entre vítimas do diabetes. Folha de Londrina, 2010;p.10-12.

Hirota CMO, Haddad MCL, Guarinete MHDM. Pé diabético: o papel do enfermeiro no contextodas inovações terapêuticas. Cien Cuid Saúde.2008;7(1):114-20.

Diógenes MAR, Oliveira GFPM, Silva KC, Rebello MMCB. Avaliação do autocuidado em membros inferiores de clientes de um ambulatório de pé diabético. Rev Tendências Enferm Profissional. 2010;2(1):25-31.

Xavier ATF, Bittar DB, Ataide MBC. Crenças no autocuidado em diabetes: implicações para a prática. Texto Contexto Enferm. 2009;18(1):124-30.

Pinto APPP, José HMG. Hypertension and adherence to the therapeutic regímen in primary




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/3114

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia